O bairro da Liberdade é o símbolo da imigração japonesa no Brasil, mas antes disso o bairro tem uma série de histórias que se tornaram lendas urbanas até hoje. E são essas histórias que agora servirão de base para a nova produção da Netflix com a produtora Moonshot Pictures e o diretor Douglas Petrie, de Buffy, a Caça-Vampiros.

Num total de oito episódios, a primeira temporada da série desvendará as histórias enterradas há séculos no bairro da Liberdade, em São Paulo, conhecido por sua grande comunidade japonesa.

Um grupo de cinco adolescentes acidentalmente atraídos para uma realidade sobrenatural que eles não podem compreender e que se conecta ao mesmo local da cidade em 1908. Quando confrontado por eventos cada vez mais bizarros e sombrios, o grupo chega a uma conclusão inevitável: alguém está trazendo a morte de volta e os espíritos querem vingança pelos erros cometidos no passado.

Chamada de “Spectros, a série é uma mistura do nosso folclore brasileiro e a nossa História, porém indo além e trazendo também a mitologia japonesa, trazendo fantasmas japoneses juntos do cenário que conhecemos como bairro da Liberdade.
As filmagens começam em novembro deste ano, sendo que a série estreia em 2019 em todo mundo pela Netflix.
Baseada no conceito desenvolvido por Michael Ruman, Anderson Almeida e Antônio de Freitas, a série foi criada e escrita por Douglas Petrie, que também supervisiona os roteiros no papel de produtor executivo e diretor. O time de roteiristas conta ainda com Michael Ruman, Anderson Almeida, Antônio de Freitas, Janaína Tokitaka e Paula Knudsen.

Spectros é uma produção nacional feita por Moonshot Pictures, tendo os produtores Roberto D’Avila e Suraia Lenktaitis. A série é a mais recente produção nacional da Netflix, que já produziu: 3%, O Mecanismo, Samantha!, Coisa Mais Linda, Sintonia, Ninguém Está Olhando, Super Drags, Cidades Invisíveis, A Facção e O Escolhido.

About Giuliano Peccilli

Editor do JWave, Podcaster e Gamer nas horas vagas. Também trabalhou na Anime Do, Anime Pró, Neo Tokyo e Nintendo World.

View all posts by Giuliano Peccilli