A música Enka até alguns anos atrás, encontrava em baixa pelo público japonês. Considerada uma música para um público mais velho, Enka que é a música tradicional japonesa, não renovava o público há muito tempo.

Restringindo-se cada vez mais, o destaque a música Enka se restringe a programas da televisão japonesa, como o programa de final de ano da estatal NHK, Kouhaku Utagassen. Jero, sendo o primeiro ocidental miscigenado entre japonês e africanos, a cantar Enka, chamou atenção da mídia japonesa, como também a do mundo inteiro.
Querendo realizar o sonho de sua avó, Jero se tornou um cantor de música enka disposto a entrar no famoso programa de final de ano da NHK, o Kouhaku Utagassen. Sua ousadia foi não abrir mão do seu visual rapper, mesmo cantando enka, já que sendo negro, ele mesmo acha que se vestissem trajes tradicionais que os cantores enka usam, pareceria uma sátira do gênero.

O inusitado se tornou um sucesso, Jero estreou nas paradas de sucesso, com seu primeiro single “Umiyuki”, lançado em fevereiro de 2008, chegando em 4º dos singles mais vendidos da semana.

Jero surge numa época que outro cantor de enka, o Kiyoshi Hikawa. Ambos surgiram e agradaram o público jovem nipônico que não se interessava mais pelo gênero musical. Alterando o rótulo de música antiga, a música enka se renovou graças a esses dois cantores.
O que é Enka?

Para quem não sabe, Enka é uma música tradicional japonesa, criada entre a Era Meiji e a Era Taisho. Enka é uma forma lírica de canção que significa literalmente “canção interpretada”, pois junta os kanjis de atuação com ao de canção.

Inicialmente, a música era usada pra cunho político, principalmente para desacordos, mas hoje, ela é uma combinação do oriente com ocidente, aonde se fala lamúrias de amor.
O Enka entrou em crise nos anos 80 para os 90, quando com o surgimento de músicas como JPOP e o JROCK, caíram no gosto dos jovens, fazendo as vendas de Enkas caírem vertiginosamente. O declínio transformou o público de música Enka, pequeno, mas fiel, mantendo a chama viva, em programas como NHK Kouhaku Uta Gassen, na virada do ano.

No Brasil, o símbolo da música enka com certeza é a cantora Hibari Misora. Até hoje, considerada uma das melhores cantoras do gênero, faleceu ainda jovem em 1987, sendo um dos símbolos do fim da Era Showa, junto com a morte de Osamu Tezuka em 1989.
Perfil

Jerome Charles White Jr nasceu no dia 4 de setembro de 1981, na cidade de Pittsburgh, na Pennsylvania, EUA. Sua paixão por Enka veio por influência de sua avó, Takiko. Quando jovem, ela deixou o Japão, para se casar com um oficial americano. Nos Eua, Takiko teve Harumi, mãe de Jero e com os dois, ela sempre passava a cultura do seu país, como a música. Haruhi foi vendedora de lojas de departamento nos EUA, e depois de um casamento não duradouro, voltou pra sua cidade natal, Pittsburgh. Jero foi criado numa família com valores orientais, por isso desde cedo, ele estava voltado à cultura japonesa.

Ele se formou em ciência da computação na Universidade de Pittsburgh em 2003, no mesmo ano, ele decidiu se mudar para o Japão. Decidindo estudar japonês, ele entrou na universade de Kansai.
A promessa

Inicialmente, Jero não almejava se tornar um cantor profissional de enka, tanto que se formou em ciência de computação em Pittsburgh. Foi justamente a promessa com sua avó, Takiko, que fez mudar de profissão, seguindo o caminho da música. O sonho de Takiko era ver seu neto cantando ao lado de grandes cantores japonês no Kouhaku Utagassen.
Infelizmente, Takiko não pode ver o seu grande sonho se realizar, já que ela faleceu em 2005. Mesmo assim, Jero prometeu que iria continuar o sonho dela e participar do Kouhaku Utagassen.
O debut

Trabalhando em ciência da computação no Japão, ele sempre ia a concursos musicais tentar uma chance, como cantor. Num desses concursos, a gravadora Victor Entertaiment decidiu investir suas fichas no cantor.

Para quem não conhece a Victor Entertaiment, ela é a mesma gravadora de Smap, Rimi Natsukawa, Remioromen, Maaya Sakamoto, Southern All Stars entre tantos outros.
Seu primeiro single veio em 20 de fevereiro de 2008, chamado Umiyuki (literalmente Oceano de neve) ficando em 4º lugar de singles mais vendidos da semana. Uma estréia fenomenal para um cantor estrangeira com musica tradicional japonesa, como a enka. A canção mesmo que fazendo referência ao oceano do Japão, Jero confessa que quando compôs, imaginou no oceano próximo da Califórnia.

Em 21 de maio de 2008, Jero estrelou comercial da cervejaria Kirin, para o produto Kirin “Fire” Coffee.

A CNN International entrevistou o cantor em outubro de 2008, para o programa TalkAsia.
50th Japan Record Awards
Em 30 de dezembro, aconteceu o 50th Japan Record Awards, exibido pela TBS. No programa, Jero ganhou na categoria de Melhor artista do ano (Best New Artist). Entre os outros destaques do ano ficaram a música Ti amo, do grupo Exile, melhor companhia Avex Entertaiment, melhor álbum Namie amuro com Best Fiction.
The 59th NHK Kouhaku Uta Gassen

No dia 31 de dezembro, um dia depois do 50th Japan Record Awards, a promessa de Jero se realizaria. Entrando no time branco, Jero emocionou sua mãe, Haruhi, aparecer no palco do programa, cantando Umiyuki.

Essa edição do Kouhaku Uta Gassen, teve Masahiro Nakai (do grupo Smap) como líder do time branco e Yukie Nakama como líder do time vermelho. Na mesma edição, o Brasil foi um dos destaques do Kouhaku Uta Gassen com uma pequena entrevista ao vivo, realizada no bairro da liberdade, com descendentes nipônicos que assistiam ao programa num telão instalado no bairro. Comemorando o centenário da imigração japonesa no Brasil, o Kouhaku Uta Gassen encerrou as comemorações no Japão.
National Cherry Blossom Festival

O dia 28 de março de 2009, Jero fez sua primeira grande aparição nos EUA, no National Cherry Blossom Festival , realizado em Washington, D. C. . Esse festival é realizado todos os anos em celebração a Primavera em homenagem a Yukio Ozaki que doou 3 cerejeiras para Washington, como símbolo de amizade entre os dois países.

About Giuliano Peccilli

Editor do JWave, Podcaster e Gamer nas horas vagas. Também trabalhou na Anime Do, Anime Pró, Neo Tokyo e Nintendo World.

View all posts by Giuliano Peccilli