Categorias
Eventos Games

13ª edição da Brasil Game Show adiado para 2021

Em 2020 tivemos uma série de adiamentos e infelizmente temos um novo evento adiado para 2021 que é o Brasil Game Show. Tradicional evento de games que acontece todos os anos no Expo Center Norte, lamentavelmente foi adiado devido a Pandemia e assim recebemos o comunicado do evento.

Sem mais delongas, o JWave prefere publicar na integra o comunicado do evento e torcemos que esse momento passe logo para o retorno dos grandes eventos em todo país. Até lá, fiquemos em casa e tomando cuidado se precisar ir na rua.

Comunicado Oficial

A Brasil Game Show anuncia o adiamento da BGS 2020, em decorrência da evolução da covid-19 no país. O evento estava programado para acontecer entre os dias 8 e 12 de outubro, no Expo Center Norte, em São Paulo, e foi transferido para os mesmos dias de 2021.

Desde 11 de março, quando a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou estado de pandemia, a equipe da Brasil Game Show acompanha os esforços no país para combater o novo coronavírus, se solidariza com as famílias das milhares de vítimas e torce pelo controle da doença. Têm sido meses de expectativa, trabalho e vontade de oferecer um pouco de diversão e lazer.

Adiar a 13ª edição da BGS para 2021 foi uma decisão difícil. Foram ouvidos visitantes, expositores, parceiros, patrocinadores, colaboradores e equipe interna. Apaixonados por games, todos gostariam de estar juntos novamente. Mas, nesse momento triste e sem precedentes, essa era a decisão responsável a tomar, pensando na saúde e bem-estar de todos.

Em um cenário de incertezas, a BGS optou por não surpreender expositores, patrocinadores e público com mudanças repentinas que inviabilizem o planejamento e a organização, provocando ainda mais decepções e transtornos em um ano já tão difícil para todos.

Os visitantes que já adquiriram os ingressos para a BGS 2020 têm suas entradas garantidas na 13ª edição da Brasil Game Show, em outubro de 2021. Eles  contarão com bônus e benefícios exclusivos, o Superingresso, cujas vantagens estão detalhadas no site da Brasil Game Show: https://www.brasilgameshow.com.br/superingresso

No aquecimento para a 13ª edição da BGS acontecerão várias atividades digitais, cuja programação será detalhada nas próximas semanas.

Categorias
Destaque Entrevistas Eventos

JWave comenta como foi o Meet & Greet com ator Hiroshi Watari!

No último sábado, tivemos o primeiro Meet & Greet com ator Hiroshi Watari organizado pela organização do evento Alma Tokusatsu. Fomos convidados a participar dessa live que durou em torno de uma hora e meia.

Tendo 14 pessoas na Live (incluindo o próprio Hiroshi), a conversa foi fluindo e abordando coisas da atualidade e algumas curiosidades sobre as produções que ele participou no passado.

Mas antes de adentrar nesse bate-papo, vamos comentar um pouco do ator.

Quem é Hiroshi Watari?

Ator, cantor, dublador, Watari nasceu em 20 de março de 1963 na província de Niigata no Japão.

O ator ficou conhecido no Brasil pelo personagem Boormerman da série Jaspion de 1985. Em seguida vimos nas séries Sharivan (1982) e Spielvan (1986). Ambas vieram no sucesso de Jaspion sendo não as únicas participações do ator que também apareceu em Metalder.

Mas as participações não pararam por aí, aparecendo em animê Shin Chan, além de aparecer em Boukenger, além do filme Zebraman.

Meet & Greet
https://www.facebook.com/watch/?v=3071461812910687

A equipe do Alma Tokusatsu organizou rapidamente um sorteio e assim foi estimulado um tempo de 8 minutos para cada fã conversar com o Hiroshi Watari. Toda conversa teve a ajuda do Ricardo Cruz e da Narumi Tsuruta na tradução, enquanto teve Kai Coelho na questão de respeitar o tempo de cada um.

Metal Heroes liderado por mulheres?
Spielvan inovou em colocar duas personagens femininas heroínas no gênero Metal Heroes

“Sim. Numa época que tem protagonista feminina como Mulher Maravilha. Tanto faz um homem ou uma melhor como protagonista, mas seria muito bacana no momento atual ter uma personagem feminina como protagonista”

Com o retorno dos policiais do espaço, uma das primeiras perguntas é sobre o papel da mulher hoje em dia nas produções. Tendo uma protagonista feminina em Star Wars e considerando que a série Spielvan foi a frente do seu tempo com duas parceiras, que talvez fosse hora de investir numa protagonista feminina.

Hiroshi Watari não só concordou com a sugestão e concordou que novos tempos criam oportunidades e que o retorno do Metal Heroes poderia ser com um personagem feminino ao invés dos tradicionais personagens masculinos.

O ator se machucou durante as filmagens da série Jaspion?

Uma das lendas urbanas é que o personagem Boomberman sumiu da série depois de um machucado durante a exibição da série. Hiroshi Bomberman desmentiu e explicou que na realidade ele havia se machucado em 1984. Na ocasião ele fez uma cirurgia colocando 7 pinos e uma placa de metal, sendo que durante a série Jaspion, ele fez uma nova cirurgia para tirar esses pinos, principalmente para ter liberdade de ir e vir (citando exemplo do constrangimento em aeroportos).

Devido a essa cirurgia, os produtores optaram afastar o personagem da série, sendo que ele retornou em dois episódios no final da série, também por opção da produção (mesmo estando apto).

Momento importante em Sharivan

Uma curiosidade que Watari compartilhou que a produção do Sharivan quando acabou as filmagens se comemorou bebendo um saquê especial por toda madrugada em comemoração. Foi um momento muito especial para o elenco em comemorar o fim da jornada de filmagens.

Qual era a rotina de filmagens no Japão naquela época?

Hiroshi Watari deu uma aula sobre as relações de atores novatos e experientes no contexto japonês. Explicando que mesmo sendo um protagonista em Sharivan, o ator tinha que se arrumar sozinho, ajudar a produção depois das filmagens, como levar café para veteranos entre outros afazeres.

Esse tipo de coisa que talvez soe estranho a ocidentais, Watari fala que é normal quando você começa a trabalhar numa empresa japonesa que o “Kouhai” (novato) faça todo tipo de serviço e isso não isenta atores principais como era o caso dele em Sharivan.

Dois anos depois em Spielvan, Watari não era mais “Kouhai” e se tornando “Senpai” (veterano), ele teve regalias que pode desfrutar um descanso e não praticar tantas atividades na série, além de ter atores para ajudar a ele se arrumar para as cenas de luta.

O ator podia voltar mais cedo para casa e descansar, coisa que não aconteceu em Sharivan.

Como estaria o personagem Den Iga hoje em dia?

O personagem passou a armadura de herói Sharivan para um novo personagem em 2014, mas fica a dúvida do que realmente ele poderia estar fazendo a exemplo do Kenji Ohba que aparece até hoje em dia nas produções que o personagem Gyaban aparece.

Para Hiroshi Watari, o personagem Den Iga provavelmente seria um professor e treinaria cadetes no espaço. Inclusive, ele comentou que torce que a Toei o convide para reprisar o personagem, seguindo esse estilo sugerido por ele.

Como foram as audições para séries de tokusatsu? E alguma série que desejou muito e acabou não passando na audição?

Ele respondeu que a única série que ele fez audição foi a série do Sharivan em 1982, sendo que mesmo esta, o ator fez audição sozinho, não tendo outros atores competindo pelo papel.

Tanto em Jaspion como Spielvan, a própria produção convidou para esses papéis. Sendo que séries como Boukenger e Kamen Rider Double foram casos similares em que o ator foi convidado para atuar nessas produções.

Qual ator da geração atual ficaria bem num personagem interpretado pelo Hiroshi Watari?

“Não sei. É muito difícil pensar agora no qual ator para o cargo. Esteja entre 20 a 30 anos.“

Hiroshi Watari

Watari não sabia responder essa pergunta, mas depois de um tempo ele sugeriu que o ator Masaki Suda que fez o Philip em Kamen Rider Double seria um ator perfeito para ocupar  lacuna em aberto do Sharivan (que o ator de 2014 saiu da produção) ou em novas releituras do Bomberman e Spielvan.

Que tipo de papel gostaria de fazer e nunca teve oportunidade?

Deadpool foi o primeiro nome que veio em mente, seguido do Venom. Watari gosta dessa camada de anti-herói e gostaria de interpretar um herói que pode utilizar habilidades de outros personagens ou que tem valores tão opostos do que são explorados no tokusatsu.

Em outra oportunidade na entrevista, ele ressaltou que gostaria muito de ter a oportunidade de interpretar um vilão. E perguntaram ele imagina como chefe de uma organização do Mal, mas ele ainda não havia pensado nisso.

Você participaria de alguma produção fora do Brasil?

“Logicamente que sim. Será que o pessoal do filme do Jaspion não vai falar comigo?”

Hiroshi Watari

Depois dessa indireta, acho que a Sato Company precisa fazer um convite oficial para o ator aparecer no filme do Jaspion.

Quais inspirações na infância?

O ator falou em Kamen Rider Ichigo foi sua grande inspiração para trabalhar na área.

Dois atores que gostaria de atuar?

Hugh Jackman e Robert Downey Jr.

Ilustração do Meet & Greet

Ilustração do Michel Borges

No final do Meet & Greet o desenhista Michel Borges apresentou uma ilustração com todos os participantes daquela reunião no maior estilo Roda Viva. Ficou sensacional o desenho, não?

Agradecimentos a Alma Tokusatsu

Gostaríamos de agradecer profundamente ao Alma Tokusatsu pelo convite de participar desse Meet & Greet. Nos oferecemos e estamos a disposição para ajudar na divulgação do evento seja físico ou online, além do crescimento do tokusatsu no Brasil.

Nosso muito obrigado pelo convite.

Galeria de fotos do Meet & Greet
Categorias
Coberturas de Eventos Destaque

CCXP – 2019 – Cobertura Geral

O maior evento de cultura geek do planeta é do Brasil e estamos falando do CCXP que acontece todo mês de dezembro na cidade de São Paulo. Mas será que a cidade está ficando pequena pro evento? Não sabemos, porém o imenso São Paulo Expo provavelmente está.

Acompanhando esse evento em todos esses anos, vimos o São Paulo Expo ser colocado no chão e reconstruído. Vimos outros eventos se adequando ao espaço interno, mas nada supera a logística para ter um CCXP.

Esse ano para não ser diferente, o evento decidiu criar uma ponte provisória na entrada do São Paulo Expo para fluir o público que vai a pé do metrô Jabaquara até as dependências do evento. Assumo que nos dois dias que usei, tive um pouco de medo de andar nela pela trepidação, porém foram colocados seguranças para garantir sem brincadeiras de mal gosto na estrutura. Foi uma novidade que ainda pode ser aprimorado, mas melhorou o fluxo de pessoas ali presente.

Spoiler Night

Na quarta-feira a tarde para noite temos o evento aberto para quem comprou todos os dias e para imprensa. Assim o CCXP abriu as portas pela primeira vez, mostrando todo potencial a um público seleto.

Desde o primeiro ano, eu gostei bastante do Spoiler Night, porque por mais que ele dê uma degustação do que será o CCXP, muitas coisas não estão prontas, podendo comparar esse dia com os dias normais.

Esse ano, acabei tendo a infelicidade de não encontrar o ônibus na estação Jabaquara (coisa que não foi sinalizada e apenas encontrei o ônibus no mesmo ponto de sempre no domingo). Acabei indo a pé e pegando uma fila de credenciamento que para minha surpresa a impressora tinha dado problema, impedindo jornalistas de curtirem o evento.

Assumo que sendo um dia que você tem poucas horas para andar lá dentro, eu fiquei bastante desgostoso sobre a demora para entrada dos jornalistas. Acabou que o problema foi resolvido 19:30 e foi nos liberado o acesso finalmente.

O evento estava bem cheio mesmo para um Spoiler Night, porém o lugar mais cheio era o Artist Alley. Coração do evento, esse ano tivemos nada menos que 500 artistas mostrando seus trabalhos no CCXP. Trazendo diversas calçadas com artistas, Artist Alley foi a região que mais se transformou em cada CCXP, tendo se multiplicado de tamanho cada novo ano.

Eram muitos artistas diferentes e com estilos diferentes, sendo que alguns ali você acabou conhecendo via os álbuns do MSP. E mesmo num dia como Spoiler Night, muitos desses artistas tinham filas de fãs dos seus trabalhos. Definitivamente, cada CCXP percebemos um talento nacional em eterna expansão. E cada novo ano, percebemos que estamos ficando mais e mais independente de amarras de editoras, desenvolvendo material de qualidade de forma autônoma.

Globoplay

O evento sempre tem um enorme estande com atrações da Globo e esse ano tivemos um enorme palco trazendo Altas Horas para dentro do CCXP. Trazendo artistas brasileiros, todos os dias tivemos música e atrações comandadas do palco do Globoplay.

Entre os destaques está na licença do Doctor Who no Brasil, trazendo todas as temporadas recentes da série britânica.

Disney e Disney+

A Disney trouxe seus principais filmes de 2020 na CCXP, além de um enorme telão com propaganda do Disney+. Trazendo vila da Mulan, personagens de Frozen 2, além de juntar pelas primeira vez os filmes da Fox e da Disney no mesmo espaço, o espaço estava repleto de atividades.

Olhando para o teto, você via as primeiras propagandas brasileiras do Disney+, serviço de streaming da Disney que será lançado em novembro no Brasil. Por enquanto os lançamentos da Disney serão lançados na Amazon Prime Vídeo, tendo uma previsão inicial para novembro de 2020 o lançamento do serviço.

Warner

A empresa repetiu a ideia dos últimos anos em fazer um enorme espaço com vários andares e prédios que é basicamente uma cidade própria dentro do CCXP.

O grande destaque estava em Scooby Doo, Arlequina e Supernatural, além de um enorme espaço dedicado a Mulher Maravilha 1984.

Foi bem interessante ver como a Warner continua investindo nesse modelo do CCXP e principalmente trazendo cenários para tirar fotos. Muitos detalhes da série Friends estavam presentes pra tirar foto como a cafeteria Central Perk.

Harry Potter

Mesmo sendo Warner Bros, tivemos a repetição de um cenário baseado nos filmes ao lado da loja com produtos da franquia. Dessa vez tivemos o famoso trem que leva os alunos para Hogwats e o cenário imponente favoreceu para produção de diferentes fotos.

O melhor disso que diversos cosplayers estavam no local e você poderia reproduzir alguma cena de batalha por exemplo.

Universal Pictures

Esse ano a distribuidora montou uma loja de produtos igual as que tem em parques dela nos EUA e no Japão, assim era uma chance única de comprar produtos de filmes como Jurassic Park, De Volta para o Futuro, Meu Malvado Favorito e Aonde está o Wally.

Provavelmente a ideia era exatamente de imitar as lojas nos parques e conseguiu fazer isso muito bem, batendo uma certa nostalgia ao frequentar a loja durante o evento da CCXP.

Netflix

A empresa cada ano aumenta mais seu espaço dentro da feira e dessa vez reproduziu cenários de suas séries em especial Stranger Things, trazendo toda a cara dos anos de 1980 para dentro da feira.

Você podia tirar fotos em diversos cenários espalhados por todo estande da Netflix.

Amazon Prime Video

Se tem uma empresa que aumentou sua expressividade a cada ano foi a Amazon Prime Video e na edição 2019, ela ficou pau a pau a Netflix, ficando claro que a empresa veio para brigar pelo público de streaming no Brasil.

A empresa trouxe um enorme carrossel entre outros itens de suas séries exclusivas, não destacando o até então recém acordo com a Disney de lançar suas produções ao Brasil até o lançamento do Disney + por aqui.

Jaspion na CCXP

Entre as atrações tivemos a roupa original do Jaspion que veio ao Brasil pela primeira vez e estreou na área dos Cosplayers. Trazendo a roupa usada para cenas de poses, podemos perceber desgaste de utilização da roupa na época que está preservada e apresentada para o público brasileiro.

Logicamente que não poderíamos perder a oportunidade e tiramos uma foto com a armadura.

Games no CCXP

Essa foi a edição que CCXP abraçou mais o público gamer, trazendo transmissão de jogos, tendo estandes da Ubisoft e da Warner Games, além da presença da Capcom. É interessante trazer esse frescor de um novo público geek dentro da CCXP, mas devido a proximidade com a BGS, assumo não me surpreendeu e não me conquistou.

Ubisoft fez uma escolha certa e pontual em levar Just Dance para a CCXP. É um público diferente dos outros públicos gamers e continua sendo uma experiência maravilhosa ver o público dançar junto quando sai um novo Just Dance.

Eu não sou o cara ideal de acompanhar transmissões de jogos, mas é inegável que cada ano o evento vem acrescentando e tornando referência nessa linha.

Balanço geral

CCXP por mais que sua essência seja sempre a mesma, eles sempre mudam algumas coisas, dando frescor de novidade ao evento. Já falei algumas vezes aqui que alguns eventos ficam parado no tempo, enquanto outros radicalizam, enquanto CCXP sempre fez mudanças pontuais, que talvez passem despercebidas pro público.

Uma das edições que eu mais gostei foi a do ano de 2017 em que eles colocaram diversos mini palcos em algumas áreas do evento, trazendo música de diferentes tipos e tribos. Por exemplo, nesse ano teve Ricardo Cruz cantando músicas de animês junto com outros cantores de animê num desses palcos. Em 2019 não tivemos isso, mas tivemos palco do Youtube que é outra coisa totalmente diferente. Então é uma mudança entre tantas que desconheço a opinião de organizadores, mas faz falta.

Agora o que falar do melhor e maior evento de 2019? Vamos combinar que CCXP não existe um competidor na mesma categoria que ele. Anime Friends abrange público de animação japonesa, enquanto BGS abrange público de gamers, enquanto outros eventos no ano tem suas peculariedades e são diferentes do CCXP. Por causa disso, o CCXP continua disparadamente sendo a melhor opção para o fã que gosta de cinema, quadrinhos e séries.

Mas realmente o evento é só pontos positivos? Não. Falo que a experiência de assistir palestras e painéis no CCXP sempre foi traumático e tirando as menores que você ainda consegue assistir, as outras você precisa escolher se decide andar no evento ou se decide assistir elas. Isso não quer dizer que lá fora seja diferente, sabemos que San Diego Comic-Con é assim, porém acaba sendo uma frustração, quando nos outros eventos que acontecem na cidade de São Paulo, seja muito mais tranquilo entrar num painel do que nela. Mas são de mesma importância? Lógico que sabemos que são níveis diferentes e por isso acessos são diferentes, mas mesmo assim, assumo esperar um dia que o acesso seja mais fácil do que é encontrado hoje na CCXP. Nem que tenha que comprar separadamente um acesso pontual por painel, coisa que hoje só existe um ingresso diferencial para acessar todos painéis.

Outra coisa que não tem nada a ver com a organização do evento, mas sobre o local. Entendemos a ponte que foi instalada na frente em 2019, mas uma coisa não mudou que é desgastante ir embora do CCXP. Seja esperar horas para pegar um ônibus ou andar quase 2 km a pé até o metrô mais próximo. Para uma pessoa que anda todo dia dentro do evento o que ela menos deseja é ter que andar mais ainda para voltar para a sua casa. Esse ano vimos alguns caminhos alternativos dos ônibus, mas ainda está longe de tornar o acesso uma experiência melhor. No mesmo local, numa proporção menor temos o Festival do Japão e a experiência de ir e voltar não é tão traumática como essa. Mesmo quando BGS aconteceu no mesmo local, não teve esse problema, mas sabemos que o público em suas devidas proporções são menores que CCXP. E se o local fez todas essas mudanças para abrigar eventos ainda maiores, talvez as mudanças de acesso ao local não tenham sido feitas na mesma proporção. Então cada ano que vou ao CCXP, eu me questiono se essa experiência se tornará menos traumática.

Agora, gostaria de falar da experiência de domingo. Nunca tinha ido ao evento no domingo, por sempre cair no mesmo dia de outros compromissos e em 2019 pude avaliar e perceber que definitivamente é o melhor dia para o público. Por ser o último, você consegue chegar ao evento mais tranquilamente, além de encontrar descontos em todas as lojas. Sendo o último dia, tive o prazer de encontrar diversas promoções de camisetas, quadrinhos, além de brindes que não tinham nos primeiros dias. Então, caso você prefira escolher um dia para fazer compras no CCXP, definitivamente escolha o último dia (ou o primeiro caso tenha certeza que o produto não esteja disponível no último dia). E também por ser um dia mais “vazio”, acaba sendo mais fácil em tirar fotos com cosplayers e cenários de filmes e séries. Então a dica que eu dou é que aposte em dois dias na feira, sendo um deles no domingo.

Em 2019, o CCXP continua sendo a melhor opção de evento de cultura geek e provavelmente continuará sendo nos próximos anos. É uma experiência única como fã e por isso o evento é a meca de tudo que representa a cultura pop geek mundial aqui no Brasil.

Galeria

Agradecemos a organização do CCXP por permitir a cobertura do JWave na edição de 2019.

Categorias
Eventos Séries & TV

Alma Tokusatsu apresenta o primeiro Meet & Greet Online com ator japonês no Brasil

Alma Tokusatsu está de volta em 2020 e trouxemos algumas informações em como será o Meet & Greet com o ator Hiroshi Watari. Ele é conhecido por ter interpretado Boomerman em Jaspion, além de ser o protagonista de Sharivan e Spielvan.

O que é Tokusatsu?

Tokusatsu é um termo em japonês para filmes ou séries live-action (com atores reais), que faz grande uso de efeitos especiais. Os mais populares no Brasil, são as séries de TV sobre super-heróis como: Jaspion, Changeman, Jiraiya, Ultraman, Power Rangers, sendo alguns destes exibidos em canais de rede aberta (TV Bandeirantes) e filmes de monstro, como por exemplo, Godzilla.

Alma Tokusatsu 2019

O Alma Tokusatsu nasceu em 2019 para unir o mercado de Tokusatsu no Brasil, agregando todos os grupos de fãs brasileiros em um local de encontro, não apenas incentivando novas amizades entre todos os apaixonados pelo tema, como também promovendo pela primeira vez um evento em forma de convenção composto por estandes, shows, talk shows de artistas, apresentações, venda de comida e bebida, desfile de cosplays, dentre outras atrações totalmente voltadas para o Tokusatsu.

Além de reunir os fãs do segmento, o Alma Tokusatsu ajuda instituições carentes arrecadando alimentos não perecíveis. Durante o período de isolamento, realizou uma live de caridade com ajuda de diversos grupos, artistas e dubladores, colocando na prática o espírito heróico que o Tokusatsu nos ensinou, arrecadando dinheiro para ajudar as comunidades de São Paulo.

Alma Tokusatsu terá Meet & Greets em formato online?

Não existindo a possibilidade de um evento presencial devido à pandemia, o Alma Tokusatsu fará um encontro de forma online com Hiroshi Watari, o maior ator de Tokusatsu dos anos 80, que atuou como protagonista de seriados como: Spielvan, Sharivan, e também, o Boomerman no seriado do Jaspion. Será a estréia de um Meet & Greet Online no Brasil com atores japoneses, que de forma inovadora trará outras possibilidades de estilos de eventos neste país.

O ator fará um encontro em salas virtuais fechadas com fãs brasileiros, contando suas histórias de trabalho e respondendo suas perguntas através de conferência de vídeo, diferente dos eventos tradicionais de cultura pop japonesa, onde os Meet & Greets acontecem de maneira rápida e com pouco envolvimento e com o ídolo. O Alma oferece um tempo determinado conforme o pacote selecionado para que os fãs possam interagir diretamente e promove, de fato, um bate papo com Hiroshi Watari.

Cada sessão terá 1h30 (uma hora e trinta) de duração e cada participante terá seu tempo garantido para interagir, fazer perguntas, demonstrar sua paixão e admiração. Durante o encontro online, o meet também contará com o cantor Ricardo Cruz, membro da famosa banda japonesa JAM Project, para auxiliar na conversa como intérprete.

Mais informações: almatokusatsu.com.br

Categorias
Destaque Eventos

Campanha Amigo: Pavilhão Japonês e o Museu da Imigração Japonesa precisam de ajuda!

Desde de março devido ao isolamento social, o Pavilhão Japonês e o Museu da Imigração Japonesa enfrentam dificuldades para sua manutenção. E o JWave apoia a causa e está aqui para falar um pouco dela.

Primeiramente, estamos falando de dois espaços administrados pela Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social, conhecida mais popularmente como Bunkyo. Um fica no topo do prédio do Bunkyo na Liberdade e o outro dentro do parque do Ibirapuera.

Para salvar ambos os espaços, foi criado a Campanha Amigo e que envolve doação e venda de ingressos antecipados com validade de um ano para salvar os dois espaços.

Os dois legados históricos-culturais

O Pavilhão Japonês, no coração do Parque Ibirapuera, foi presentado à cidade de São Paulo durante as comemorações do IV Centenário. Construído pelo governo japonês e pela comunidade nipo-brasileira, além de ser um marco histórico da amizade Brasil-Japão, é também uma referência da arquitetura tradicional japonesa em construção de madeira em nosso país.

Graças ao trabalho cuidadoso de manutenção proporcionado por especialistas do Japão, atualmente essa edificação é um dos únicos pavilhões construídos no exterior a manter as suas características originais.

Já o Museu Histórico da Imigração Japonesa no Brasil, localizado no coração da cidade de São Paulo, no bairro da Liberdade, além de manter uma das mais completas exposições sobre a história da imigração japonesa em nosso país (distribuída em três andares), possui o maior acervo relacionado ao tema da América Latina.

Além do acervo com cerca de 97 mil itens, o Museu mantém uma biblioteca relacionada ao tema da imigração japonesa no Brasil, uma extensa coleção de quimonos e um setor de pesquisas.

Tanto o Pavilhão Japonês como o Museu da Imigração Japonesa são referências obrigatórias às autoridades, pesquisadores e turistas em visita ao nosso país. 

O Pavilhão Japonês, construído em 1954, e o Museu da Imigração Japonesa em 1978, são espaços mantidos pelo Bunkyo, tendo como principal fonte de recursos os ingressos e doações da iniciativa privada (não conta com verbas ou apoio financeiro governamental).

Agora, com o distanciamento social, as condições para a manutenção das instalações e acervo desses espaços estão cada vez mais desafiantes. A isso, somam-se também as despesas com os recursos humanos, muitos deles, com vários anos de experiência junto às atividades específicas no Museu da Imigração e Pavilhão Japonês.

Campanha de arrecadação Amigo

A Campanha Amigo de arrecadação de recursos está baseada em diferentes pacotes do “Ingresso Solidário” – ao fazer uma determinada doação, o interessado recebe ingressos antecipados (que poderão ser utilizado após a reabertura dos locais) e diversas outras vantagens.

A Campanha tem o apoio do Consulado Geral do Japão em São Paulo, da JCI Brasil-Japão, além de diversas empresas e entidades.  Terá duração de três meses, com início nos dia 23 e 24 de maio próximo, no evento Bunka Matsuri# em casa seguindo-se uma série de eventos online para divulgação e mobilização de recursos.

São vários pacotes oferecidos aos apoiadores (pessoas físicas e pessoas jurídicas), sendo que o interessado poderá optar pela quantidade de ingressos do Museu da Imigração Japonesa e/ou Pavilhão Japonês.

A seguir, acompanhe as opções para se tornar um Amigo do Museu da Imigração Japonesa e do Pavilhão Japonês, ou veja o link da campanha: https://amigo.doareacao.com.br/

Recompensas para pessoas físicas

R$ 200 reais

• 10 ingressos para o Museu ou Pavilhão com validade até dezembro de 2021*

• Agradecimento no mural do nosso site

• 1 catálogo e 1 camiseta a serem retiradas no Museu ou no Pavilhão

R$50 reais

• 5 ingressos para o Museu ou Pavilhão com validade até dezembro de 2021*

• Agradecimento no mural do nosso site

R$100 reais

•10 ingressos para o Museu ou Pavilhão com validade até dezembro de 2021*

• Agradecimento no mural do nosso site

• 1 catálogo a ser retirado no Museu ou no Pavilhão

R$1.000 reais ou mais

• 50 ingressos para o Museu ou Pavilhão com validade até dezembro de 2021*

• Agradecimento no mural do nosso site

• Inserção do nome no banner de agradecimento na entrada do Museu e do Pavilhão

• 2 catálogos e 3 camisetas a serem retiradas no Museu ou no Pavilhão

*Ingressos com QR code serão enviados por e-mail a partir de julho

Obs.: Ingressos físicos e brindes serão enviados à empresa a partir de julho

Informações:

www.bunkyo.org.br

E-mail: museu@bunkyo.org.br

Categorias
Animê & Mangá Cultura Pop Eventos

Festival Geek & Matsuri SESI Osasco acontece em março!

Sucesso de público com mais de 5 mil pessoas, SESI Osasco traz novamente o Festival Geek & Matsuri SESI Osasco. O evento acontece nos dias 7 e 8 de março, sábado, das 10h às 21h e domingo, das 10h às 18h, com entrada gratuita e aberta a todos os públicos.

Tendo concurso e desfile de cosplays, games, just dance, apresentações de k-pop, taiko, bandas de anime songs, oficinas de mangá, origami e kirigami são algumas das atrações que farão parte desta edição.

O evento terá painéis de discussão com nomes da cultura geek como Edi Carlos Rodrigues, Gerente de Marketing e Comunicação da Editora JBC, Marcelo Del Greco, Gerente de Conteúdo da Editora JBC e Adriano Almeida, da 4 Fun Fest.

A Comix Book Shop Livraria estará no evento e trará uma variedade de histórias em quadrinhos e mangás disponíveis para compra nos dois dias de evento. Expositores de produtos geek e uma praça de alimentação diversificada também são destaques do festival.

Programação

Shows musicais e apresentações

Crédito Jessica Leles
Crédito Aline Negra Silva

Atrações

  • Animekê
  • Aula demonstração de Mangá com Fábio Shin (Japan Sunset)
  • Espaço Card Games
  • Espaço Video Games
  • Espaço Just Dance
  • Brinquedoteca
  • Exposição Fotográfica
  • Artistas Alley
  • Espaço Comix
  • Mago do Balões: Luciano Takeda
  • K-Pop Random Play Dance
  • Painel: “A evolução da Cultura Pop Japonesa no Brasil” com: Edi Carlos Rodrigues – Gerente de Marketing e Comunicação da Editora JBC, Marcelo Del Greco – Gerente de Conteúdo da Editora JBC e Adriano Almeida (4 Fun Fest)
Crédito Aline Negra Silva

Oficinas

  • Oficina de Origami
  • Oficina de Oshibana
  • Oficina de Mangá
  • Oficina de Pixel Art
  • Workshop de Bonsai – Inar dos Santos Mosca

Mais informações acesse: https://osasco.sesisp.org.br/noticia/vem-ai-a-2a-edicao-do-geek–matsuri-sesi-osasco

Festival Geek & Matsuri SESI Osasco

Onde: SESI Osasco: Av. Getúlio Vargas, 401, Piratininga, Osasco, SP.

Quando: 7 e 8 de março, sábado, das 10h às 21h, e domingo, das 10h às 18h.

Entrada Gratuita

Classificação indicativa: livre

Informações: osasco.sesisp.org.br Telefone: 11 3602-6232

Categorias
Eventos Games

BIG Festival 2020 abre inscrições para jogos independentes!

Os desenvolvedores de jogos independentes de todo o mundo já podem se inscrever para participar do BIG Festival 2020 (Brazil’s Independent Games Festival), o maior evento de games independentes da América Latina. As inscrições são gratuitas e vão até 10 de maio, às 23:59 (Horário de Brasília, GMT -3).

A 8a edição do BIG acontecerá em São Paulo, de 15 a 19 de julho, no Centro de Convenções Frei Caneca.

O BIG Festival aceita jogos desenvolvidos para todas as plataformas, (computadores, tablets, smartphones, consoles e dispositivos de realidade virtual), publicados ou não.

Os jogos finalistas de cada categoria, serão exibidos em uma exposição de 5 dias. Na edição de 2019, o BIG Festival recebeu mais de 20 mil visitantes para ver os 75 jogos selecionados.Se você é desenvolvedor e seu jogo está pronto para jogar, faça sua inscrição pelo site www.bigfestival.com.br.

Muito mais que um Festival de Games

Além do Festival, o BIG é o principal fórum de negócios de jogos eletrônicos da América Latina. Todo ano, mais de 2.000 profissionais participam do BIG. Em 2019, foram mais de 100 palestras com participação de profissionais internacionais e nacionais. Todas as atividades do BIG são gratuitas, com exceção das rodadas de negócios.

Sugira sua palestra

O BIG Festival também abre espaço para profissionais brasileiros da economia criativa inscreverem suas sugestões de palestras. As palestras sugeridas pelo público terão 30 minutos ou 1 hora de duração e cada candidato poderá inscrever 1 palestra.

Sobre o BIG Festival

O BIG Festival (Brazil’s Independent Games Festival) acontece desde 2012 e é o mais importante festival e mercado de games independentes da América Latina. Nossa missão é fortalecer o ecossistema de games no Brasil – com o festival, os encontros de negócios, prêmios, grande cobertura da imprensa, palestras e a presença dos principais players da região, bem como compradores e investidores do mundo inteiro.

Evento acontece de 15 a 19 de julho no Centro de Convenções Frei Caneca.

Categorias
Cobertura de Shows Coberturas de Eventos Críticas e Reviews Cultura Pop Destaque Música

Cobertura | Miyavi – “No Sleep Till Tokyo” – Tour São Paulo 25.01.2020

Miyavi na época do primeiro show no Brasil em 2008

O ano de 2020 começou com JRock nos palcos brasileiros. Trazendo a turnê No Sleep Till Tokyo, Miyavi veio ao Brasil numa época repleta de mudanças em sua carreira. Defensor do meio ambiente, Miyavi foi muito além de sua música, deixando sua mensagem aos fãs brasileiros.

Para aqueles que são fãs mais antigos, Miyavi  já veio algumas vezes ao Brasil, sendo a primeira vez há 12 anos atrás em dois shows no teatro do Bunkyo, centro da cultura japonesa no bairro da Liberdade em São Paulo. Muita coisa aconteceu nesse tempo, sendo troca de agência, gravadoras na carreira do Miyavi, além de um crescimento profissional em diferentes mídias, se destacando entre elas, no cinema.

Nesse período, o público e os shows no Brasil também mudaram e tivemos o prazer de assistir um show impactante e deixou sua marca no palco do Tropical Butantã em 2020.

Miyavi – “No Sleep Till Tokyo” São Paulo 2020- Foto de Ronnie Pedra

Mas quem é Miyavi?

Conhecido com o nome artístico de Miyavi, Takamasa Ishihara (原 崇 雅) nasceu no dia 14 de setembro de 1981 em Konohana-ku (Osaka). Nascido de mãe japonesa e pai coreano, Miyavi era fã de futebol e até chegou a entrar no time de  Cerezo Osaka , um time da J-League.

Foi no terceiro ano do ensino médio que o cantor começou a tocar em sua primeira banda, Loop.

Mas se podemos falar algo de Miyavi é que ele sempre foi multi talento, assim em 2004 tivemos seu primeiro filme, o Oresama. Este inclusive foi um filme para lá de pessoal, aonde ele pode revisitar seu passado em uma viagem no tempo por sua vida.

Em 2005, temos o terceiro álbum do Miyavi que é bem lembrado pelos brasileiros, estamos falando de Miyavizm. Décimo álbum mais vendido no Japão, segundo a pesquisa Oricon do mesmo ano, Miyavi cada vez mais se projetava internacionalmente.

This Iz The Japanese Kabuki Rock Tour em 2008 foi a primeira grande turnê no cantor pelo mundo e dessa vez o Brasil esteve incluído num show que foi uma parceria entre JaME e a Yamato Music.

Mas quem disse que seu sucesso ficaria restrito só a música? Miyavi continuou fazendo cinema e dessa vez passando pela versão live-action do animê Bleach e as produções norte-americanas “Invencível” dirigido por Angelina Jolie e a sequência de “Malévola”.

Miyavi em Bleach

Em 2017, ele se tornou Embaixador da Boa Vontade do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados.

E lembra quando falamos que ele não para de nos surpreender? Em dezembro de 2019, ele anunciou que depois de 10 anos independente, estaria lançando seus trabalhos a partir de janeiro de 2020 pela LDH JAPAN Inc, fundada pelo grupo Exile. Então Miyavi é um artista que é um eterno camaleão, sempre mudando e trazendo coisas novas para a sua carreira.

Miyavi – “No Sleep Till Tokyo” – Foto de Ronnie Pedra

Mas vamos falar do show de 2020?

Miyavi – “No Sleep Till Tokyo” – Foto de Ronnie Pedra

Tendo uma fila se formada na frente da casa de show Tropical Butantã, a organização cuidou bem da fila e o público foi bem tranquilo até a abertura dos portões.

Miyavi foi extremamente pontual em seu show no Tropical Butantã. Exatamente às 20 horas, ele entrou no palco e começou com Stars, do seu mais recente trabalho No Sleep Till Tokyo.

Mas quem disse que Miyavi só tocaria sucessos recentes? Logo depois, ele veio com Flashback do Samurai Sessions Vol 2 de 2017.

Seguido de In Crowd do álbum Long Nights de 2018. Assim trazendo mix de seus 3 últimos trabalhos, Miyavi foi cativando público de uma forma simples em que cada nova música era uma apresentação e um show a parte.

Falando português, Miyavi se apresentou e falou que estava tudo bem com ele. Comentou que gostava do Brasil e estava com saudade de vir aqui. Além disso brincou com público sobre sonhos, falando um pouco do sonho de ser jogador de futebol.

Além disso, Miyavi citou um pouco os recentes incêndios no Brasil e na Austrália. Ativista e defensor das florestas, Miyavi atingiu o coração do seu público que até ensaio uns gritos embalados numa das pausas de seu show.

Vale aqui salientar que entre os sucessos que ele tocou nesse momento foi Rain Dance em que originalmente fez dueto com os artistas Daichi Miura e Kreeva.

Miyavi – “No Sleep Till Tokyo” – Foto de Ronnie Pedra

Ai chegamos no auge do show quando Miyavi tocou No Sleep Till Tokyo levando o público a delírio. E emendou com outra música dançando que foi Samurai 45 do mesmo álbum.

Outro momento que vale aqui destacar é quando ele tocou itoshii Hito (Beta de Suman). Fazendo público se movimentar ao ritmo de uma balada romântica, Miyavi estava em seu melhor momento ali.

E devo aqui confessar que tive a primeira surpresa no show ao ouvir a cover dele de Pink Spider. Fã da música original do hide (do X Japan), essa música é muito especial por ter sido o primeiro sucesso póstumo dele ao ser lançado 16 dias depois de sua morte. Ouvir essa canção na releitura e voz do Miyavi foi impressionante e foi o que poderia ter sido encerramento daquele show pra mim.

Mesmo assim, o show ainda teve algumas surpresas como A-HA do álbum What´s My Name de 2010, seguido de outras músicas de outros álbuns como Fire Bird, DAY 1 e The Others.

Apresentando sua banda e tendo um carisma impressionante no palco, Miyavi ainda trocou de roupa uma vez, trocando roupa branca que estava por uma camiseta preta, parecendo bastante à vontade com público ali presente.

Perto do final, deu pra perceber que houve um desencontro ali entre a equipe de produção com troca de guitarras entre outros problemas pormenores, mas não tirou o brilho da noite que foi exclusivamente do Miyavi.

Fazia alguns anos que não ia no show dele e a Highway fez um ótimo trabalho em trazer o artista ao Brasil.

GALERIA

Playlist – Miyavi – “No Sleep Till Tokyo” – Tour São Paulo 25.01.2020

Miyavi – “No Sleep Till Tokyo” – São Paulo 2020

Data: 25 de janeiro de 2020 (sábado)

Horário do show: 20h

Local: Tropical Butantã (Av. Valdemar Ferreira, 93 – Butantã)

Classificação: 16 anos.

Agradecimentos a Highway Star pelo credencialmento e permitir a cobertura do JWave. Agradecimentos também a Ronnie Pedra pelas fotos e ajudar em algumas informações do show.

Categorias
Animê & Mangá Coberturas de Eventos Críticas e Reviews Cultura Pop Destaque

Ressaca Friends 2019 | Cobertura Geral

Esse ano tivemos uma série de mudanças no Ressaca Friends. Abrindo mão de bandas, o evento se focou em palestras e painéis, trazendo essas atrações para os palcos do evento.

Trazendo interatividade e música com jogos como Just Dance e o palco de Kpop com grupos cover de dança, o Ressaca Friends soube preencher a lacuna das bandas ao mesmo tempo que deu um novo direcionamento ao evento.

Depois de duas semanas do maior evento geek do Brasil, o Ressaca Friends repetiu o local de 2018, porém reconfigurado e utilizando bastante o seu espaço.

Revigorado e atualizado, o JWave esteve presente no evento e irá comentar um pouco da edição de 2019.

Painel da Sayoko Hagiwara

Uma das grandes estrelas da edição desse ano demonstrou carisma e principalmente conhecimento sobre técnica, filmagens e como uma produção de tokusatsu era realizada nos anos de 1980.

O ponto mais alto do painel foi quando ela descreveu a rotina de filmagens de uma série de tokusatsu. Falando que acordava às seis da manhã indo para Saitama aonde fica as pedreiras aonde a Toei filmava os seriados dos anos de 1980. A atriz filmava com explosões reais e nos outros dias da semana tinha que redublar as cenas, tirar fotos para ensaios (era modelo na mesma época), além de filmar cenas em outras locações.

A equipe Mais Geek (antiga Senpai TV) até conseguiu explorar bastante esse nível de curiosidades, porém assumo que foi meio decepcionante quando abriu perguntas ao público. Tendo perguntas como se a atriz soubesse cantar abertura e encerramento das séries Dynaman e Flashman, o público acabou trazendo perguntas bem aquém do esperado.

Painel do dublador Marcelo Campos.

Num clima de amigos, o dublador Marcelo Campos falou um pouco da sua experiência no mercado nas séries Dragon Ball Z, Yu-Gi-Oh e Cavaleiros do Zodíaco.

Carismático e sincero, o Marcelo Campos falou que ali nos eventos, ele se torna famoso, mas nas ruas ele é tão anônimo como qualquer um ali presente no público.

Foi um dos melhores painéis do evento no domingo, mostrando que o modelo escolhido pela Ressaca veio para ficar.

Mudanças em relação aos outros anos

Pelo menos no ano de 2018, o evento havia escolhido salões para montar seus painéis e foi bem interessante o espaço e acústica escolhida para eles. Lembrando bastante a estrutura de eventos com esse tipo de painel fechado do público que apenas anda pelo evento.

Esse ano ao trazer esses painéis no lugar dos palcos, a Ressaca Friends optou seguir uma linha mais utilizada por eventos como Campus Party que lota seu espaço com palestras e caixas de som virada para o público, assim conseguindo realizar diversas palestras em simultâneo.

Assumo que por mais interessante que o modelo Ressaca Friends tenha encontrado, ainda não ficou tão bom como a Campus Party. Ressalto isso em termos de vazamento de som e microfone baixo das atrações, dificultando em alguns momentos o entendimento da conversa.

Independente disso, o modelo foi feliz e espero que seja imitado nos próximos anos.

Lojas e Editoras

O evento tinha diversas lojas vendendo itens de animê e mangá, porém quando o assunto era editora, apenas a NewPOP estava presente como editora.

A COMIX “tentou” preencher a lacuna das outras editoras ausentes no evento, porém a loja colocou o preço lá em cima em diversos títulos, além de cobrar mais caro em números “raros”. Depois de um mês repleto de eventos como CCXP em que editoras estiveram lá com descontos bem generosos, chegou a ser bem decepcionante ver os preços da COMIX. Principalmente se você conhece a COMIX de outros carnavais e sabe que ela já ofereceu preços mais interessantes em eventos de animê e mangá.

Já a NewPOP prometeu desconto em suas coleções e cumpriu, trazendo títulos a todo tipo de preço, inclusive alguns clássicos da editora pelo preço de 5 reais. Se você é fã do trabalho deles, provavelmente foi ali que você gastou seu dinheiro.

Vale outro ponto curioso que o evento tinha uma loja da Anime Friends, vendendo produtos dos outros eventos dela. Assim, você poderia comprar camisetas do Ultraman da edição desse ano em São Paulo e no Rio de Janeiro, além de almofadas, canecas entre outros itens. Tendo preços bem baixos, era outro ponto obrigatório para fãs dentro do evento.

Praça de Alimentação

Desde que a Maru assumiu o Anime Friends, não podemos reclamar de uma coisa. Trazendo praças de alimentação completa e de alta qualidade, aqui não foi diferente.

Tínhamos de Bob’s, Patroni, além da culinária japonesa com Takoyaki e Okonomiyaki, passando por restaurante do Ultraman trazendo lances do Ultra e dos Kaiju.

Quem frequenta os eventos Anime Friends desde os primórdios, sabe que era um dos pontos mais falhos do evento lá trás e desde a mudança de gerência isso foi corrigido e se tornando um dos destaques do evento. Realmente valia a pena consumir dentro do evento, sendo principalmente um dos atrativos do evento.

Por ter o palco do KPOP na praça de alimentação, podia parecer estranho, mas acabou se tornando uma atrações dali.

Fato curioso? Os banheiros escondidos atrás das cortinas pretas da ala. Escondidos, tinha que pedir ajuda dos seguranças para descobrir aonde eram os tais banheiros sinalizados na praça de alimentação.

Espaços temáticos

O Ressaca Friends investiu em espaços temáticos nessa edição, assim tivemos um Maid Café ao estilo do Japão, uma sala de aula para aprender desenho, estúdios fotográficos para cosplayers, além do Artists’ Alley.

O Maid Café e os espaços de cosplayers estavam bem legais, já o Artists’ Alley assumo que depois de ver os 500 do CCXP, ver 42 no Ressaca Friends foi meio decepcionante. Lógico que podemos tirar como positivo que esses que estão no evento são mais puxado para o estilo de animê e mangá, além de poder se admirar com mais atenção do que os 500 do outro evento.

Balanço geral

Esse ano tivemos uma reinvenção no modelo de negócio do Ressaca Friends, sendo que na realidade o evento anda mudando desde 2017 quando a Maru assumiu os dois eventos.

Se o evento por ser pequeno não funcionou bem no Anhembi, acabou funcionando muito melhor na Casa Verde aonde foi Brasil Comic Con. E se o modelo 2018 já tinha sido interessante, 2019 conseguiu potencializar alguns pontos que ainda precisavam ser trabalhados.

Uma pergunta que vi nas redes sociais era em relação a ausência de bandas. Foi sentida? Sinceramente não. Por causa de atrações como Just Dance que trazem uma interatividade enorme com público, o Ressaca Friends soube preencher essa lacuna com outras opções. Funcionou e sinceramente em time que está ganhando não se mexe, então acredito que pelo sucesso de modelo, acabará sendo o mesmo nos próximos anos.

Já alguns painéis como bate-papo de Editoras, me pergunto se precisa ter duas vezes ao ano com Anime Friends e Ressaca Friends fazendo a mesma palestra. E com a ausência de estande das editoras ali, acabou sendo o único espaço delas ali. Esse ano tivemos ideias como palestra com blogs e sites do segmento que pareceram ser bem mais interessantes do que usar o famoso confronto em forma de debate das editoras.

Se a renovação veio na forma de eliminar as bandas do evento, talvez o evento precisa repensar se realmente algumas de suas palestras são necessárias todas as suas edições.

Se valeu a pena o evento? Com certeza foi um bom evento e também uma opção mais barata para aqueles que não querem ou não podem ir em eventos mais caros do país. Ao mesmo tempo, Ressaca Friends fisgou um público totalmente diferente de eventos como CCXP e BGS. Ao tentar mudar seu modelo de negócio ela tenta se consolidar e se manter tão interessante quanto a sua irmã mais velha, Anime Friends.

Galeria

Categorias
Destaque Eventos

CCXP19 tem recorde de público e trouxe diversidade a cultura geek!

Um dos corações do evento… O gigantesco Artist’ Alley do CCXP – Foto divulgação da organização de Ariel Martini

Dezembro acontece sempre o maior evento de cultura geek do planeta. Sim estamos falando do CCXP 19 que acabou e já deixou saudades. CCXP19 terminou no domingo, 8, após quatro dias de intensa programação.

São seis anos desde sua primeira edição no Brasil e o maior festival de cultura pop do mundo reuniu esse ano nada mais que 280 mil pessoas vindas de todas as partes do país.

Um público formado basicamente por São Paulo, Rio de Janeiro, Minas e Paraná. O estado de São Paulo esteve na frente com 72% (sendo destes 70% de fora da capital), seguido por Rio de Janeiro, Minas Gerais e Paraná.

A organização estima que o evento tenha injetado cerca de R$ 265 milhões na economia da cidade e gerado 11 mil empregos diretos e indiretos.

“A CCXP alcançou um lugar de destaque no cenário do entretenimento mundial. Mais uma vez entregamos ao público um festival de qualidade internacional, reconhecido pelos estúdios e que traz para o Brasil conteúdos que vão reverberar pelos próximos meses. Fazer tudo isso pelos fãs e ainda poder gerar emprego e movimentar a economia são coisas que tornam tudo isso ainda mais incrível. Estamos entregando mais um evento épico e já pensando na edição de 2020. Aliás, a CCXP20 já tem data marcada: de 3 a 6 de dezembro”, anuncia Pierre Mantovani, CEO da CCXP.

 CCXP19 em números 

Espaço: 115 mil m²

15 estúdios e plataformas de streaming.

35 lojas especializadas

Público: 51% homens / 49% mulheres

Gasto médio por pessoa: R$ 325,00.

Visitantes: 66% entre 15 e 34 anos.

Presenças “épicas”

JJ. Abrams – Foto divulgação CCXP de Diego Padilha

Esse ano tinha pra todos os gostos e todos os públicos, porque o evento reuniu um elenco de peso, trazendo nomes como Gal Gadot, Margot Robbie, Henry Cavill, Ryan Reynolds, John Boyega, Oscar Isaac, Daisy Ridley, o diretor J. J. Abrams e o elenco de “La Casa de Papel”, entre outros nomes aclamados.

O festival ainda foi palco da pré-estreia de “Frozen 2”, da divulgação do trailer inédito de “Viúva Negra”, do teaser de “Eternos” e do aguardado trailer de “Mulher-Maravilha 1984”, que teve uma inédita transmissão global via Twitter.

O evento contou com mais de dois mil formadores de opinião, entre jornalistas e influenciadores, vindos de 25 países, além de 170 profissionais de foto, vídeo, redes sociais e conteúdo.

 Surpresas e grandes elencos no Auditório Cinemark XD

No sábado durante a pré-estreia de Frozen 2 – Foto divulgação CCXP Vans Bumbeers

O Auditório Cinemark XD era todo dia um estouro, sendo que depois de um dia com Star Wars, Frozen 2 e Marvel, todo mundo achou que tinha acabado, mas domingo teve muito mais. Começando pelo aguardado painel da Netflix com o Henry Cavill, protagonista de “The Witcher”, que subiu no palco e foi recebido por uma plateia extasiada.

Também tivemos o elenco da aclamado série “La Casa de Papel”. Os atores Rodrigo de la Serna, Esther Acebo, Pedro Alonso, Alba Flores e Darko Peric contaram um pouco sobre série e o público pôde conferir metade do primeiro episódio da próxima temporada.

Em seguida, foi a vez de Ryan Reynolds retornar ao Auditório Cinemark XD para divulgar seu segundo trabalho nesta edição da CCXP19, “Esquadrão 6”, junto com os colegas de elenco Adria Arjona, Mélanie Laurent, Corey Hawkins e Manuel Garcia-Rulfo.

E você pensa que acabou? Não, porque ai tivemos a Warner que comandou os dois últimos painéis do Auditório Cinemark XD neste domingo. Primeiro, o estúdio apresentou suas estreias de 2020 e projetos para os próximos anos como “Scooby! O Filme”, “Tom & Jerry”, “Space Jam 2”, “DC Super Pets”, “Em um Bairro de Nova York” e “Esquadrão Suicida”, filme que terá a brasileira Alice Braga no elenco.

Gal Gadot e Patty Jenkins – Foto divulgação CCXP Vans Bumbeers

Assim, domingo se despediu com ninguém menos que Gal Gadot e Patty Jenkins encontraram uma legião de fãs apaixonados. A atriz e a diretora contaram ao público um pouco sobre a produção de “Mulher-Maravilha 1984”, em um painel que teve transmissão pelo Twitter e colocou a CCXP19 nos trending topics da rede social.

CCXP 2020

Foto divulgação CCXP Vans Bumbeers

Anunciado o fim do evento esse ano, a organização anunciou que a próxima edição será realizadas nos dias 3 a 6 de dezembro de 2020.

O evento continua no São Paulo Expo, porém ainda não foi anunciado quando será a abertura de ingressos da próxima edição.

Fique ligado que o JWave está preparando uma série de matérias sobre o CCXP 19.

Agradecimentos ao evento pelas informações

Categorias
Animê & Mangá Destaque Eventos

Ressaca Friends 2019 é nesse final de semana em São Paulo!

Para aqueles que estão de bobeira no final de semana ou que estão visitando a cidade de São Paulo, o Ressaca Friends está ganhando uma nova edição para fechar o ano de 2019 com os grandes eventos de cultura geek.

Trazendo espaços temáticos que transformam em realidade os sonhos e desejos de fãs das mais variadas tribos.

Ressaca Friends ganha PokéStops exclusivos

A grande novidade deste evento promete enlouquecer os treinadores de Pokémon. Os jogadores de Pokémon GO terão dentro do Ressaca PokéStops exclusivos do evento, módulo Atrair (Lure), que durarão três horas, além de um aumento substancial de aparecimento de Pokémon. A iniciativa é uma parceria da Maru Division com a Niantic.

Lolita, Escola de Magia e Arena K-Pop

O tradicional espaço Lolita Teaparty traz o melhor do street style japonês, em um ambiente delicado e aconchegante, para atender fãs de moda. As ruas de Tóquio também estão representadas no Chest of Wonders Maid Café e no Sugar Club Maid Café, que reproduzem a atmosfera dos cafés da metrópole japonesa.

Para se transportar para as famosas escolas de magia, teremos a Escola de Magia e Bruxaria para transformar qualquer menino com um raio na testa em um bruxo mundialmente conhecido. Se a sua preferência são jogos, a Sala PSParty é a melhor pedida. Desenvolvida desde 2007, os organizadores trazem controles especiais e periféricos que permitem interação real com o público do evento.

Bem real também é a energia da Arena K-Pop, onde fãs da música coreana se reúnem para mostrar a precisão e a alegria dos passos de dança de forma livre. E, como um autêntico evento de cultura pop oriental, o Ressaca não poderia deixar os heróis fora da festa. O Espaço Tokusatsu é uma homenagem aos personagens históricos de live-action japonês e vai brindar o público com uma exposição de objetos e brinquedos inspirados neste universo. Ou seja, é garantia de emoção para fãs de todas as idades.

O público do Ressaca também poderá colocar a mão na massa e aprender na prática com a ÁreaE – Escola de Artes, que terá um espaço todo dedicado às artes no evento. Oficinas de desenho estilo mangá, ateliê de pintura e escultura, e caricaturas em estilo mangá estarão à disposição dos visitantes, que terão a oportunidade de aprender e trocar experiências com os melhores profissionais da AreaE.

Ressaca Friends 2019 

Quando: 21 e 22 de dezembro de 2019

Horário: Sábado, das 10h às 22h, e domingo, das 10h às 21h 

Onde: Centro de Eventos Pró-Magno – Avenida Professora Ida Kolb, 513 – Casa Verde

Quanto: Ingressos a partir de R$ 50,00

Site: https://ressacafriends.com.br/

Categorias
Animê & Mangá Cultura Pop Eventos

Ressaca Friends | Evento anuncia novas atrações!

Em dezembro tem Ressaca Friends e a empresa Maru acabou de revelar algumas atrações da edição dsse ano, o dublador Guilherme Briggs e o especialista em tecnologia Toshihiro Fukuoka são algumas dessas presenças confirmadas para o último evento de cultura pop oriental de 2019.

O Guilherme Briggs estará no evento para conversar com os fãs sobre sua carreira e participar de um momento bem próximo aos fãs, para fazer fotos e vídeos com nossos friends. Na pauta, além de toda sua extensa trajetória, estarão os detalhes sobre seu filme mais recente, Boku no Hero. Briggs deu voz a All Might.

Outro grande nome da dublagem brasileira também estará ao vivo em nosso evento: Marcelo Campos, que já deu voz a Edward Elric, Trunks, Mu de Áries, Roronoa Zoro e Yugi, também contará ao público um pouco da sua trajetória no universo da dublagem.

Entre os convidados da Terra do Sol Nascente, está confirmada a presença de Toshihiro Fukuoka. O professor da Tokyo Digital Hollywood University falará sobre o fenômeno dos V-tubers, que já toma conta do Japão.

Palestras e debates

Uma delas reunirá a imprensa especializada para uma retrospectiva dos lançamentos otakus de 2019, desde a sensação de que o mercado está saturado por obras Battle Shounen até a necessidade de limites para temáticas dentro de mangás. Depois da exposição, haverá espaço para perguntas e respostas.

Qual é a semente do mal que cresce nos corações dos vilões? Este é o ponto inicial de outra palestra, que usa o personagem Coringa, interpretado em 2019 por Joaquin Phoenix, para discutir os caminhos que separam pessoas aparentemente comuns de pesadelos da sociedade.

Para reforçar a conexão entre a cultura pop oriental e suas raízes, teremos uma explanação específica sobre a simbologia budista do mangá Dororo, de Osamu Tezuka. Dos assassinatos às suas consequências, passando pela deusa da maternidade Kanon, muito da filosofia do budismo está permeada na obra.

Solidariedade

Os ingressos solidários já são uma tradição nos eventos da Maru. Neste Ressaca Friends não poderia ser diferente e é com muita alegria que anunciamos que serão arrecadados alimentos para a Associação Pró-Excepcionais Kodomo no Sono, entidade paulistana sem fins lucrativos que, há décadas, assiste pessoas com necessidades especiais.  

Galeria