JMangá #8 – Análise Guerreiras Mágicas de Rayearth No ratings yet.

JMangá 8 Capa

Bem-vindos a mais uma JMangá! \o/

Nessa edição irei falar sobre mais uma republicação da Editora JBC: Guerreiras Mágicas de Rayearth. Mais um relançamento e de outra obra do CLAMP, vamos ver como ficou?

Obrigado Editora JBC por ter cedido gentilmente o volume para ser feita a análise.

A História

A história começa com a Hikaru Shindô fazendo uma visita escolar a Torre de Tokyo (sempre ela) e acaba encontrando Umi Ryuzaki e Fuu Hô-ôji. Então elas ouvem uma voz e, com uma luz muito forte, elas acabam sendo teletransportadas para um mundo estranho, com ilhas flutuantes e vulcões. Mais tarde, as garotas encontram um mago que diz que elas são as garotas destinadas a ressuscitarem os mashins e assim se tornarem as lendárias Guerreiras Mágicas.

Formato

O formato é tradicional da JBC: o 13,5 X 20,5 cm. Capa cartonada e com impressão especial na parte interna da capa, o papel é o off-set com páginas coloridas no começo e no final do volume. Inclusive, as paginas coloridas são impressas no próprio off-set o que gera uma certa economia já que não precisou de um miolo de papel couché. Com relação a impressão interna da capa…é simplesmente linda, realmente muito bonita. As fotos não fazem juz a beleza, eu tentei o máximo possível capturar os detalhes.

Tradução e Adaptação

A tradução ficou a cargo do Arnaldo Massato Oka. Na verdade se trata de uma revisão da primeira tradução, o que trouxe algumas mudanças como os nomes das personagens. Para quem não sabe, na primeira publicação foi utilizado os nomes americanos já que foi ele que foi exibido no animê quando passou no SBT. Outra grande mudança, para a alegria de muitos, é a inclusão dos honoríficos. São bem poucos mas estão lá os “san” e “chan” que o pessoal tanto gosta. ¯\_(ツ)_/¯

Outras Considerações

Vamos falar sobre o preço. Eu vi algumas pessoas falando que R$16,90 é muito caro e que não iria comprar ou que não justifica cobrar R$2 a mais que o cobrado em Sakura. A meu ver, por tudo o que essa edição tem a oferecer, o preço até que é justo. É um preço alto? É mas ela tem muito mais coisas a oferecer que a própria edição de Sakura a qual foi comparada. Temos que levar em conta também que o custo para se produzir uma publicação é muito alto, devido a muitos fatores como a alta taxa de impostos, a tinta é cara e o tipo de papel pode encarecer o mangá. Sem contar vezes algumas imposições da gráfica que são totalmente arbitrarias e sem motivo aparente. Não digo que temos que aceitar os preços que as editoras colocam em seus produtos mas temos que levar em conta o “custo beneficio” que o produto nos propõem. Se tal preço fosse usado num mangá com tratamento padrão, aí sim seria injustificado.

Considerações Finais

Mais um relançamento, mais um CLAMP (será que só CLAMP ganhará edições caprichadas?). Mais uma vez a JBC entrega um material digno de colecionador. Temos paginas coloridas e uma maravilhosa impressão atras da capa que combinaria bem com impressão fosca na capa. A escolha acertada por utilizar os nomes originais já que a edição é voltada para o publico que já conhece a obra.

Dito isso, minha nota para  o relançamento de Guerreiras Mágicas de Rayearth é…

 

4,5 JW's

4,5 JW’s

A edição está realmente muito bonita porem o fato das paginas dos créditos do mangá estarem antes do material inédito me incomodou bastante, ainda mais por ter propaganda de outros mangás. Parece que faltou um pouco de atenção durante a revisão do material porque se for intencional e nas próximas edições ficar assim, realmente ficará muito feio.

~ Atualização ~

Descobri algumas coisas pesquisando mais a fundo do porque das paginas coloridas estarem no fim do mangá, depois dos créditos e da propaganda. Seguinte, os mangás são impressos em “cadernos” de 4 folhas cada. Sendo assim, as paginas coloridas tem que estar em um destes cadernos. Se colocasse os créditos no final, teria que incluir um página sozinha, em P&B o que causaria uma página a menos no P&B antes do colorido, o que mudaria a contagem de páginas que mudaria toda a encadernação.

Muito interessante e esclarecedora essa informação que eu obtive. Fico mais aliviado em saber que  era um restrição física e não um descuido por parte da editora.

~  Fim da Atualização ~

Bom galera, essa foi a minha opinião sobre mais esse lançamento da Editora JBC. O que vocês acharam da edição? Vocês que já compraram deixe um comentário, vamos discutir sobre o relançamento de Guerreiras Mágicas de Rayearth.

Até a próxima! o/

Comentários

comentários

Please rate this


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.
  • Paulo Alexandre

    Do que adianta economizar colocando as paginas coloridas em papel off-set em vez de papel couché e não repassar pro consumidor. Somente falta a JBC fazer um info gráfico mostrando o por que desta edição ser tão cara, igual a Sony.

  • Sei que tem gente que defende o formato original os honoríficos para manter a imersão e ter a mesma experiência que um japonês, mas vamos concordar que Comics/HQS tradicionais ate as mais simples sempre foram mais bonitas e atrativas que um mangá, quando era criança achava sem graça prefiria assistir o anime ou comprar uma Teia do Aranha, Super Aventuras Marvel que era em cores, algo parecido com o Akira colorido que lançaram anos atrás. Comprar eu vou da mesma forma, mas penso assim se é para fazer mais caro que fosse uma edição 100% colorida com capa dura que nem aqueles encadernados lindos dos heróis Marvel e DC e que nem livro de RPG, por esses vale a pena pagar caro, pois se vamos concordar que papel de mangá sempre foi ou ao menos pareceu ser " inferior".

  • marcus

    Ainda não vi aqui na minha região, mas pretendo compra-lo , acho o valor caro bem que podiam pedir autorização para os criadores para colorizar ia ser mais interessante

  • Agora que Senhor dos Espinhos acabou vou dar um jeitinho no orçamento para essa maravilha caber para numa assinatura 😀 Me lembro com tanta nostalgia das minhas bonequinhas guerreira da infância!

  • Pingback: Checklist JBC – Julho | JWave()