Play
Play

JWave Capa  253 Post site

O JWave dessa semana explicará o que é Otaku no Brasil e no Japão.

Já ficou em dúvida de ser otaku ou geek? ou mesmo chamado de nerd? JWave irá explicar o termo e como é utilizado no Japão e no Brasil.

Juba e Sasuke falam sobre a história do termo otaku no Japão e no Brasil, além de falar dos eventos de animê e mangá de 2000 pra cá.

PARTICIPANTES


Ouça outros podcasts da cultura japonesa
JWave Capa  243 Post
JWave #243: Tanabata Matsuri
JWave Capa  246 Post
JWave #246: Hikikomori

Feed
Já assinou?

iTunes
Dê uma nota pro JWave e comente sobre nosso podcast por lá!

Facebook
Fanpage do JWave
Grupo do JWavecast

Indicação

Sailor Moon – Vol. 1
Sailor Moon – Vol. 2
Sailor Moon Vol. 03
Sailor Moon Vol. 04
Sailor Moon – Vol. 05
Sailor Moon – Vol. 06

Emails
[email protected]

About Giuliano Peccilli

Editor do JWave, Podcaster e Gamer nas horas vagas. Também trabalhou na Anime Do, Anime Pró, Neo Tokyo e Nintendo World.

View all posts by Giuliano Peccilli

68 Comments on “JWave #253 | Otaku”

      1. Rsss em respeito ao Japão em si.
        Acho legal esses episódios que dão uma visão mais… como posso dizer. Uma visão menos alterada pela cultura popular de forma geral a respeito a coisas relacionadas ao Japão.

        1. Esses podcasts são testes aqui no JWave pq pediam há muito tempo, mas não sabíamos como fazer. Espero que a galera goste, porque atualmente são os que tem mais comentários.

          1. Rsss eu gosto sim. Todo tipo de conhecimento é bacana. Ainda mais sobre a cultura dos caras. Gosto de conhecer outras culturas e espero um dia ter a oportunidade de visitar tais lugares.

            Só que nesse cast em específico acho que o “Sasuke” estava com delay ou com lag. Pois o tempo todo o interrompia.
            Bom ao menos espero que seja isso rsss.

          2. É uma crítica valida sobre Sasuke.

            A discussão é boa pq deixa de ser monologo, mas ás vezes acontece isso. Normal.

          3. Rsss não estou falando mal do cara.
            Mas se o caro participante não estava com lag, é bom dar um freio para que o outro truta fale ou pelo menos termine o raciocínio.

            Mas eu entendo, às vezes ficamos empolgados falando de um assunto.
            Eu mesmo preciso me policiar para não rasgar a conversa do nada.

  1. Passei
    pela parte dos otakus metaleiros. Para sr muito sincero eu prefiro a
    antiga forma que era sincrética e de nicho. Por mais paradoxal que
    pareça aquele estilo “candomblé” (seita) de ser era uma forma mais
    integradora, embora, mais caseira de ser otaku. Até porque existe um
    carinho muito maior com aquilo e eu acho que o público, de certo modo,
    era um pouco mais educado antigamente. Eu não tenho muita identificação
    com o público de hoje em dia por achar que o modo deles se relacionarem
    com o produto e os eventos muito estranho. E o pior, mais paradoxal,
    ninguém se sentia melhor por consumir animê, no máximo se achava o bom
    porque jogava RPG. Daí passaram a bola de arrogância pro próximo quadro.
    E convenhamos, existe muito otaku que se diz otaku, por razões
    diversas, que não conhece nada de Japão, porém, acha que conhece sobre a
    cultura.

    Mais comentários em breve. Esse episódio daria uma e-mail todo. Muita nostalgia num post só.

  2. Cara nunca me considerei Nerd. Afinal de contas aprendi que essa palavra é extremamente pejorativa. Inclusive tenho essa ojeriza até hoje.

    Agora se não me considero Nerd, como posso me considerar Otaku?
    Apesar gostar de muita coisa da cultura japonesa, inclusive a história do povo em si ser maneiríssima. Meu gosto não se resume só nisso.

    Se as pessoas precisam dos rótulos para classificarem melhor suas identidades ou algo do tipo não vejo problema.
    Rsss mas às vezes é foda você lidar com gente ignorante que te julga sendo um Otaku (Ou para eles Otário) simplesmente porque você ouve Kintaro ou por que você curti a cultura japonesa de forma geral.

    Bom enfim rsss.
    Não tenho nada contra aos Otakus, mas não me identifico muito com o comportamento geral dessa galera.

    1. Tem pessoas que gostam e preferem utilizar o rótulo. Quando eu era mais novo eu via importância nisso, mas hj eu fico feliz de ser reconhecido como conhecedor da área e olhe lá.

  3. Bom, resolvi deixar de ser preguiçosa e voltar a comentar os cast.

    Eu tive a minha fase otaku (no sentido brasileiro da palavra), mas acabei perdendo aquela paixão desenfreada, quando, no meu grupo de amigos otakus, começaram a surgir pessoas que, na opinião deles, otaku verdadeiro tinha que assistir todos os animes da temporada e ler todos os mangás disponíveis.

    Por causa disso, decidi não me denominar parte de um grupo específico (mesmo que seja considerada Kpopper), porque ser otaku tornou-se uma competição de conhecimento sobre animes e mangás do que um grupo que compartilha o mesmo gosto e quer se reunir para conversar sobre isso. E isso também envolve os geeks, ainda mais com os filmes de super heróis que estão sendo lançados.

    Bom, eu continuo a ir nos eventos, porque são divertidos e gosto de gastar meu dimdim com Mupy, Pocky/Pepero, camisetas e canecas. Porém, o comportamento dessa galerinha otaku atual não me agrada e prefiro manter meus gostos escondidos perto deles

    1. Tenho tanto medo da popularidade que o Kpop está tendo. Medo de enjoar justamente por causa das outras pessoas, por causa dos exageros.
      Nas redes sociais o que mais temos são aqueles que conheceram ontem certa coisa, já fizeram doutorado no assundo e viram os donos.

      Tb prefiro manter meus gostos escondidos das pessoas, ainda mais
      quando se tem 26 anos e “assiste desenhos”, ouve músicas de umas
      “chinesas” com roupa colorida.

      1. O kpop já está tendo fãs brasileiras(os) loucas (os) que já tá dando até receio de escutar. Eu escuto desde 2008 e tem gente que descobriu ontem e quer se sentir superior a mim. Eu fico muito feliz que o kpop está crescendo, mas não gosto dessa disputa pelo poder sobre ele.
        Eu também sou julgada por ter 24 e gostar de cultura japonesa e coreana ou até por gostar de Star wars.

        A intolerancia está presente em todo lugar kkkk

        1. Aqueles que agem como loucos, e se dizem superiores não passam de crianças mimadas que acham que tudo é da maneira deles. Tb tenho alguns anos de Kpop, com o surgimento dos “entendidos no assunto” estou cada vez mais me afastando.

          Hoje os Otakus não são os maiores criadores de confusão, são os fãs da Marvel, ou melhor, fãs dos filmes criados a partir do conteúdo da Marvel. O mais recente mimimi foi o filme do Quarteto Fantástico.

          1. A galera de Marvel e DC tinham perdido a moral quando a guerra de mangás e quadrinhos quem venceu foram os fãs de mangás com mais títulos na banca.

            Com o investimento em encadernados luxuosos e a Salvat, temos um novo aquecimento no público de quadrinhos aliado aos filmes nos cinemas fazendo uma antiga rivalidade de quadrinhos x mangá voltar.

            Coisas da vida.

          2. Nunca gostei muito de quadrinhos, eles são muito longos e complicados de acompanhar. Até comprei alguns da Salvat, não li nem metade dos que comprei.

          3. O que falo sobre quadrinhos é que ele deve ser curtido por saga, porque se vc ler por cronologia da nó na sua cabeça.

          4. Demorei um pouco para perceber isso. Quando vi estava com alguns GBs no meu HD de coisas que não conseguirei ler nesta vida.

        2. É a questão da “tribo” (odeio esse termo) que faz com que as pessoas se rivalizem e se ache melhor que as outras. Infelizmente isso sempre existiu e galera de kpop não é diferente.

          Se for parar pra pensar, eu ouço kpop desde 2002 com Pump e BoA.

    2. Feliz de ler seu comentário ^.^.

      Sobre o público de hj em dia, eles são frutos de outros fatores culturais e acho bacana a renovação de público, porém fico triste que o público que curtia da minha época já desencanou.

      É mais normal hj encontrar esse público em eventos japoneses ou Festival do Japão, do que encontrar em eventos de animê.

      A vida é assim e acontece de vc se afastar porque não se sente mais inserido naquele meio. Foi assim que me afastei dos eventos de animê e hj estou de volta a convite e a trabalho. Também fico feliz de voltar pelo reconhecimento do meu trabalho.

    3. Rsss talvez o que mais tenha me afastado dessa galera é essa obsessão pela parada. Se você se atrever criticar algum desenho ou algum manga. Nego ficava maluco.

      Até parece uma “religião” às vezes.
      Rsss e limitar seu gosto apenas na cultura japonesa me parece algo tão vago. Pois uma pessoa pode gostar de várias coisas, porque não?

      Mas para uma galera ai (Não são todos creio eu) se você curte os Vingadores no cinema não tem moral para gostar de Death Note que tem um enredo fantástico.

      Enfim! Tem pessoas que usam o “rótulo” para talvez encontrar as pessoas que compartilham o mesmo gosto.
      O problema é achar que você precisa seguir regrinhas para curtir a parada.

  4. Eu tb sou muito seletivo pra animes hj em dia.
    Eu vejo muito otaku com visual meio que JRock, principalmente garotas.
    Quase um Visual Kei, é só olhar o público que festeja com bandas vindo pro Brasil, maioria são garotas.
    Mas essa parcela que mencionei são digamos, mais otaku da música japonesa do que animês.

    Sobre AKB a Rena graduou esses dias.
    Quase 10 anos que troquei ideia com o Juba e ele com certeza n se lembra XDDDD

  5. Nunca me considerei Otaku. Na verdade, não gosto de rótulos,
    faço o que gosto e pronto.

    Hoje em dia não tenho tanto tempo para assistir tantos animes, ler muitos
    mangás, mas ainda me permito acompanhar alguns intermináveis. Já anime? Na minha opinião boa parte do que é animado hoje
    não me faz querer assistir.

    Vou ficando mais velho e algumas coisas começam a me
    incomodar, raramente consigo assistir um anime de alguma obra que já li o
    mangá. Se eu começar pelo anime, até consigo acompanhar os dois.

    Ainda não escutei o cast, comentei baseado nos assuntos dos
    outros comentários.

    1. Quando eu era mais novo, eu gostava do termo otaku porque me sentia parte de um grupo maior. Naquela época, amigos otakus era galera que vc conhecia por chats tipo uol da vida de salas de anime e rpg, ou que vc conhecia de lojas como Animangá e cursos de japonês.

      A falta das redes sociais, fazia que amigos se conheciam também em grupos como Forum do Jae (aonde conheci o Calliban), o MBB (que gerou pessoas maravilhosas como Diogo Prado), entre outros lugares.

      Tanto que com orkut foi outro mundo quando ja trabalhava na revista Neo Tokyo que eu tive primeiro feedback real de trabalhar numa grande revista e ser reconhecido pelo público de internet.

      Não sei se um dia eu conto isso no podcast, mas eu peguei todas essas evoluções e sou grato por isso.

      1. Deveria contar coisas assim no podcast.
        Sinto falta tb de um podcast de apresentação em todos que começo a ouvir. Só depois de um tempo é que consigo compreender as pessoas que fazem parte da gravação.
        Como diria o pessoal do S.A., entender a mitologia do cast.

        Nunca fiz nenhuma grande amizade em rede social. Só alguns que ficavamos papeando no msn e só por lá mesmo.

        1. Na verdade eu sempre comento de leve, mas nunca entrei em detalhes assim. Se caso o público quiser, eu conto um pouco sobre isso, mas é um pouco de como eu me “tornei” otaku rs.

          1. Queria dar uma sugestão de cast sem parecer um idiota. Eu assisti o filme do Disney Channel, Descendentes. Me divertir muito com Kristin Chenoweth como Malévola, por isso, acho que deveriam arriscar em fazer um cast com a Camis e o Leo sobre o filme.

  6. Eu já passei pela fase otaku, me considerava mesmo, mas não por ver todos os animes da temporada ou ter todos os mangás que eram lançados e sim porque eu ia a eventos assistir animes, cantar nos karaokês, fazer cosplay sem medo de ser feliz, enfim, eu era fascinada por tudo aquilo, me sentia realmente a vontade e muito feliz naquele meio. Como vocês falaram, “ser otaku” foi mudando, hoje em dia a informação está na palma da mão, então não há mais aquela necessidade de troca de informações entre as pessoas e sim uma “competição” de quem sabe mais ou conhece mais, mas nem tudo é ruim, vejo que muita coisa legal apareceu com o tempo, por exemplo, os cosplayers cada vez mais dedicados, muito mais pessoas usufruindo desses produtos otakus (mangás, animes, figures, cards, cds, etc). Infelizmente não me considero mais desse meio, mas ainda curto no entretanto minhas prioridades hoje em dia são outras.

    1. Sobre a questão de comprar todos os mangás da banca, era uma época que a gente achava que os mangás não iam virar o jogo e conquistar os leitores.

      Eu e vários amigos comprava tudo que tinha pela banca para incentivar a vir mais coisa e também ter coisas pra ler quando os mangás parassem de lançar.

      Naquele tempo só tínhamos como base Ranma 1/2 da Animanga que era trimestral e meras 40 páginas.

      Eram tempos diferentes e hj nunca que daria pra comprar tudo que é lançado na banca.

  7. Me identifiquei mais com o Sasukerk, assisto todos os trailers dos animes da temporada, procuro algo bom, o problema é que está tão dificil de encontrar. Não sabia que o Juba não assistia mais animes.

    1. Normal identificar com Sasuke pq ele é mais novo que eu. Eu tenho 31 e To numa outra fase, enquanto Sasuke tem 27. Eu assisto animes, mas é absurdamente menor do que eu assistia quando eu era otaku. Eu peguei a fase final das locadoras japonesas na liberdade e no começo assistia muito anime sem legenda. O tempo faz com que nos tornamos seletivos e pra assistir outras coisas acaba limitando o que assistia antes. Atualmente vejo Dragon Ball super e Durarara, mas se tiver anime bom eu acrescento na minha lista.

      1. Tenho 26, estou na fase: ainda perco tempo procurando por algo bom.
        Acho que para quem mora em cidade grande era mais fácil encontrar conteúdo antes da internet. Pra mim que moro no interior do RJ só tinha a pequena locadora onde ficava alugando as mesmas coisas. Já a TV não colaborava muito, por ser interior poucos canais pegavam e aqueles que pegavam passavam os programas no horário da escola. Me lembro de deixar o VHS gravando alguns programas para assistir quando chegasse da escola. Numa dessas gravações eu não tinha mudado a qualidade para gravar mais e a fita acabou, ou regravou em cima de outra coisa, não me lembro, só lembro de ter forçado minha mãe a comprar várias fitas para eu não ter que gravar por cima.

        Por causa do tempo o mangá passou a ser algo mais acessivel, a leitura de um capitulo pode ser rápida e ainda assim curtir o tipo de conteúdo que eu gosto.

        1. Te entendo. Eu também passei pela fae de documentar tudo em fita. Eu tinha fitas e mais fitas de Sailor Moon, Sakura Card Captor, filmes da Sessão da tarde e principalmente programas de natal (gostava da coletânea de desenhos de natal que a tv aberta fazia).

          1. Super de Fita VHS era fogo, alem de ser pobre n tinha muita coisa quando chego a internet eu pirei ^^ Tanto q tenho mais animes em casa do jamais vi ou verei. Hj fico feliz com ChRoll e uns anime solto por ai. E eh claro dorama, mas ate isso venho vendo pouco por falta de tempo. Ja os evento, soh vou pela zuera com os leks

  8. Me desculpe! Mas eu não consigo ver os Otakus Brasileiros como algo positivo… acho q ta pior que no Japão… Quando vou em eventos e animes por exemplo, me deparo com cada coisa T.T Pelo menos grande parte dos otakus que me deparei no Brasil não representa a cultura japonesa, muito menos animes…

      1. Isso é mais lokura minha… Não tem muito haver com ser apenas otaku, mas a juventude brasileira em geral me decepciona… E no meu ver queria que os otakus refletissem mais a cultura japonesa e não a brasileira.

        Realmente eu admiro os que fazem cosplay e os que não se prendem a animes modinha… Mas as vezes eu não consigo le dar com a atitude em geral deles… apesar de ja ter acostumado.

        Mas as vezes me deparo com situações bizarras e idiotas ao acompanhar grupos e paginas do facebook, e alguns acontecimentos em eventos que eu vou… Mas o que mais incomoda é essa personalidade dos jovens brasileiros de hoje, eu me daria bem no Japão entre pessoas que conhecem a educação. Não vejo problema no que eles fazem ou a atitude deles, pode acontecer em qualquer lugar, mas aqui esta extremamente defasado…

        A maioria da juventude brasileira carrega uma personalidade imoral e violenta, um dialogo cheio de gírias e palavrões de conotação sexual. Enquanto isso a maioria dos que se dizem ser otakus e se consideram rokceiros criticam o funk mas continuam espalhando porquices nas conversas… Realmente a juventude hoje esta totalmente perdida T.T

        Mais liga não, é lokura minha…

        1. Olha cara, não tenho muito fundamento para discutir a sociedade como um todo. Ainda mais refletida ao público jovem.

          Mas se eu puder arranhar essa casca que muitos enxergam como assunto polêmico, diria que a parada do nosso povo ser mais despojado e informal. É algo que é mesmo parte da cultura latina. E não somos apenas nós.

          Agora referente aos “Otakus” todos nós já fomos adolescentes. Não sei sua idade, mas me parece que você tem por volta dos vinte anos certo?
          Bom, todos nós já vivenciamos essa fase na qual a pessoa precisa de algo para se sentir parte de um grupo. Ou se sentir com uma forma. Mesmo que essa não seja totalmente definida.

          Eu concordo que a galerinha de hoje está um pouco desbalanceada no quesito geral até para discussões. Mas isso implica em diversos fatores. A acessibilidade da informação é uma delas.
          Muitas pessoas e não só jovem, não se apuram em um assunto. Acabam passando os olhos em tudo, pois hoje parece existir uma moda para saber tudo. Mas não entender nada.

          Acho interessante a crítica. Mas fico pensando que talvez quando eu era adolescente os mesmos adultos (O que eu acho que sou hoje rsss) não refletiram a mesma coisa nas minhas ações.

          Mas acho que entendo o que você quer dizer.
          Rsss talvez fosse interessante procurar pessoas mais da sua idade ou mais velhos que compartilham os mesmos gostos manja.
          Eu de vez em quando levo minha afilhada e meu primo para eventos de animes. E nos divertimos juntos, até compartilharmos as mesmas ideias referente a atitude de certos Hotakus Hardcore.
          Tudo bem que os dois são muito mais novos do que eu, mas há sempre um meio termo rsss.

          1. Pior que não são apenas jovens, ate os vei kkkk… mas sim eu sinto dificuldade em me enturmar com essas pessoas, não que eu não queira… Apenas tenho pensamentos diferentes e não sou como eles, alem de minha extrema timidez… apesar de termos o mesmo gosto que são animes, mangas e jogos, ate mesmo entre os otakus que conheço nos eventos e ficamos na fila conversando, eles falam apenas de naruto cujo não assisti e não entendo nada. Agora a situação piorou eles falam de jogos, bom, mas so falam de LOL outro motivo de me irritar… O pior, quando falo sobre algum anime que eu gosto ninguém nem conhece ou nunca assistiu T.T Já é difícil pra mim enturmar, ai acontece isso…

            Claro sempre chamo amigos pra ir no evento, alguns que tem mente mais aberta, mas acho q meu maior inimigo é a timidez e o ponto de vista que eu tenho sobre a atitude das pessoas o assuntos que elas conversam… Pervertido todos somos, mas eu consigo conviver com pessoa que falam besteiras, ate gosto de conversar sobre animes ecchi e etc.. mas eu não consigo conviver com essa cultura brasileira… Eu tenho um principal objetivo, ganhar dinheiro e viajar pelo mundo… Ficar longe daqui… Logo alcanço com meus projetos online.

            Se eu tivesse apenas coragem e facilidade de me enturmar encontraria pessoas legais aqui… na internet é ate facil, mas na vida real… acho que estou querendo demais… mas é tenso eu ir em eventos ver um monte de gente junto e eu la isolado sozinho T.T

          2. Rsss cara existe uma regra não escrita da internet que diz:
            “Na internet você é o que quiser”
            Então baseado nisso, não confie em nada vindo da internet.

            Agora me diz uma coisa jovem, qual tua idade?

          3. Rsss és novo cara. Tem muito tempo para vencer a sua timidez caso ela o incomode por conta de impedir de você fazer certas atividades.

            Timidez todos nós temos velho. Eu até hoje sinto certo receio para me apresentar em público ou algo do tipo.
            O caso é como você lida com ela. E aceitar que você é tímido ou que está nervoso é o primeiro passo para vencer tal coisa.

            Malz cara todo essa conversinha do caralho.
            RESUMINDO, continue procurando uma galera da sua idade ou mais velha para trocar ideia. Acho que não encontrou os trutas ai.

          4. Acho q em relação ao publico BR, eu so fico meio puto com a historia da pirataria. Eu sei que por si só o tema já polemico num pais esquecido economicamente como o nosso. Que as vezes o serviço oferecido pelo mercado paralelo eh melhor que o oficial, mas msm quando o oficial tem um preço justo e uma otima qualidade o povo n da moral pq eh mal educado(em todo os sentido da palavra). Fico hiper feliz com o que esta ocorrendo com CDZ de ps4 que tanto a empresa como a comunidade abraço a ideia.

          5. É cara eu conheço muita gente que tem essa perspectiva rasa de sempre optar pelo “pirata” por parecer estar saindo na vantagem. É um problema cultural e social que temos hoje.

            Por outro lado eu não posso falar muito, pois já tive contato com a pirataria. Impossível dizer que não. (Atire a primeira pedra que nunca…)

            Mas o caso que quando comecei a trabalhar. Eu me vi em uma situação na qual eu queria ter o “original”. Não só pelo fato da qualidade ser melhor. Mas por prestigiar séries que gosto tanto.
            Então jogos que joguei pirata como Xenogears, Parasite Eve, Final Fantasy…
            Ou séries como Evangelion, Akira, Ghost In The Shell…
            Hoje faço questão de ter todos originais guardados.
            Mesmo que eu tenha consumido.

            Eu quero muito um dia trabalhar como desenvolvedor de jogos. E vejo o quanto é importante sua obra ser vendida corretamente.
            Mas não tenho envergadura moral para julgar ou culpar as pessoas que não podem dispor dessa grana (Que não é pouca) para assistir um anime legal ou jogar um jogo legal.

            Rsss é foda essa discussão tem muitas pontas.
            E a proposito, por que puxou tal discussão rapaz?

          6. Sou polemico ^^ Na verdade nem quis puxar o assunto da pirataria em si. Mas dar minha opinião sobre o pq n curto os otaku br, ja os gamer BR da mo valor por um produto original(talvez ate d+ hahaha).

          7. Olha cara eu não sou Hotaku. Mas velho quero todos os filmes dos estúdios Ghibli (Originais) na minha estante. Assim como tenho boa parte do Evangelion, Lain e etc.
            Porque são obras excelentes e merecem tal prestígio.

            Agora se não fosse pela disponibilidade da internet eu não poderia dispor para assistir um desenho japonês recente e que achei mega foda o “Xinguei o Queijinho” dos gigantes lá.

            E certamente se a séria terminar bem ou me cativar de fato. Será o próximo a ser adquirido e colocado no hall da minha cultura pessoal hahaha!

          8. Kevin,

            Eu entendo sua chateação e confesso que já compartilhei desse tipo de pensamento, mas no momento que percebi que eu não me encaixava mais na proposta daquele público eu procurei me focar em outras coisas.

            Foi por isso que eu acabei trocando animês por doramas, que acabei me afastando de eventos de animês trocando por festivais japoneses. E hoje já me chateia festivais japoneses, então acredito que seja uma questão de gostos e hobbies que fazem vc mudar.

          9. Pior que vou nesses eventos mesmo sem nada pra fazer heuhueh, mesmo isolado e sozinho eu acho TOP, eu ja fico isolado e sozinho em casa heuuheu…

            Só de ver as mina de cosplay, e ter os estandes, apesar de ter apenas coisas posers a venda… ja é o suficiente, so queria ter mais facilidade de me comunicar…

            Realmente quando se trata de adultos interessados em cultura japonesa o vocabulário e atitude é outra… Mas eu me considero Otaku e não vejo problema em estar entre eles, e se fosse no Japão eu seria literalmente um que estaria presente em eventos, fazendo cosplay, e torrando muito money com figures…

    1. Eu não vejo o público Otaku brasileiro como algo que deva representar o Japão. É uma gama de fãs que interagem entre si e se divertem, por isso não vejo problema nisso.

      Quem curte cultura japonesa é diferente e nesse ponto vejo vantagem interagir entre si, empresas, consulados, porque esse nicho são pensado como representantes da cultura japonesa no Brasil.

      Pelo menos é o que eu acho.

  9. Já vi muita gente comprando briga por causa dessa bandeira “Otaku” … Gente que não admite ser chamada de outra coisa a não ser isso.

    Acho bobagem, afinal de contas, a maneira como te chamam não alteram em nada o seu gosto por essas coisas.

    Se me chamarem de Geek, Nerd, CDF, Retardado, Doido ou seja lá o que for… Beijinho no ombro! kkkkk

    Grande Abraço,
    Fabinho Fernandes
    chicleteradioativo.com.br

  10. cast curto,mas extremamente bom O juba foi no mangacom!!! Nossa sempre quis conhecer alguém que foi no mangacom que era otaku antes do século XXI(antes de 2001). Acho que vou até mandar um e-mail por causa desse cast.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.