JBook Post 2016 09

Você conhece a série da Vertigo “Fábulas” e a série de megassucesso Once Upon a Time, certo? Ambas têm como tema as histórias que a gente conhece desde criança, só que de um outro jeitinho.

O livro do qual vamos falar hoje é algo assim: se você gosta de ouvir as histórias de sempre em uma outra visão, mas sem perder seu charme, não pode perder esta resenha. Então, era uma vez…

A história

A jovem rainha de um certo reinado irá se casar. Os anões, que têm por ela um grande carinho, estão à procura de um presente digno dela, afinal, é uma ocasião muito especial.

Descansando de suas andanças, chegam a uma estalagem onde ouvem uma história sinistra: há cerca de oitenta anos, uma magia perpetrada por uma bruxa muito má fez com que uma jovem princesa caísse em um sono profundo, assim como todo o seu reino. Valorosos guerreiros, príncipes (e princesas, porque não) dentre outras pessoas corajosas tentaram em vão chegar ao castelo para despertá-la, porém os espinhos que cresceram em volta de todo o reino deram cabo de todos eles.

Os anões não entendem o porquê de uma história tão antiga vir à tona agora, porém tudo fica claro quando descobrem que o sono encantado está “andando”, já tendo tomado outros povoados. Sem demora, eles apertam o passo para avisar à bela rainha, que fica muito interessada na história e quer verificar pessoalmente; além de querer proteger seu povo, também quer tentar ela mesma pôr fim à maldição, afinal, também foi prisioneira de um sono das trevas por um ano.

Sendo assim, ela adia o casamento para daí a alguns dias e parte com os anões em busca do castelo. Depois de muitas armadilhas e muitas constatações, o grupo chega ao seu destino e a rainha perceberá que a natureza daquele sono e a velhinha que lá está não são bem o que todo mundo pensa.

Os autores

Neil Gaiman dispensa apresentações. Autor de Sandman (uma das obras mais fodásticas de todos os tempos), este nobre cavalheiro inglês acumula sucessos (e muitos prêmios, diga-se de passagem) como Coraline, Lugar Nenhum, Deuses Americanos, Stardust entre outros.

Chris Riddell, ilustrador deste livro, também é um famoso cartunista político. Já ganhou prêmios como o Costa Children’s Book Awards e atualmente trabalha para o jornal Observer, entre outros projetos de sucesso.

Opinião

Como fã de carteirinha de Gaiman, é difícil falar algo que não pareça “puxar sardinha”, mas achei incrível o crossover entre Branca de Neve e A Bela Adormecida em sua visão. Em nenhum momento ele nomeia os personagens, mas mesmo a seu modo todos os elementos estão lá. A Branca de Neve de Gaiman é uma rainha sábia e astuta, não sendo apenas um rostinho bonito. Sua Bela Adormecida é uma diva e é só o que posso dizer pra não estragar a surpresa de ninguém.

As ilustrações de Riddell são lindas, cada uma digna de moldura. Mesmo em preto e branco e com traços sem salamaleques, elas chamam muito a atenção e complementam perfeitamente a trama de Gaiman (que é um sortudo por trabalhar com tantos ilustradores maravilhosos).

Se tudo isso ainda não for motivo suficiente, a editora Rocco fez uma edição brasileira linda, com uma sobrecapa transparente de respeito.

Com tudo isso, pra quem ainda não escolheu seu presente de Natal ou quer presentear alguém querido, é uma dica a se considerar. Vale muito a pena.

About Luana Tucci de Lima

Fã incondicional de CLAMP, Nobuhiro Watsuki e Yuu Watase. Adora mangás Yaoi , Turma da Mônica e... mordomos de óculos.

View all posts by Luana Tucci de Lima