Play
Play

JWave Capa  273 Post site
O JWave dessa semana é um papo sério sobre Ijime, ou como se fala Bullying no Japão.

Presente em todo mundo, o Bullying na Ásia costuma ser bem mais violento e cruel do que no Ocidente e por isso focamos e analisamos casos no Japão, comparando com o nosso cotidiano.

Você já sofreu bullying? Já praticou bullying em alguém?

Juba e o Sasuke comentam tudo sobre Ijime na cultura japonesa e como ela está presente no cotidiano e nas produções japonesas.

PARTICIPANTES

Extras com participação de


0619092

Também ouça JWave #267: 5 Centímetros Por Segundo (Byōsoku Go Senchimētoru)
JWave Capa  267 Post site

JWave #269: O Jardim das Palavras (Kotonoha no Niwa)

JWave Capa  269 Post site

INDICAÇÃO

Harry Potter e a Pedra- ilosofalHarry Potter e A Pedra Filosofal – Pottermore
Coleção Completa de Harry Potter – Pottermore
Harry Potter – Edição de Colecionador
Harry Potter e A Pedra Filosofal – Edição Widescreen – DVD
Harry Potter e a Pedra Filosofal – Blu-ray
Harry Potter e A Pedra Filosofal – Edição Definitiva – 3 Discos Blu-ray + Livro

Feed
Já assinou?

iTunes
Dê uma nota pro JWave e comente sobre nosso podcast por lá!

Facebook
Fanpage do JWave
Grupo do JWavecast

Emails
[email protected]

About Giuliano Peccilli

Editor do JWave, Podcaster e Gamer nas horas vagas. Também trabalhou na Anime Do, Anime Pró, Neo Tokyo e Nintendo World.

View all posts by Giuliano Peccilli

17 Comments on “JWave #273 | Ijime – Bullying”

  1. Excelente programa, e tema muito bem escolhido. É muito de meu agrado quando vocês abordam sobre a cultura japonesa. Assisti a este dorama, Life. Realmente bem pesado em certas partes, e fui pego na nostalgia. Porque de cara reconheci a trilha de fundo, não sei se toda ela que tocou é do dorama, mais a maioria eu me lembrei. Muito boa essa trilha, escutava direto.
    Sobre Bullying, tenho um fato que carrego até hoje comigo. Que creio foi o que fez eu ter muitos problemas e dificuldade nas escolas que passei. Nesse caso quem praticou o ato em mim, e eu era pequeno, nem fazia ideia de nada. Foi minha professora. Jardim de Infância, ela chamava-me de burro e me colocava sentado separado de todos os outros alunos. E quando alguém vinha falar comigo ela impedia, reforçando que eu era burro. Pode parecer estranho mais isso ocorreu comigo, e é um peso que carrego até hoje. Graças a Deus superei, tive dificuldades mas também tenho recordações ótimas do meu tempo na escola. Mais quando isso ocorreu foi bem pesado, e eu era bem criança mesmo.
    Já entre meus 14, 17 anos eu tinha meus amigos que sempre estávamos juntos. O meu grupo era eles, só que eles tinham o grupo deles. Sempre que eu estava lá junto, eu era o estranho, e em momentos eu via zombarem do jeito que eu jogava bola. E isso sempre fez com que eu tivesse dificuldade de entrar num grupo e demonstrar meus interesses. Esse pode não ser tão pesado, mais ser ignorado, e acharem você estranho, é um bullying. Tive amigos no grupo, mais foram poucos.
    É isso ai então, obrigado pelo programa.
    Abraços e até o próximo.

    1. Sim. A trilha sonora do cast é em sua maioria do Life.

      Sobre Bullying, infelizmente muitas vezes não entendemos como se defender e somos condenados por pessoas que abusam de nossa ignorância no caso.

      Já tive muitos episódios assim, mas infelizmente não é fácil contar alguns em um podcast, exatamente por se tratar de um trauma.

      Obrigado pelo elogio e iremos continuar a falar problemas e soluções do Japão.

      1. Quis dividir por lembrar que este foi o maior bullying que sofri em minha vida, numa época onde nem se quer tinha como me defender e por se tratar de uma professora de jardim de infância. Hoje ainda vemos muito abuso sobre crianças, e essa maldade marca. Mais graças a Deus eu superei e não sofri mais nenhum que fosse marcante.
        E apesar de carregar comigo ainda não é de fato um incomodo.
        Abraços.

  2. Bom, nós que crescemos nos anos 80/90 com certeza já passamos por essas zoeiras. Mas nenhuma me marcou no sentido negativo, que fez eu ficar deprimido ou algo assim, tanto que eu não lembro de nenhum agora, mas provavelmente devo ter sofrido sim. Agora o que eu lembro bem que eu que zoava a galera, óbvio que não tinha a malicia que vemos hoje como adultos, era mais de brincadeira mesmo e não com o intuito de rebaixar alguém. Aí eu zoava pra caramba, adorava ser da turma do fundão e sem sacanagem, eu era o líder da turma. hauahuahuaa Não é lorota hauhaua o tanto que meus pais foram pra escola devido a minha conduta. Mas enfim, foi só na fase infantil, depois que fui pro colégio foi tranquilo, apesar de sempre ser da turma do fundão.

    Mudando de assunto e relacionado aos extras finais, confiram essa abertura de Yu Yu Hakusho

    https://www.facebook.com/rariramavids/videos/494604774055134/?pnref=story

    1. Confesso que me surpreendi com seu comentário, pq esperava que fosse inverso, mas fico feliz com isso.

      Sobre o vídeo. (não vou comentar rs).

    1. Você acha? Pode gerar mais conteúdo para isso num futuro. Pegamos leve com o tema e não entramos tão fundo nas agressões que o Ijime tem, mas se existirem pedidos do público, teremos a chance de continuar esse tema em outras partes.

  3. Cara na minha época, se as minas começavam a brigar a turma separava. Eu levei vários tapas por separarem as minas, agora o pessoal deixa a porrada comer solto.

  4. Hahaha pow caro irmão @sasukerk, permita o Giuliano terminar os argumentos.

    Bom eu fui vítima de bullying quando esse nome nem existia no Brasil.
    Sofri agressões físicas, verbais, já foi roubado na escola e em um caso específico foi agredido por não agredir outra pessoa.

    Como era um moleque pequeno e muito magro, era o alvo perfeito. E quando novo era uma criança muito tímida. Suava frio quando tinha que me apresentar ou falar algo em público.

    Em um belo dia eu me enfureci e acabei revidando. Foi a primeira de muitas brigas na escola.
    Rsss sei lá sai de uma criança “Shinji” para um briguento “Ichigo”.
    Independente se o cara era mais forte que eu, sempre partia para a porrada. E assim fui ganhando minha “reputação” na escola.
    Não acredito que isso seja certo, mas na época era a solução que tinha encontrado.

    Depois de um certo tempo, ocorreu um fato que virou a mesa totalmente ao meu favor.
    Um certo trabalho que fizemos em grupo, eu fui “obrigado” a fazer com a turminha do mal. Que eram geralmente alunos repetentes e sem educação nenhuma. Os verdadeiros Bullys da escola.
    Nesse dia tivemos de apresentar na frente da sala um livro que havíamos lido na aula. E cada integrante falava uma parte.
    Quando todos estavam dispostos na frente de todos, os temidos Bullys tremiam pálidos na frente de todos. E gaguejavam o tempo todo.
    Foi naquele momento que do “level 1” passei para o “99” na escola.

    Eu conseguia me expressar e me comunicar muito melhor que a grande maioria das pessoas. Venci minha timidez antes da maioria dos alunos também.
    Então quando eu consegui falar na frente de todos tranquilão, acabei ganhando o “buff” de líder.
    Depois desse dia passei a liderar a mini máfia hahaha! As coisas melhoraram bastante. Pois por sorte tinha conseguido lidar com todos e a de certo modo manipular a todos.

    Como o grande sábio herói Chapolin:
    “A força física nunca venceu a inteligência!”



    Infelizmente nem todas as pessoas têm a oportunidade de refletir essas ocasiões ao ponto de as permitirem reagir. Ainda mais em um cultura diferente como é a japonesa.

    1. Tamos juntos sobre bullying numa época que não existia palavra.

      Também revidei algumas vezes, outras me dei mal por isso. A vida é cheia de altos e baixos, mas não me tornei rebelde por isso, apenas nerd mesmo. rs.

      1. Na época a única maneira de lidar com aquilo era sendo um transgressor também. Mas aos poucos fui ganhando um certo respeito.
        Eu raramente sofria consequências por conta das brigas que eu me metia. Pois antes de ser um moleque maluco, cachorro louco. Eu tinha reputação de aluno exemplar, então sempre os diretores, coordenadores e professores estavam do meu lado devido a isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.