JMangá #161: Coin Laundry Lady

Gosta de mangás com temática nonsense? Então esta obra de Hiro Kiyohara (autor da versão mangá de Another) é uma ótima opção!

Anunciado há pouco mais de um mês no Henshin On Line e lançado no Henshin +, Coin Laundry Lady também já chegou às livrarias, lojas especializadas e bancas de jornal. Contamos o que achamos neste JMangá.

A história

Haru Tanaka é uma jovem universitária que mora sozinha há três meses e que está à procura de uma lavanderia, já que a que costuma frequentar está fechada para reformas.

Um dia, ela encontra uma lavanderia bem próxima de sua casa e, ao entrar no recinto, é surpreendida por uma mulher no melhor estilo Sadako saindo de dentro da secadora!! Antes que Haru pudesse fugir, a mulher apenas diz “que calooor”…

KYAHHHHHH

A mulher da secadora é Maoko, proprietária da lavanderia. Do modo mais improvável possível, ela torna-se amiga de Haru, que terá que aturar os acontecimentos mais bizarros possíveis protagonizados por Naoko e outros personagens, como o filho do presidente do centro comercial ou a dona da lavanderia rival, ao mesmo tempo em que reencontra uma paixão da adolescência e vira uma stalker sem noção.

Dizem que os opostos se atraem, mas nesse caso é mais o que ambos têm em comum: serem stalkers

A edição brasileira

Coin Laundry Lady também foi publicado no papel off white, material mais próximo dos volumes japoneses regulares e que realmente poderia ser adotado para todas as novas publicações. As primeiras páginas com ilustrações do autor foram mantidas coloridas.

Capa brasileira de Coin Laundry Lady

A tradução ficou por conta de Edward Kondo, que costuma traduzir todas as obras do autor no Brasil.

Opinião

Coin Laundry Lady me arrancou muitas risadas, adoro mangás nonsense. Como sou fã do trabalho do autor, achei que seria algo voltado no mínimo para o suspense, mas fui surpreendida de forma muito positiva por este título. Me apaixonei por todos os personagens e adoraria ver mais historinhas com todos eles.

Maoko linda e diva fazendo cara de tô nem aí

Com relação ao traço, mesmo que o autor garanta que fez a obra de forma descontínua, não senti tanta diferença assim entre as histórias, pelo contrário: se houve alguma alteração, foi sempre para melhor e só enriqueceu a obra.

No mais, fiquei muito feliz pelos brasileiros terem a oportunidade de ver um trabalho de Kiyohara diferente do habitual e que é tão bacana quanto todos os outros lançados. Foi uma ótima mudança de ares.

Agradecemos ao pessoal da editora JBC que nos entregou o exemplar no dia do evento.

Comentários

comentários


Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.