Para quem vê o nome da Toho, deve se lembrar de duas coisas, a primeira é o monstro Godzilla e a segunda é tokusatsu, como Cybercops. Porém, a Toho é uma distribuidora de cinemas muito forte no Japão, sempre presente no Top 10 da bilheteria por lá.

O que poucas pessoas sabem é que a Toho já teve no Brasil, como também tinha salas de cinemas por aqui, porém a empresa já faz umas décadas que fechou sua filial brasileira.

Pessoas exigentes, como Mauricio Saldanha, do Rapaduracast, com certeza gostaria de ter a chance de ter um cinema como esse da Toho no Japão.

O Danny Choo é um otaku bastante famoso no mundo inteiro por se fantasiar de Trooper e dançar nas ruas de Tokyo, porém ele sempre mostra curiosidades da cultura pop no Japao. Escrevendo em inglês em seu site, Danny Choo sempre coloca fotos de altíssima qualidade, das ruas da cidade.

Num de seus posts, ele tinha ido ver Anjos e Demônios, e mostrou a sala da Toho por dentro. Fotos belíssimas, mostrando o quanto é o nível de qualidade da sala.

O amigo Felipe Fonseca, do blog Pensão Hinata, chegou a comentar que o site da Toho tinha inclusive as especificações do tamanho da tela na sala. Conferindo no site da Toho, não só tem tamanho das telas, como lugares são demarcados, sendo um belíssimo site e intuitivo, sobre as salas da empresa.

Voltando sobre a Toho no Brasil, a empresa abriu em 1958 a Toho Filmes América do Sul Ltda, também conhecida como Nambei Toho. Os filmes começaram a ser exibidos no Cine Joía, na Praça Carlos Gomes, onde hoje funciona uma igreja evangélica.

Mesmo tendo festivais no Brasil, e ter exibido seus filmes em diversos cinemas brasileiros,a Nambei Toho encerrou suas operações em 1978, com 722 filmes exibidos no Brasil. Uma pena, mas quem sabe se empresários brasileiros forem atrás, a empresa não volte ao Brasil, com a mesma qualidade que hoje tem no Japão. Resta ser otimista.


About Giuliano Peccilli

Editor do JWave, Podcaster e Gamer nas horas vagas. Também trabalhou na Anime Do, Anime Pró, Neo Tokyo e Nintendo World.

View all posts by Giuliano Peccilli