Mais uma vez, o Festival do Japão mostrou porque é considerado o maior evento de cultura japonesa da América Latina. Em sua 14ª edição, o evento, realizado nos dias 15, 16 e 17 de Julho no Centro de Exposições Imigrantes, em São Paulo, trouxe muitas atrações e proporcionou ao público que compareceu ao evento uma verdadeira viagem cultural ao país do sol nascente.

O tema adotado pelo evento deste ano foi “Alimentação e Longevidade”. O Japão é um dos países com maior expectativa de vida do mundo, e muito disto se deve à dieta balanceada dos japoneses, rica em nutrientes. Frutas, vegetais, peixe, frutos do mar, são alguns dos elementos que compõem a dieta dos japoneses.
O evento, este ano, buscou ressaltar a importância de uma alimentação saudável para a nossa saúde.


E por falar em alimentação, como em todos os anos, a gastronomia das províncias japonesas foi apresentada na praça de alimentação do evento, onde o público presente pôde experimentar um pouco dos sabores de cada região do Japão.

Muitas autoridades estiveram presentes no evento, tais como o secretário estadual de cultura Andrea Matarazzo, que representou o governador Geraldo Alckmin, o diretor da São Paulo Turismo Milton Longobardi, que representou o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, além dos deputados federais Keiko Ota (PSB-SP), Junji Abe (DEM-SP), Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP) e Walter Ihoshi (DEM-SP), os deputados estaduais Hélio Nishimoto (PSDB-SP), Victor Kobayashi (PSDB-SP) e Jooji Hato (PMDB-SP), e o vereador Ushitaro Kamia (DEM-SP). Também esteve presente ao evento o cônsul-geral adjunto do Japão em São Paulo, Masahiro Kobayashi. Todos eles participaram, no sábado (16/07) da tradicional cerimônia de quebra do taru (barril de saquê), que abre oficialmente o Festival.

Neste ano, o evento trouxe algumas novidades. Mais uma vez, o Akiba Space, patrocinado pela editora JBC, representou a cultura pop japonesa, trazendo, além de lançamentos em mangás e em games como o portátil 3DS, da Nintendo, palestras e workshops sobre moda – especialmente o estilo Lolita, muito comum no bairro de Harajuku, em Tokyo.

A criançada também teve seu espaço dentro do Festival. No Espaço Criança, diversas atividades estavam à disposição dos pequenos, como o origami e a confecção de pipas. A novidade deste ano ficou por conta dos workshops de karatê e kobudo, promovidos pela Associação Okinawa Kobudo Jinbukai/Okinawa Shorin-ryu Karate-do Jyureikan do Brasil, chefiada pelo sensei Flavio Vicente de Souza.


Mas não foram só as crianças que tiveram oportunidade de aprender e entrar em contato com a cultura japonesa. Diversos workshops foram realizados para o público em geral ao longo dos três dias do evento. Entre as atividades, estavam a caligrafia (shodô), oshibana (arte com flores secas), kirigami, sumi-ê, entre outras.





O evento também dedicou um espaço à tragédia ocorrida no Japão em março deste ano. Uma exposição de fotos mostrou o drama do povo japonês em meio ao terremoto seguido de tsunami que devastou o nordeste do país, deixando um enorme rastro de destruição e milhares de mortos e desabrigados, além de provocar colapso em usinas nucleares, como a de Fukushima.
Algumas imagens impressionam, como a de um templo que foi completamente destruído pela onda gigante, mas seu portal (toori) permaneceu intacto, como em um milagre.


Mas, como em todos os anos, o Festival do Japão foi marcado principalmente pela alegria das danças, do taiko e das atrações culturais. Diversos grupos passaram pelos palcos do evento, e mostraram a diversidade e a beleza da cultura japonesa.






Além dos grupos, cantores nacionais, como Joe Hirata e Karen Ito, e internacionais, como Mariko Nakahira e Tsubasa, também deram o ar da graça no evento.



E, claro, o Festival contou com um grande número de voluntários, que, durante os três dias do evento, contribuiu para a organização em todos os setores.


Ao final do evento, o presidente da comissão organizadora, Nelson Maeda, fez um balanço positivo desta edição do Festival: “Quebramos recordes em vários segmentos neste ano. Tivemos sucesso total em 100% dos bazares, além um aumento agressivo de instituições participantes, e os próprios kenjinkais (associações de províncias japonesas) tiveram sucesso na gastronomia, vários deles com boa lucratividade, bem maior do que na edição do ano passado. No geral, estamos muito felizes, porque o evento foi um sucesso no transcorrer dos três dias”, disse Maeda ao J-Wave. O organizador ainda destacou as expectativas para a edição do ano que vem: “Já estamos com um plano de trabalho para o próximo Festival. A partir de agosto, começaremos a desenvolver o projeto, buscando novos patrocinadores, para assim poder trazer novidades e realizar uma programação mais intensa”, revelou.

Tudo isto é apenas uma amostra do que foi o 14º Festival do Japão. Um evento que, a cada ano, supera expectativas e atrai um grande público. E tende sempre a crescer.
Nas próximas postagens, falaremos sobre outras duas grandes atrações do evento: o Miss Nikkey Brasil 2011, que elegeu a mais bela representante da comunidade nikkei, e a etapa brasileira do World Cosplay Summit, que escolheu os representantes do país na final mundial do concurso, em agosto, na cidade de Nagoya. Fiquem ligados na cobertura J-Wave do 14º Festival do Japão!

About Daniel Ramos

Sempre presente nos eventos de cultura japonesa que saem nas páginas do JWave.

View all posts by Daniel Ramos