Três dias de muitas atrações, e um grande espetáculo de cultura japonesa. Assim se pode resumir o que foi o 13º Festival do Japão, o maior evento da comunidade japonesa no Brasil e na América Latina, que foi realizado nos últimos dias 16, 17 e 18 de julho no Centro de Exposições Imigrantes, em São Paulo. Neste ano, o evento trouxe novidades e um repertório bastante variado, abordando diversos segmentos da cultura japonesa no Brasil, de forma a agradar todos os gostos do público.

Dentre as novidades deste ano, o evento dedicou, pela primeira vez na sua história, um espaço destinado exclusivamente à cultura pop japonesa: o Akiba Space (numa alusão ao bairro de Akihabara, em Tokyo), patrocinado pela Editora JBC, onde o público pôde conferir novidades em tecnologia (como a televisão 3D) e games, além de apresentar um pouco da moda de rua do Japão e também do cosplay. Além disso, o Festival do Japão abrigou neste ano a final brasileira do WCS, o concurso mundial de cosplay, que escolheu os representantes do Brasil na final mundial do evento em Nagoya. (este assunto será tratado mais adiante, aqui mesmo no J-Wave)

O Akiba Space – primeiro espaço reservado à cultura pop japonesa dentro do Festival do Japão

O público pôde conferir novidades em games e tecnologia no Akiba Space


Acessórios de moda e cosplay também foram expostos

Os membros do grupo Punk For Alice demonstraram
um pouco da moda de Harajuku


Várias autoridades e personalidades políticas estiveram presentes no Festival, como a vice-prefeita de São Paulo, Alda Marco Antônio, que representou o prefeito Gilberto Kassab, que estava em compromisso fora do país; o secretário geral da Casa Militar de São Paulo, cel. Luiz Massao Kita, que representou o governador do Estado, Alberto Goldman; além dos vereadores Jooji Hato (PMDB-SP) e Ushitaro Kamia (DEM-SP) e os deputados federais Walter Ihoshi (DEM-SP) e William Woo (PPS-SP), entre outros parlamentares da comunidade nikkei. Todos eles participaram do cerimonial de abertura do evento, realizando a tradicional quebra do taru (barril de saquê) e brindando a realização do Festival com saquê.

A vice-prefeita de São Paulo, Alda Marco Antônio,
discursa durante o cerimonial de abertura do Festival

O cel. Luiz Massao Kita, secretário geral da Casa Militar de São Paulo,
representou o governador do Estado, Alberto Goldman

As autoridades no momento da quebra do Taru…

…e o brinde com saquê.

Marina Silva, candidata à Presidência pelo PV, também prestigiou o evento.

O tema principal do Festival do Japão neste ano foi a arte das províncias, com um destaque especial para a província de Nara. Sua capital, Nara, completou 1300 anos de sua fundação, e foi a primeira capital institucional do Japão.

Objetos de arte da província de Gunma


Caligrafia e arte de Nara, província especialmente homenageada pelos 1300 anos
de fundação da cidade de Nara, a primeira capital do Japão.

As províncias também foram representadas na gastronomia, como acontece em todos os anos do Festival. Cada stand da praça de alimentação trouxe pratos típicos de cada província do Japão.


O público também teve a oportunidade de aprender a arte japonesa. Workshops de origami, caligrafia, pintura e mangá (quadrinhos) foram realizados ao longo dos três dias do evento.



As artes marciais, como o karatê e o aikidô, também marcaram presença no Festival, com demonstrações e workshops.



E, claro, não poderiam faltar as apresentações de dança e música tradicionais. Vários grupos de dança se alternaram nos palcos do evento, durante os três dias.

Grupo da Associação Tottori Kenjin do Brasil



Ishin Yosakoi Soran


Bunomai: a mistura das artes marciais com a dança,
da província de Okinawa

E a batida forte do taiko também deixou sua marca. Diversos grupos realizaram apresentações que empolgaram a platéia.

Shinkyo Daiko



Himawari Taiko

Ryukyu Koku Matsuri Daiko

Raijin Taiko

Requios Gueinou Doukoukai

Membros do Bon Odori Atibaia e do Ryuko Daiko de Mogi das Cruzes (de amarelo)

Os cantores também tiveram a oportunidade de soltar a voz no evento. Estiveram presentes no Festival os já conhecidos da comunidade nikkei Joe Hirata e Karen Ito, e, direto do Japão, as cantoras Yuri Harada e Mariko Nakahira.


Joe Hirata e Karen Ito marcaram presença no Festival

Yuri Harada foi uma das atrações internacionais do evento


Os jovens da comunidade também mostraram o seu potencial. Grupos de street dance como o Soul Base e o Nature Soul Crew realizaram demonstrações e até duelos na área cultural do evento, enchendo os olhos do público ali presente.

Nature Soul Crew

Soul Base

Just: este grupo conquistou o quinto lugar no Festival de Street Dance de Los Angeles

A presença dos voluntários (os famosos “vermelhinhos”) também é marcante. São eles que colaboram para a organização do evento, sempre dispostos a auxiliar quando necessário.

Os voluntários também dão o tom do evento


Isto tudo é apenas uma amostra do que foi o 13º Festival do Japão, que fez jus ao título de maior evento de cultura japonesa da América Latina. E tende a crescer cada vez mais nos próximos anos, atraindo um público maior a cada ano.
Nas próximas partes desta matéria, vamos tratar de dois pontos altos do evento: o Miss Nikkey Brasil 2010, o principal concurso de beleza oriental do país, e a final brasileira do WCS, realizada pela primeira vez dentro do Festival. Fiquem ligados!

About Daniel Ramos

Sempre presente nos eventos de cultura japonesa que saem nas páginas do JWave.

View all posts by Daniel Ramos