Categorias
Coberturas de Eventos Críticas e Reviews

13º Festival do Japão – Miss Nikkey Brasil 2010

Continuando com a cobertura J-Wave do 13º Festival do Japão, agora vamos falar sobre um dos pontos altos do evento. No sábado (17/07) foi realizado dentro do evento o Miss Nikkey Brasil 2010, o principal concurso de beleza oriental do país. Ao todo, 19 candidatas desfilaram no palco e disputaram o título. E o resultado foi um verdadeiro show de graça e de beleza feminina dentro do Festival.

Embora a comunidade nipo-brasileira esteja mais concentrada entre os Estados de São Paulo e do Paraná, tivemos candidatas vindas de diversos cantos do país. Ao todo, representantes de 11 Estados brasileiros participaram do concurso. Algumas delas possuíam até torcidas organizadas, formadas por parentes e amigos, que se mostraram bastante animadas e até barulhentas (pasmem, caros leitores… até vuvuzela rolou nesse meio. Este humilde colaborador quase ficou surdo! o.O’), e apoiaram suas candidatas em todos os momentos do desfile, em especial quando elas subiam ao palco.

As animadas (e barulhentas!) torcidas das misses

O ator e apresentador Kendi Yamai foi o mestre de cerimônias do desfile. No corpo de jurados, algumas figuras ilustres nikkeis, como o ator Daniel Tamura e o jovem apresentador Yudi Tamashiro, do Bom Dia e Cia do SBT. Yudi também cantou em um show realizado antes do resultado final do desfile.

Kendi Yamai comandando o concurso

Yudi, do SBT, além de participar como jurado, também deu uma palhinha para os fãs

E os jurados tiveram trabalho para escolher a mais bonita entre as candidatas. O que não faltou no desfile foi beleza e simpatia.
A princípio, as candidatas desfilaram com uma vestimenta tradicional (o happi) e trajes de banho por baixo. Na seqüência, voltaram com trajes de gala e responderam a uma pergunta específica, que era sorteada na hora. O objetivo era avaliar, além da beleza, também a desenvoltura, a forma de expressão e o carisma das candidatas.






As candidatas esbanjaram beleza no palco

No final, a grande vencedora do concurso foi Mayumi Nakashima Morsch, de 20 anos, que veio de Blumenau (SC), e se mostrou surpresa e bastante emocionada com o resultado: “Não esperava que fosse ganhar, pois várias meninas bonitas estavam no páreo. Fiquei muito feliz!”
Ela também destacou o apoio dos familiares e dos amigos em sua empreitada: “O apoio deles foi essencial. Sempre é preciso se ter um apoio da família, dos amigos, pois eles fazem com que você se sinta mais segura. Isso é muito importante”, disse.

Mayumi Nakashima Morsch: a grande vencedora do Miss Nikkey 2010

Mayumi recebendo a faixa de Miss Nikkey

E a cobertura do Festival do Japão não pára por aqui. Na próxima e última parte desta matéria, temos a final brasileira do WCS, o concurso internacional de cosplay, que escolheu os representantes do Brasil para a final mundial em Nagoya, já no mês que vem. Quem foi a dupla vencedora do concurso? É o que vocês saberão a seguir.

Categorias
Coberturas de Eventos Críticas e Reviews

13º Festival do Japão – O maior evento de cultura japonesa da América Latina

Três dias de muitas atrações, e um grande espetáculo de cultura japonesa. Assim se pode resumir o que foi o 13º Festival do Japão, o maior evento da comunidade japonesa no Brasil e na América Latina, que foi realizado nos últimos dias 16, 17 e 18 de julho no Centro de Exposições Imigrantes, em São Paulo. Neste ano, o evento trouxe novidades e um repertório bastante variado, abordando diversos segmentos da cultura japonesa no Brasil, de forma a agradar todos os gostos do público.

Dentre as novidades deste ano, o evento dedicou, pela primeira vez na sua história, um espaço destinado exclusivamente à cultura pop japonesa: o Akiba Space (numa alusão ao bairro de Akihabara, em Tokyo), patrocinado pela Editora JBC, onde o público pôde conferir novidades em tecnologia (como a televisão 3D) e games, além de apresentar um pouco da moda de rua do Japão e também do cosplay. Além disso, o Festival do Japão abrigou neste ano a final brasileira do WCS, o concurso mundial de cosplay, que escolheu os representantes do Brasil na final mundial do evento em Nagoya. (este assunto será tratado mais adiante, aqui mesmo no J-Wave)

O Akiba Space – primeiro espaço reservado à cultura pop japonesa dentro do Festival do Japão

O público pôde conferir novidades em games e tecnologia no Akiba Space


Acessórios de moda e cosplay também foram expostos

Os membros do grupo Punk For Alice demonstraram
um pouco da moda de Harajuku


Várias autoridades e personalidades políticas estiveram presentes no Festival, como a vice-prefeita de São Paulo, Alda Marco Antônio, que representou o prefeito Gilberto Kassab, que estava em compromisso fora do país; o secretário geral da Casa Militar de São Paulo, cel. Luiz Massao Kita, que representou o governador do Estado, Alberto Goldman; além dos vereadores Jooji Hato (PMDB-SP) e Ushitaro Kamia (DEM-SP) e os deputados federais Walter Ihoshi (DEM-SP) e William Woo (PPS-SP), entre outros parlamentares da comunidade nikkei. Todos eles participaram do cerimonial de abertura do evento, realizando a tradicional quebra do taru (barril de saquê) e brindando a realização do Festival com saquê.

A vice-prefeita de São Paulo, Alda Marco Antônio,
discursa durante o cerimonial de abertura do Festival

O cel. Luiz Massao Kita, secretário geral da Casa Militar de São Paulo,
representou o governador do Estado, Alberto Goldman

As autoridades no momento da quebra do Taru…

…e o brinde com saquê.

Marina Silva, candidata à Presidência pelo PV, também prestigiou o evento.

O tema principal do Festival do Japão neste ano foi a arte das províncias, com um destaque especial para a província de Nara. Sua capital, Nara, completou 1300 anos de sua fundação, e foi a primeira capital institucional do Japão.

Objetos de arte da província de Gunma


Caligrafia e arte de Nara, província especialmente homenageada pelos 1300 anos
de fundação da cidade de Nara, a primeira capital do Japão.

As províncias também foram representadas na gastronomia, como acontece em todos os anos do Festival. Cada stand da praça de alimentação trouxe pratos típicos de cada província do Japão.


O público também teve a oportunidade de aprender a arte japonesa. Workshops de origami, caligrafia, pintura e mangá (quadrinhos) foram realizados ao longo dos três dias do evento.



As artes marciais, como o karatê e o aikidô, também marcaram presença no Festival, com demonstrações e workshops.



E, claro, não poderiam faltar as apresentações de dança e música tradicionais. Vários grupos de dança se alternaram nos palcos do evento, durante os três dias.

Grupo da Associação Tottori Kenjin do Brasil



Ishin Yosakoi Soran


Bunomai: a mistura das artes marciais com a dança,
da província de Okinawa

E a batida forte do taiko também deixou sua marca. Diversos grupos realizaram apresentações que empolgaram a platéia.

Shinkyo Daiko



Himawari Taiko

Ryukyu Koku Matsuri Daiko

Raijin Taiko

Requios Gueinou Doukoukai

Membros do Bon Odori Atibaia e do Ryuko Daiko de Mogi das Cruzes (de amarelo)

Os cantores também tiveram a oportunidade de soltar a voz no evento. Estiveram presentes no Festival os já conhecidos da comunidade nikkei Joe Hirata e Karen Ito, e, direto do Japão, as cantoras Yuri Harada e Mariko Nakahira.


Joe Hirata e Karen Ito marcaram presença no Festival

Yuri Harada foi uma das atrações internacionais do evento


Os jovens da comunidade também mostraram o seu potencial. Grupos de street dance como o Soul Base e o Nature Soul Crew realizaram demonstrações e até duelos na área cultural do evento, enchendo os olhos do público ali presente.

Nature Soul Crew

Soul Base

Just: este grupo conquistou o quinto lugar no Festival de Street Dance de Los Angeles

A presença dos voluntários (os famosos “vermelhinhos”) também é marcante. São eles que colaboram para a organização do evento, sempre dispostos a auxiliar quando necessário.

Os voluntários também dão o tom do evento


Isto tudo é apenas uma amostra do que foi o 13º Festival do Japão, que fez jus ao título de maior evento de cultura japonesa da América Latina. E tende a crescer cada vez mais nos próximos anos, atraindo um público maior a cada ano.
Nas próximas partes desta matéria, vamos tratar de dois pontos altos do evento: o Miss Nikkey Brasil 2010, o principal concurso de beleza oriental do país, e a final brasileira do WCS, realizada pela primeira vez dentro do Festival. Fiquem ligados!

Categorias
Coberturas de Eventos Críticas e Reviews

45º Gueinosai – Festival de Música e Dança Folclórica Japonesa encanta o público em SP

Um grande evento foi realizado neste último final de semana (26 e 27/06), como parte das comemorações dos 102 anos da Imigração Japonesa no Brasil. Trata-se do 45º Gueinosai – Festival de Música e Dança Folclórica Japonesa – que teve como palco o grande auditório do Bunkyo, no bairro da Liberdade, em São Paulo. Neste evento, foram apresentadas várias facetas da cultura e do folclore japonês, que o público teve oportunidade de conferir em dois dias.


O evento contou com a presença de vários grupos de música, dança, teatro, taiko, cantores e outros diversos artistas da comunidade nipo-brasileira, que se encarregaram de apresentar as mais diversas manifestações culturais japonesas, fazendo um espetáculo de encher os olhos do público.
Alguns políticos também estiveram presentes, como o vereador Jooji Hato (PMDB-SP), que fez um discurso na abertura do evento no sábado, onde disse que “toda a arte apresentada representa o sofrimento dos primeiros imigrantes, quando da chegada deles ao Brasil, e através do qual eles nos ensinam que, com trabalho, esforço e honestidade, é possível superar as dificuldades e prosperar.”

O vereador Jooji Hato (à esq) discursando ao lado do presidente
da comissão organizadora do evento, André Korosue


Nos dois dias do evento, muitos dançarinos se alternaram no palco, exibindo as mais diversas formas do buyo – a dança tradicional japonesa – encantando o público com belíssimas performances.

O dançarino Yusuke Iwamoto foi o primeiro a se apresentar
no palco do Gueinosai, com a coreografia “Takasago”


União Cultural Guinken Shibu do Brasil

Kasa odori – a “dança dos guarda-chuvas”,
típica
da província de Tottori

Júlia Otani, da Associação Cultural Esportiva de Pompéia,
com a coreografia “Ame”

Setsuko Tangue, apresentando “Kanagawa Suikoden”

A pequena Mei Iguti, do Hanayagui-ryu Nadeshikokai,
fez uma apresentação de gente grande

Bunomai: um estilo de Okinawa que mistura a dança com
técnicas de luta

Saito Satoru Ryubu Dojo: um dos grupos que representou o
Ryukyu Buyo (odori de Okinawa)

A dançarina Mayumi Aguena, do Saito Satoru Ryubu Dojo

Além disso, grupos de taiko como o Mika Youtien, composto apenas por crianças, o Tangue Setsuko Taiko Dojo, que fez uma apresentação empolgante, enchendo os olhos da platéia, e o Ryukyu Koku Matsuri Daiko, que trouxe para o evento a alegria dos tambores de Okinawa, também impressionaram o público.


O grupo Mika Youtien: crianças que não deixam nada a dever
para os adultos no taiko




Alguns momentos do Tangue Setsuko Taiko Dojo: grupo
mostrou muita energia e vibração no palco

Ryukyu Koku Matsuri Daiko

O Yosakoi Soran também foi bem representado, sendo apresentado pelos grupos Ishin (sábado) e Shinsei ACAL (domingo).

Ishin Yosakoi Soran

Grupo Shinsei – ACAL

Além deles, os cantores também marcaram presença. Vários nomes consagrados dos taikais passaram pelo palco do Bunkyo nos dois dias do evento, além de atrações trazidas direto do Japão, como Mariko Nakahira.
Um dos grandes destaques neste segmento foi Jane Ashihara, irmã de Joe Hirata, que se apresentou no domingo juntamente com a filha Pâmela.

Da esq. p/a dir: as cantoras Kamilla Tamura, Jane Ashihara e
Pâmela Ashihara

Jane e Pâmela Ashihara: mãe e filha dividiram o palco

Kamilla Tamura encantou com sua bela voz

Edson Saito também marcou presença no festival

Mariko Nakahira foi a atração internacional do evento

E os destaques no karaokê não param por aí. No sábado, o festival contou com a presença de um convidado muito especial: Roberto Casanova, o grande vencedor do NHK Nodojiman, o mais concorrido concurso do gênero no Japão. Acompanhado de sua esposa, Mika da Silva, ele fez uma performance que emocionou o público presente no dia.

Mika da Silva e Roberto Casanova encantaram
o público presente no sábado

Nosso colunista Daniel “Sheider” ao lado de Roberto,
Mika e a pequena Rina, filha do casal

No domingo, um dos pontos altos do evento foi a apresentação de kagura, um estilo que se originou no xintoísmo e mistura teatro, música e dança para contar lendas do folclore japonês. Contando a história do monstro Yamatano Orochi, o Grupo Kagura do Brasil simplesmente encantou o público.













Os músicos também deixaram sua marca no Gueinosai. Destaque para os shamisens do Nihon Minyo Kyokai, que esteve presente nos dois dias, e o Nihon Ongaku Kyokai, que mostrou ao público o belíssimo som do koto.


Dois momentos do Nihon Minyo Kyokai

Nihon Ongaku Kyokai e sua apresentação de koto

O grupo Hanayagui-ryu Kinryukai tratou de fechar o evento com chave de ouro, fazendo, além de belas e engraçadas performances, uma homenagem especial a seus mestres.


O gran finale do Hanayagui-ryu Kinryukai

Seja na batida forte do taiko, nos passos marcados da dança, na música do shamisen e do koto… o que se viu neste final de semana foi um espetáculo sem igual, e que, através das diversas formas de manifestação cultural trazidas do Japão pelos imigrantes e cultivadas por seus descendentes, mexeu com os olhos e o coração do público que compareceu nos dois dias do festival. Para o presidente da comissão organizadora do evento, o sr. André Korosue, o saldo dos dois dias do Gueinosai foi bastante positivo: “Não apenas aqueles que se apresentaram no palco saíram satisfeitos… o público também saiu, por presenciar um grande espetáculo.”

Korosue ainda destaca a importância do festival: “É a divulgação da nossa cultura, em especial da arte de palco japonesa. ‘Gueino’ significa ‘arte de palco’, e aqui apresentamos as mais diversas modalidades desta arte, ajudando a divulgar a cultura japonesa para todos, descendentes ou não. Vivemos em um país multicultural, e é importante que todos aprendam um pouco sobre cada cultura. Nosso papel aqui, com este evento, é divulgar a cultura japonesa para os brasileiros.”

Missão muito bem cumprida, por sinal. Foram dois dias inesquecíveis, com belíssimas apresentações e performances de encher os olhos.

Categorias
Coberturas de Eventos Críticas e Reviews

5º Nikkey Matsuri – saiba o que rolou no evento

No último final de semana (24 e 25/04) foi realizada a quinta edição do Nikkey Matsuri, evento de cultura japonesa, no Clube Escola Jardim São Paulo, zona norte da capital paulista. O evento contou com atrações bastante diversificadas, e também com a presença de algumas autoridades. Um grande número de pessoas compareceu ao local no último dia. Ao todo, mais de 40 mil pessoas compareceram nos dois dias do evento.

Além das atrações culturais, o evento contou também com uma praça de alimentação, onde o público pôde apreciar alguns pratos típicos, como yakissoba e onigiri. Houve ainda um enorme stand montado pelo famoso salão de cabeleireiros Soho, que promoveu o programa “Soho Solidário”, realizando cortes de cabelo a preços populares, com toda a renda sendo revertida em favor de entidades assistenciais.

O “Soho Solidário” promoveu cortes de cabelo a preços populares

Vários grupos tradicionais de dança e de música da comunidade se apresentaram ao longo do evento.
E, além deles, uma das atrações principais foi o cantor Joe Hirata, famoso por interpretar canções sertanejas.

O cantor Joe Hirata marcou presença no Nikkey Matsuri

O Consulado Geral do Japão também realizou uma exposição temática dentro do evento, com roupas tradicionais, objetos do cotidiano, gravuras e algumas maquetes de palácios e monumentos, como o Genbaku Dome de Hiroshima.



Alguns objetos expostos pelo Consulado Geral do Japão


Maquete do “Genbaku Dome”, de Hiroshima,
que resistiu à explosão da bomba atômica

Os fãs de anime/mangá também tiveram seu espaço dentro do Nikkey Matsuri. Um palco extra foi montado logo na entrada do evento, e houve apresentações de animekê livre e shows de bandas diversas, que levantaram o público com temas de séries famosas, como Dragon Ball GT e Full Metal Alchemist.

Apresentação de animekê livre


Bandas como a Owari (na foto de cima) e a Acid Shot
animaram o público

Várias autoridades estiveram presentes no evento, tais como o vereador Gilberto Natalini (PSDB), que veio representando o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, além dos também vereadores Jooji Hato (PMDB) e Ushitaro Kamia (DEM) e o deputado federal Walter Ihoshi (DEM-SP), que ressaltou a importância cultural do evento. “Vários povos ajudaram a construir a cidade de São Paulo, tais como os imigrantes italianos, os portugueses, e os japoneses. A comunidade japonesa é uma comunidade bastante presente na cidade, e a cultura japonesa tornou-se integrada à dos paulistanos. Eventos como este ajudam a divulgar o trabalho das entidades ligadas à comunidade, mostrando toda a cultura, a música, a dança, a gastronomia, que interessam a um povo bastante misturado culturalmente, como o paulistano”, diz o deputado.

Autoridades presentes no evento

Pelo quinto ano consecutivo, o Clube Escola Jardim São Paulo recebeu o Nikkey Matsuri. Motivo de orgulho para sua diretora, Ana Maria Schiesari, que destacou os benefícios que o evento trouxe para a instituição: “Graças ao evento, conseguimos emendas junto aos vereadores da Câmara para a promoção de reformas nas dependências do Clube Escola. Isto é muito importante, pois o Clube Escola é propriedade da nossa população. E, se todos nós fizermos nossa parte, poderemos progredir ainda mais”, disse.
A diretora falou ainda de sua admiração pela cultura japonesa, e do ambiente familiar do evento: “A cultura japonesa é uma cultura que possui uma filosofia maravilhosa, que valoriza muito a família. A família é o centro de tudo. E o nosso Clube Escola também é um clube da família. Por isso é importante pra nós realizar eventos onde toda família possa estar presente, como o Nikkey Matsuri, pois eles nos mostram a importância do amor da família.”

A seguir, alguns momentos marcantes do evento:

Apresentação de dança (odori) – Fujinkai/Lojinkai Tucuruvi:




Ishin Yosakoi Soran:





Ninjutsu:




Requios Gueinou Doukoukai:




Um evento bastante interessante e diversificado, que tende a crescer a cada ano.
Assim foi o Nikkey Matsuri, que tem tudo para entrar para o rol dos grandes eventos da comunidade nipo-brasileira.

Por enquanto é só, pessoal. Até a próxima! o/

Categorias
Coberturas de Eventos Críticas e Reviews

5° Festival de Sanshin – Sanshin no Hi

No último domingo, 07 de março, foi realizado no bairro da Liberdade, em São Paulo, o 5º Festival de Sanshin – Sanshin no Hi (e não 3º, como divulgado aqui anteriormente. Desculpem a nossa falha! =P), um evento promovido pela comunidade de Okinawa em comemoração ao Dia do Sanshin (4 de março).
O sanshin é um instrumento bastante tradicional. Trata-se de um shamisen de três cordas, que surgiu em Okinawa e depois foi se expandindo para outras regiões do Japão. Foi trazido ao Brasil pelos imigrantes, e sempre era usado para animar festas da comunidade okinawana.

Alguns instrumentos raros foram expostos no festival.
Na primeira foto, um shamisen de mais de 200 anos,
e na foto logo acima, um shamisen raro,
que não existe mais em Okinawa. Perdeu-se com a 2ª Guerra Mundial.

O evento contou com a participação de diversos grupos tradicionais de shamisen, como o Ryukyu Minyo Kyokai e o Ryukyu Minyo Hozonkai. Além disso, também houve apresentações de dança tradicional (Ryukyu Buyo) e de taiko, com os grupos Requios Gueinou Doukoukai e Ryukyu Koku Matsuri Daiko. Este último, aliás, tratou de fechar o evento com chave de ouro.
Também tivemos algumas atrações internacionais, como o grupo Tontonmi e a cantora Kanako Horiuchi, que nasceu em Hokkaido e se interessou pela música de Okinawa após ver de perto uma apresentação no Japão. Ela toca sanshin há 10 anos.
“Fiquei muito contente em poder participar de um evento como este aqui no Brasil”, diz a cantora. “Me senti como se estivesse em Okinawa!”

A cantora Kanako Horiuchi, uma das atrações internacionais do evento


O auditório da Associação Okinawa Kenjin do Brasil, com capacidade para cerca de 700 pessoas, lotou com este evento, o que ilustra a popularidade do shamisen entre a comunidade okinawana.
Um dos principais mestres de sanshin no Brasil, o sensei Seitoku Nakandakare, presidente do Ryukyu Minyo Kyokai do Brasil, ressaltou a importância do festival: “Eventos como este ajudam a manter as tradições de Okinawa, e, consequentemente, transmití-las para as gerações seguintes, nisseis, sanseis, yonseis, etc.” Opinião esta também expressa pelo vice-presidente da Associação Okinawa Kenjin do Brasil, o sr. Shinji Yonamine, que destacou o interesse dos jovens da comunidade pelo shamisen. “É uma satisfação muito grande ver os mais jovens se interessarem pelo aprendizado do sanshin. Isso, com certeza, ajuda a preservar e a fortalecer as tradições de Okinawa.”
O sr. Yonamine foi ainda mais além, destacando também a participação de não-descendentes nos grupos de shamisen: “Hoje também há muitos não-descendentes que se interessam pelo sanshin, e aprendem a tocar o instrumento. Isso mostra que a tendência do sanshin no Brasil é crescer e se modernizar, além de promover o intercâmbio com outras comunidades. Tudo isto através de um único instrumento, que saiu de Okinawa e se tornou universal.”

A seguir, temos alguns dos momentos mais importantes do festival

Apresentação do grupo Ryukyu Minyo Kyokai (ao centro, o sensei Seitoku Nakandakare, de kimono azul):

Apresentação do grupo Ryukyu Minyo Hozonkai:


Apresentação de música e dança, com a mestra Shigeko Gushiken:

Apresentação de dança (Nanyou Chidori) – Yoriko Shimabukuro e Juliana Izu:


Apresentação de dança (Wakasyu Zei) – Saito Satoru Ryubu Dojo:



Requios Gueinou Doukoukai Eisa Daiko:



Ryukyu Koku Matsuri Daiko:








Nosso colunista Daniel “Sheider” (ao centro) junto com os membros
do Ryukyu Koku Matsuri Daiko

E foi isso, galera. Um evento super bacana, e um espetáculo muito bonito de se ver.
Parabéns aos participantes e aos organizadores do evento, pelo esforço de divulgar a bela e rica cultura de Okinawa. Chibariyo!

Por enquanto é só, pessoal. Aguardem as próximas postagens!

Categorias
Coberturas de Eventos Críticas e Reviews

3º Festival de Sanshin – música tradicional de Okinawa

Dica cultural pra vocês, galera… no próximo dia 7 de março (domingo), será realizado aqui em São Paulo o 3º Festival de Sanshin. Sanshin, pra quem não conhece, é um instrumento tradicional – trata-se de um shamisen de três cordas, oriundo da província de Okinawa. No Brasil, há uma quantidade considerável de músicos que tocam esse tipo de instrumento. E, claro, a maioria deles descende de imigrantes de Okinawa.



Além de vários grupos tradicionais de shamisen, o evento também contará com a presença dos grupos de taiko Ryukyu Koku Matsuri Daiko e Requios Gueinou Doukoukai, bastante conhecidos por participarem de eventos como o Festival do Japão e ajudarem a difundir a cultura da província de Okinawa.

Uma ótima pedida para quem admira, ou mesmo quer conhecer um pouco da cultura de Okinawa.

Portanto, anotem na sua agenda:

3º Festival de Sanshin (Shamisen de Okinawa)
Data: 07 de março de 2010 (domingo) – a partir das 13hs

Local: Associação Okinawa Kenjin do Brasil
Rua Dr. Tomás de Lima, 72 – Liberdade – São Paulo

(próximo à estação Liberdade do Metrô)

Entrada franca

Informações: (11) 3106-8823 (horário comercial)

Obs: Em breve, o J-Wave fará uma série de matérias sobre a cultura de Okinawa no Brasil. Fiquem ligados!

Categorias
Coberturas de Eventos Críticas e Reviews

CoFesta: maior evento sobre entretenimento do mundo chega ao Brasil

Pela primeira vez em sua história, o Japan International Contents Festival – ou simplesmente CoFesta – terá uma edição completa do evento realizada fora de seu país de origem, o Japão. Entre os dias 12 e 14 de março, o CoFesta in Brasil será realizado no Pavilhão da Bienal, no Parque do Ibirapuera, em São Paulo. O evento, que será produzido pela Yamato Comunicações e Eventos e patrocinado pelo Comitê executivo do Japan International Contents Festival, tem como objetivo a promoção do intercâmbio entre as empresas líderes do mercado de entretenimento do Japão e empresas brasileiras atuantes no ramo.

A edição brasileira do CoFesta contará com atrações diversificadas, tais como apresentações de cosplay, exibições de anime e de filmes digitais, palestras sobre o mangá no Brasil, mostra interativa de games, exposição de design, mostra de tecnologia, entre outros. O evento também contará com a participação de convidados internacionais, como a dubladora Miki Maruyama (de Astroboy) e a cantora Yoko Takahashi (a intérprete de Zankoku na Tenshi no Thesis, tema de abertura de Evangelion).



Maiores informações sobre o evento podem ser encontradas no site oficial: www.cofesta.com.br