Hoje começaremos nossa viagem em Akihabara, o lugar dos otakus. Quando as portas do trem abriram, confesso que ouvi até a musica do Densha Otoko, na minha cabeça, enquanto pisava em Akihabara pela primeira vez.

Saindo da estação, tinha uma placa, ir pra cidade dos eletronicos e era lá mesmo que eu queria ir. Primeira loja que eu fui, tinha itens e mais itens do estudio ghibli e tocava direto o tema do filme Gake no Ue no Ponyo.

Tinha bonecos fantasticos de Super Sentai e Final Fantasy. Lá, mostrei pro Renato, a série que sai as personagens de Changeman em versão Kawaii e SD.

Continuando pelo bairro, confesso que imaginava diferente, mas podemos traduzir que Akihabara parece um bairro de Hong Kong. Vemos, pessoas vendendo computadores, hd externos, coisas carissimas pra nós ocidentais, só que na rua. Pra ter uma noção, na segunda vez que eu fui em Akihabara (essa historia eu conto direito no futuro), tinha uma liquidação de laptops a 120 dolares.

Numa dessas promoções de rua, estava bonecos Gundam a preços como 15 reais. Tipo liquidação total mesmo.

O muito legal que as lojas em seus primeiros andares, você não dá nada, mas ai você vê uma escada e começa a subir. Ai vai abrindo a loja pra ti, vendo andares e mais andares de categorias diferentes do que você procura.

Teve uma loja de produtos usados, que só tocava musicas de tokusatsu antiga. Juro, quando meti o pé na loja, começou a tocar Sun Vulcan. Foi uma coisa muito legal essa experiencia e com certeza descrever Akihabara como ela realmente deve, vai dar um pouco de trabalho.

Muitas vezes, você não tem segunda chance, porque as lojas desaparecem. Todo lugar tem lojas, mas nem sabe, você consegue achar o caminho de volta. Portanto, eu perdi muitas coisas que queria comprar, graças a esse pensamento imbecil por minha parte.

Post continua amanhã, sobre a Gamers, restaurante brasileiro em Akihabara, entre outras peculariedades da região.

Também teremos post sobre a Potato que é loja de videogames antigos. Vocês vão adorar ver ela por dentro.
Continua.

About Giuliano Peccilli

Editor do JWave, Podcaster e Gamer nas horas vagas. Também trabalhou na Anime Do, Anime Pró, Neo Tokyo e Nintendo World.

View all posts by Giuliano Peccilli

6 Comments on “Japão: Akihabara, a meca Otaku”

  1. Akihabara foi o primeiro lugar que visitei no Japão. Ainda atordoado com a longa viagem, deixamos as malas na hospedagem e fomos levados pra lá. As luzes, cores e uma infinidade de produtos realmente te deixam meio atordoado. Preciso voltar lá um dia!!!Abraços!!

  2. Akihabara foi um bairro que apreciei em partes. Dormi lá num hotel capsula durante 2 dias, e andei por lá uns 4 a 5 dias.Acho que frequentei cada pedaço lá, mas sinto saudades. Quero ir lá de novo.

  3. Muito bacana cara,você realizou um sonho que muita gente tem. Pelo que entendi, você não ficou em um lugar fixo e sim em um hotel perto de cada local que foi, é isso ? Cara, desculpa se a pergunta for meio indiscreta, mas se possivel , coloque, nem que seja aproximado, o preço das coisas lá, tipo estadia, comida , porque é uma curiosidade que tenho e porque acho que é bacana pra quem pensa em ir no futuro ter uma idéia. Sei que é chato falar sobre isso então se não quiser comentar eu entendo.

  4. Severino,Nesse caso eu fiquei em hotel, mas vc vai perceber assim que acabar a historia de akihabara, que eu encontrei o professor no qual eu dormi na casa dele em tokyo.Então pelo periodo q eu fiquei lá, nao daria jamais eu ter pago tudo.abraços

  5. Ótimos posts sobre o Japão, Giuliano. Acredito que você deve estar bem atarefado, já que estamos em março, e só agora você está contando suas peripécias. Sempre me esqueço, mas tenho que colocar o link do seu blog no meu. Ah, e tem que falar do nosso encontro acidental em Akihabara…HeHeHe! Cadê a foto que tiramos juntos? Aliás, falando em Akihabara, meu amigo Koji, do Neo Animation, apelidou este bairro de “Liberdade Perfect Grade” (numa paródia aos Gundam Perfect Grade). É quase igual ao bairro da Liberdade…HáHáHá!Espero seu retorno aqui, meu amigo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.