Categorias
Cursos e Idiomas

Koshukai 2018: Curso preparatório de bolsas e estágios no Japão!

Você sabia que existe um curso preparatório para futuros bolsistas e estagiários no Japão? É o KOSHUKAI, realizado anualmente em São Paulo pela Asebex (Associação Brasileira de Ex-Bolsistas no Japão). São quatro semanas de atividades que incluem palestras sobre os tipos de bolsas existentes, etiqueta, geografia, história e cultura japonesa, experiências e dicas dos ex-bolsistas, entre outras; além de dinâmicas para estimular a amizade e união dos membros do grupo, para que possam ajudar uns aos outros durante o período de intercâmbio.

“A nossa missão é preparar e orientar os futuros bolsistas e interessados para que eles tenham a melhor experiência no Japão e para que possam representar bem o Brasil, além de prestarmos auxílio e integração aos ex-bolsistas”, explica Felipe Takashi Hokama, ex-bolsista pela Jica e atual presidente da Asebex. “Além das dicas e orientações sobre o dia a dia no Japão, eles terão esse networking com os atuais e ex-bolsistas, que será um importante apoio para o período da bolsa. Além disso, poderão participar das diversas atividades e oportunidades no Japão promovidas pelos bolsistas e membros da Asebex. ”

A Asebex é uma entidade sem fins lucrativos composta em grande parte por ex-bolsistas. O Koshukai é sempre organizado por voluntários que participaram dos anos anteriores, os chamados “senpais” (veteranos), em prol dos novos participantes, os “kouhais” (calouros).

Clovis Kita, que fez o Koshukai em 2016 e foi bolsista pela Jica no mesmo ano, é um dos organizadores da edição 2018. Para ele, a grande motivação para ajudar a realizar o evento é a gratidão.

“Em 2018 teremos a 50ª edição do Koshukai”, declara Clovis. “Só de pensar que há 50 anos, através do esforço e união de um grupo de ex-bolsistas, iniciava-se o curso para os que iriam posteriormente pudessem ir mais preparados, com um sentimento de grupo e um propósito de representar bem o nosso povo, nos dá um senso de muita responsabilidade e privilégio para retribuir tudo o que recebemos no Koshukai em que participamos como kouhais (calouros). ”

“No Japão, pude viver na prática as lições aprendidas no meu Koshukai”, continua Clovis. “Com certeza foram fundamentais para aproveitar mais a minha bolsa e poder ser um bom testemunho como nikkei brasileiro. Desde agosto deste ano estamos respirando a organização do Koshukai 2018, ansiosos para chegar janeiro e compartilhar um pouco da nossa experiência no Japão a todos os que vão e aos que estão interessados”, anima-se.

A edição 2018 do Koshukai será realizada no edifício do Bunkyo, no bairro da Liberdade, de 8 de janeiro a 2 de fevereiro, de segunda a sexta, das 19h15 às 22h00. As inscrições são feitas pelo site da Asebex e o valor cobrado varia de acordo com o lote: R$ 120 para o primeiro, R$140 para o segundo e R$ 170 para o terceiro. Não é necessário ter conhecimento de língua japonesa, as palestras e atividades são ministradas em português.

Afinal, o que significa “Koshukai”?
Você pode estar se perguntando o que significa a palavra Koshukai. Segundo o dicionário japonês, é um de curta duração para aprender uma técnica, arte ou conhecimento;. A palavra é escrita com três caracteres: 講 (aula), 習 (aprender) e 会 (reunião).

Koshukai 2018
Quando: De 08/01/2018 a 02/02/2018 (de segunda a sexta, das 19h15 às 22h00)
Onde: Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social (BUNKYO) – Rua São Joaquim, 381 – Liberdade – São Paulo – SP
Quanto: As inscrições são feitas por lotes, nos valores de R$ 120, R$ 140 e R$ 170
Inscrição: koshukai.asebex.org.br
Dúvidas: http://www.asebex.org.br/bolsas/faq
Facebook: facebook.com/koshukai

Categorias
Coberturas de Eventos Críticas e Reviews

11º Okinawa Festival – uma viagem cultural a Okinawa

11º Okinawa Festival

Neste último final de semana (10 e 11/08) tivemos a 11ª edição do Okinawa Festival – um evento que a cada ano se consolida como grande expoente da cultura okinawana no Brasil, sobretudo em São Paulo.
O evento foi realizado nas dependências do Clube-Escola Vila Manchester, localizado no bairro de Vila Carrão, zona leste da capital paulista.

O evento foi aberto oficialmente no sábado, com um cerimonial que contou com a presença de diversas autoridades da comunidade nikkei – dentre as quais estavam os vereadores Masataka Ota e George Hato, os deputados federais Walter Ihoshi e Keiko Ota, os deputados estaduais Hélio Nishimoto e Jooji Hato, entre outros.
Também esteve presente uma delegação formada por autoridades da província de Okinawa, liderada pelo presidente da Assembleia Legislativa local, Masaharu Kina, e que trouxe ao todo oito parlamentares.
Todos participaram da tradicional quebra do taru (barril de saquê), ritual para trazer sorte e bons fluídos ao evento.

Autoridades brasileiras e okinawanas participam da quebra do taru
Autoridades brasileiras e okinawanas participam da quebra do taru

Uma atração à parte do evento foi a sua área gastronômica, que trouxe pratos tradicionais da província de Okinawa, como o conhecido hiija nu shiru (sopa de cabrito).

11_okinawafestival (11) 11_okinawafestival (10)
E claro, não faltaram atrações culturais. Diversos grupos de dança folclórica (odori) passaram pelo palco do evento, e mostraram toda a beleza e arte refinadas da dança tradicional.

Yotsudake - Ryukyu Buyou Kyokai do Brasil
Yotsudake – Ryukyu Buyou Kyokai do Brasil
Nutibana - Kotarokai Hatsue Omine
Nutibana – Kotarokai Hatsue Omine
Bon Odori - Fujinkai Vila Carrão
Bon Odori – Fujinkai Vila Carrão

Instrumentos tradicionais também ganharam espaço no palco do Festival. Destaque para o sanshin – o clássico shamisen de três cordas de Okinawa, trazido pelas escolas Ryukyu Minyo Kyokai e Ryukyu Minyo Hozonkai.

Ryukyu Minyo Kyokai
Ryukyu Minyo Kyokai
Godo Enso - Nomura-Ryu Ongakukai
Godo Enso – Nomura-Ryu Ongakukai

Okinawa também é uma ilha conhecida por ser o berço de estilos de luta – em especial o karatê e a arte de armas conhecida como kobudo (ou arte marcial antiga).
Estas artes foram trazidas ao palco do Okinawa Festival pelos membros da Associação Okinawa Kobudo Jinbukai/Okinawa Shorin-Ryu Jyureikan do Brasil, sob a liderança do sensei Flavio Vicente de Souza.
Outras artes como o aikidô também marcaram presença.

Okinawa Kobudo Jinbukai
Okinawa Kobudo Jinbukai
Aikido - Brazil Aikikai
Aikido – Brazil Aikikai

E o Okinawa Festival não se limitou apenas ao tradicional. Ritmos modernos, como o Matsuri Dance e o K-Pop, deram o ar da graça.

Smile - Matsuri Dance
Smile – Matsuri Dance
Seinenkai Vila Carrão/First Wish - K-Pop
Seinenkai Vila Carrão/First Wish – K-Pop

Cantores também marcaram presença no Okinawa Festival. Além do sempre presente Joe Hirata, se destacaram também os pequenos e talentosos Ryu Jackson (que além de cantar, balançou o público com covers de Michael Jackson e do coreano Psy) e Karen Taira, que já participou do programa de Raul Gil no SBT e recentemente ficou entre os melhores do reality Ídolos Kids, da Record.

Joe Hirata
Joe Hirata
Karen Taira
Karen Taira
Ryu Jackson
Ryu Jackson

O eisa daiko, o estilo de taiko de Okinawa, foi muito bem representado. Os grupos Ryukyu Koku Matsuri Daiko e Requios Gueinou Doukoukai fizeram belíssimas apresentações, tanto no sábado quanto no domingo.
Além deles, outros grupos de taiko como o Soragoi Wadaiko, também passaram pelo palco.

Soragoi Wadaiko - ACREC
Soragoi Wadaiko – ACREC
Ryukyu Koku Matsuri Daiko
Ryukyu Koku Matsuri Daiko
Requios Gueinou Doukoukai
Requios Gueinou Doukoukai

É comum ver nas portas das casas dos okinawanos estátuas de leões, que eles acreditam trazer proteção e boas energias a seus lares. Estes leões – ou shisá, como são chamados – também são representados por meio de dança.
O Grupo Shishimai de Campinas se encarregou de trazer esta dança ao Festival.

Grupo Shishimai de Campinas
Grupo Shishimai de Campinas

Um dos pontos altos do evento ocorreu no domingo, quando o público presente no evento pôde conferir uma atração muito especial: a performance Spirit of Ryukyu, apresentada pelos membros do Saito Satoru Ryubu Dojo – a academia de dança tradicional liderada pelo mestre Satoru Saito.
Esta apresentação contou ainda com a participação especial do Ryukyu Koku Matsuri Daiko.

Satoru Saito durante a apresentação de "Spirit of Ryukyu"
Satoru Saito durante a apresentação de “Spirit of Ryukyu”

O Matsuri Daiko, aliás, fechou o Okinawa Festival com chave de ouro, apresentando-se durante o show da banda Tontonmi, e convocando todo o público a participar do famoso kachashi, fazendo uma verdadeira festa ao final do evento.

Durante os dois dias, foram arrecadados donativos e alimentos não-perecíveis, que foram doados a entidades assistenciais mantidas pela comunidade nipo-brasileira.

E assim foi o 11º Okinawa Festival. Um evento que cresce a cada ano, e ganha espaço entre os principais da comunidade. Parabéns a todos os organizadores!

Por enquanto é só, pessoal. Até a próxima!

Categorias
Coberturas de Eventos Críticas e Reviews

11º Okinawa Festival será realizado neste fim de semana

11_okinawafestival
Será realizada neste final de semana (10 e 11/07) a 11ª edição do Okinawa Festival.
O evento reúne o que há de melhor em termos de cultura okinawana, desde a gastronomia até as atrações culturais e artísticas. Desde 2007, faz parte do calendário oficial de eventos do município de São Paulo, e vem ganhando lugar de destaque nos últimos anos como um dos principais eventos da cultura uchinanchu.

Neste ano, a programação artística do evento trará mais de mil participantes, desde dançarinos e praticantes de artes marciais até os membros dos grupos de taiko Ryukyu Koku Matsuri Daiko e Requios Gueinou Doukoukai – os dois principais representantes no Brasil do eisa daiko, o estilo de taiko de Okinawa.
Um dos destaques da programação é a performance “Spirit of Ryukyu”, comandada pelo mestre de odori (dança tradicional) Satoru Saito.

Confira a seguir as informações do evento:

11º Okinawa Festival
Data: 10 e 11/08
Horário: a partir das 11:00hs
Local: Clube-Escola Vila Manchester
Praça Haroldo Daltro, s/nº – Vila Carrão
Entrada Franca
(solicita-se que seja levado 1kg de alimento não-perecível, que será doado a entidades assistenciais)

O JWave estará por lá realizando a cobertura do evento. Fiquem ligados por aqui!

Categorias
Coberturas de Eventos Críticas e Reviews

16º Festival do Japão – o maior evento de cultura japonesa da América Latina

festival2013

Por mais um ano, o Festival do Japão mostrou porque é chamado de o maior evento de cultura japonesa da América Latina. Nos últimos dias 19, 20 e 21/07, o evento atraiu um grande público e demonstrou a cultura japonesa em suas mais diversas formas.

Demonstração de cerimônia do chá
Demonstração de cerimônia do chá

Neste ano, o tema do evento foi “Tecnologia e Modernidade”, uma vez que o Japão é uma referência mundial nestes dois quesitos – tanto que o Festival até abrigou a final de uma competição de robótica na sexta-feira, que contou com participantes de oito países, incluindo o Brasil.

"Tecnologia e modernidade" foram os temas do Festival deste ano
“Tecnologia e modernidade” foram os temas do Festival deste ano
O evento foi palco de um torneio de robótica, que contou com equipes de oito países
O evento foi palco de um torneio de robótica, que contou com equipes de oito países

Como em todos os anos, a gastronomia é um grande atrativo do Festival. Na praça de alimentação do evento, o público pôde provar diversos pratos típicos de várias províncias japonesas, trazidos por suas respectivas associações no Brasil.

Gastronomia - sempre um grande atrativo do evento
Gastronomia – sempre um grande atrativo do evento

A abertura oficial do evento contou com a presença de várias autoridades importantes da comunidade Nikkei, além de representantes da comissão organizadora e dos patrocinadores.

Dentre as autoridades, compareceram: os deputados estaduais Hélio Nishimoto e Jooji Hato; os vereadores Aurélio Nomura, George Hato e Masataka Ota; os deputados federais Walter Ihoshi, Keiko Ota e Junji Abe; o cônsul geral do Japão em São Paulo, Noriteru Fukushima; a vice-prefeita de São Paulo, Nádia Campeão; o governador da província japonesa de Miyagi, Masahiro Wako; e ainda, o empresário Paulo Skaf, presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), dentre outros.
Todos participaram, no sábado (20/07), do tradicional ritual da quebra do taru (barril de saquê), que abre oficialmente o Festival.

Autoridades participam do ritual da quebra do taru
Autoridades participam do ritual da quebra do taru

O Akiba Space é um espaço em que a cultura pop japonesa é demonstrado pela curadora editora JBC em sua quarta edição. Ao lado do WCS 2013, esse espaço chega em sua versão 4.0, trazendo parceiros como a Saraiva, Toyota e a Nintendo, contando a cultura pop japonesa, através dos games, mangás e cosplay. Entre as novidades desse ano, tivemos o primeiro Itasha brasileiro no espaço em parceria com a Toyota, em que tivemos um carro decorado com personagens de animês no qual o público podia tirar foto dentro dele.

Outra atração à parte foi o stand encabeçado por Akemi Matsuda, a “embaixadora kawaii no Brasil”, totalmente dedicado ao estilo Lolita.

Akiba Space
Akiba Space
Akemi Matsuda
Akemi Matsuda

O evento também contou com espaços dedicados às crianças e à terceira idade, com diversos tipos de atividades. Além disso, workshops foram realizados durante todos os dias do evento, com atividades como kirigami, origami, sumi-ê, entre outras.

Atrações culturais como dança, teatro e taiko tiveram lugar de destaque nos três dias do Festival.

Neste ano, o destaque foi para o grupo folclórico Wariki, que veio ao Brasil pela primeira vez. O Wariki faz uma mistura interessante de teatro, dança e música, e tem influência de manifestações culturais de diversas regiões do Japão.

Wariki: primeira vez em solo brasileiro
Wariki: primeira vez em solo brasileiro
Shinsei ACAL - Suzume Odori (dança)
Shinsei ACAL – Suzume Odori (dança)

Outro destaque vai para o Grupo Kagura do Brasil, que neste ano apresentou a peça “Ebisu”, que fala sobre o deus da pesca – um dos sete deuses da felicidade.

Grupo Kagura do Brasil, com "Ebisu"
Grupo Kagura do Brasil, com “Ebisu”

O taiko foi representado no Festival por grupos como o Tenryuu Wadaiko e o Ryukyu Koku Matsuri Daiko, dentre muitos outros.

Tenryuu Wadaiko
Tenryuu Wadaiko
Shinkyo Daiko
Shinkyo Daiko
Ryukyu Koku Matsuri Daiko
Ryukyu Koku Matsuri Daiko

Cantores também marcaram presença no Festival, como Joe Hirata e Ricardo Nakase, que dividiu o palco com o grupo de yosakoi soran Ishin.
Além deles, direto do Japão vieram Yumi Inoue e Mariko Nakahira, além da brasileira Márcia, que faz muito sucesso do outro lado do globo.

Ricardo Nakase ao lado do grupo Ishin
Ricardo Nakase ao lado do grupo Ishin
Joe Hirata
Joe Hirata
Yumi Inoue: uma das cantoras internacionais no evento
Yumi Inoue: uma das cantoras internacionais no evento
Márcia: cantora brasileira de sucesso no Japão
Márcia: cantora brasileira de sucesso no Japão

Cantores de anime e tokusatsu também soltaram a voz no Festival, como Diogo Miyahara, ex-vocalista da banda Animadness, Nordan Manz, da Gaijin Sentai, e Hideki Ito.
Os três dividiram o palco da área cultural do evento, no sábado.

Diogo Miyahara, Nordan Manz e Hideki Ito
Diogo Miyahara, Nordan Manz e Hideki Ito

Na onda da classificação do Japão para a Copa do Mundo de 2014, que será realizada no Brasil, o evento trouxe dois campeões de futebol freestyle: o brasileiro Eduardo Key, que já foi campeão nacional, e o japonês Kotaro Tokuda, que ganhou o mundial da categoria.

Kotaro Tokuda: campeão mundial de embaixadinhas
Kotaro Tokuda: campeão mundial de embaixadinhas

E outras duas grandes atrações marcaram o Festival do Japão deste ano: o Miss Nikkey Brasil 2013, que elegeu a mais bela representante da comunidade nikkei, e a etapa brasileira do World Cosplay Summit (WCS), que escolheu os representantes brasileiros na final internacional do torneio, em Nagoya.

Falaremos mais a respeito nas próximas postagens. Fiquem ligados aqui no JWave!

Exposição sobre a moradia dos imigrantes japoneses: comemoração aos 105 anos da Imigração.
Exposição sobre a moradia dos imigrantes japoneses: comemoração aos 105 anos da Imigração.
Categorias
Eventos

16º Festival do Japão já tem data marcada

festival2013

O 16º Festival do Japão já tem data marcada para acontecer: será realizado nos dias 19, 20 e 21 de julho, no Centro de Exposições Imigrantes, em São Paulo.

O tema do Festival deste ano será “Tecnologia e Modernidade”, remetendo à forte tradição tecnológica do país, fundamentada após o termino da 2ª Guerra Mundial. Atualmente, o Japão é referência em termos de tecnologia, criando e comercializando produtos aplicados nas mais diversas áreas.
Além de diversas atrações culturais, o evento também abrigará o Miss Nikkey Brasil – o mais tradicional concurso de beleza da comunidade nikkei – e a final brasileira do WCS, a “copa do mundo” de cosplay, sob a tutela da Editora JBC.

Maiores informações podem ser encontradas no site: www.festivaldojapao.com

 

Categorias
Coberturas de Eventos Críticas e Reviews

Japan Experience 2012 – Aproximando o público da cultura japonesa

Neste último final de semana (20 e 21/10) foi realizada a sétima edição do Japan Experience, no complexo cultural da Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa (Bunkyo), localizado no bairro da Liberdade, região central de São Paulo.
Diferente de outros eventos, o Japan Experience traz uma proposta bastante interessante: aproximar o público da cultura japonesa, independente de raça, idade ou origem.
Esta aproximação é realizada por meio de diversas atividades, realizadas ao longo do evento, que permitem que o público interaja com diversos segmentos e elementos da cultura japonesa.


E foi o que se viu durante os dois dias do evento. Diversas atividades foram disponibilizadas para o público, por meio de workshops, onde o público presente teve a oportunidade de aprender mais sobre a cultura japonesa.
Ao todo, dois espaços abrigavam os workshops: no hall principal, atividades como shodô, origami, furoshiki, kirigami, mangá e até maquiagem para orientais, chamaram a atenção do público.

Workshop de Shodô

 

Workshop de Origami
Esculturas em origami expostas no evento

No ginásio, atividades esportivas, como beisebol e tênis de mesa, e artes marciais, como judô e karatê, ficaram à disposição do público.
Além destas, também foi possível aprender sobre danças tradicionais (Yosakoi Soran) e contemporâneas (Matsuri Dance).

Tênis de Mesa

 

Workshop de Judô

 

Karatê/Kobudo

 

Yosakoi Soran

 

Matsuri Dance

Além destes espaços, o evento teve uma área especialmente destinada às crianças, inclusive com exibição de filmes.

Os mascotes do centenário, Keika e Tikara, no espaço destinado às crianças

A gastronomia também foi uma atração à parte – além de diversos pratos típicos, o público também teve a oportunidade de experimentar o famoso Pastel da Maria, eleito por duas vezes o melhor pastel de São Paulo.

O Pastel da Maria foi uma das atrações gastronômicas do evento

E claro, não faltaram apresentações artísticas. No palco do Japan Experience, passaram diversas atrações, como a pequena e talentosa cantora Karen Taira, que, a exemplo de Melissa Kuniyoshi, também está ganhando lugar de destaque no programa de Raul Gil, do SBT.

A cantora mirim Karen Taira

Grupos de dança também se apresentaram no palco do evento, se alternando entre o tradicional e o moderno.
Destaque para o Yosakoi Soran, representado por grupos como o Ishin, e o street dance, trazido pelo Soul Base/Ghetto Jam/The Face.

Biritiba Mirim Yosakoi Soran

 

Ishin Yosakoi Soran

 

Soul Base/Ghetto Jam/The Face - Street Dance

Grupos de taiko também animaram o público presente no evento. Quem marcou presença no palco do grande auditório do Bunkyo foram os grupos Yuushin, Shinkyo Daiko, Kien Daiko e o Ryukyu Koku Matsuri Daiko – que encerrou o evento no domingo com chave de ouro, em uma apresentação conjunta com grupos de Yosakoi Soran.

Shinkyo Daiko e Kien Daiko em apresentação conjunta

 

Ryukyu Koku Matsuri Daiko

 

Encerramento - RKMD + Yosakoi Soran

E assim foi o Japan Experience 2012. Um evento com uma proposta diferente e inovadora, buscando aproximar de forma mais direta o público da cultura japonesa.
E que venham mais edições nos próximos anos!

Por enquanto é só, pessoal. Até a próxima!

Categorias
Coberturas de Eventos Eventos

15º Festival do Japão – O maior festival de cultura japonesa da América Latina (Parte 1 de 3)


O Festival do Japão vem se consolidando a cada ano como o maior evento de cultura japonesa da América Latina. E isto pôde ser observado nos últimos dias 13, 14 e 15/07, datas nas quais o evento foi realizado no Centro de Exposições Imigrantes, em São Paulo.
Com muitas atrações diversificadas, o evento demonstrou um pouco da rica cultura japonesa ao público que compareceu.

O tema do evento deste ano foi “Sustentabilidade e o Futuro da Humanidade”. Por meio de palestras e de um espaço dedicado ao tema, o Festival ressaltou a importância e a preocupação com o desenvolvimento humano sustentável, sem prejudicar o meio ambiente.

Sustentabilidade foi o tema deste ano do Festival
O Miev, carro elétrico da Mitsubishi: exemplo de carro sustentável

Uma das principais atrações do evento é a gastronomia das províncias japonesas, trazida por suas respectivas associações. Na praça de alimentação do evento, o público pôde apreciar um pouco destes sabores peculiares.
Nos dias de maior movimento, houve filas em alguns stands da praça.

A gastronomia das províncias japonesas – um dos grandes atrativos do evento

Autoridades compareceram ao evento para a cerimônia de abertura oficial, no sábado (14/07). Dentre elas, os deputados federais Keiko Ota (PSB-SP), Junji Abe (DEM-SP), Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP) e Walter Ihoshi (PSD-SP) – este último veio como representante do prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (PSD-SP); os deputados estaduais Hélio Nishimoto (PSDB-SP) e Jooji Hato (PMDB-SP); o secretário-executivo do Ministério da Pesca, Brigadeiro Átila Maia da Rocha; o cônsul geral do Japão em São Paulo, Tsuyoshi Narita; e o também deputado federal Roberto Freire (PPS-SP), que veio pela primeira vez ao evento, e se mostrou surpreso: “Estou admirado com a magnitude deste Festival e a quantidade de pessoas aqui presentes”, disse Freire ao JWave. “Eventos como este são importantes, pois contribuem para o multiculturalismo, e ajudam as pessoas a compreenderem a diversidade cultural.”
Todos eles participaram da quebra do taru (barril de saquê), ritual tradicional de abertura do Festival.

A tradicional cerimônia de abertura do Festival, com a quebra do barril de saquê

No domingo, compareceram ao evento o governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB-SP), e o candidato à prefeitura de São Paulo, José Serra (PSDB-SP).

O governador Geraldo Alckmin discursa durante o evento
José Serra, candidato à prefeitura de São Paulo, acena para o público

O Akiba Space, patrocinado pela editora JBC, firmou-se no evento como o espaço da cultura pop japonesa, trazendo games, mangás, cosplay e até algumas novidades em eletro-eletrônicos. Além disso, trouxe também um stand dedicado exclusivamente à moda Lolita, de Harajuku.

O Festival também teve espaços dedicados às crianças e à terceira idade, com atividades diversificadas, como origami, confecção de pipas e culinária (para as crianças), além de atividades físicas e jogos (terceira idade).

Atividades no Espaço Criança
Radio Taissô – Espaço Terceira Idade

Workshops também foram realizados ao longo dos três dias do evento. Dentre as atividades realizadas, estavam a caligrafia (shodô),  kirigami, sumi-ê, literatura (haikai), entre outras.

Alguns dos workshops disponíveis para o público

A edição deste ano do Festival do Japão também trouxe algumas surpresas para o público. Pela primeira vez, foi realizado um festival de bon odori, na praça central do evento, onde o público pôde se divertir bastante.

O público se divertiu com o Bon Odori
Nem o demônio de Akita resistiu ao Bon Odori

Houve, ainda, uma pré-estreia do filme Corações Sujos, de Vicente Amorim (cujo trailer pode ser conferido aqui), que contou com a presença de alguns atores do elenco, e teve ingressos distribuídos gratuitamente.

Fila para a premiere de Corações Sujos
Atores do elenco de Corações Sujos (da esq. p/a dir): Ulisses Sakurai, Ricardo Oshiro, Celine Fukumoto, Henrique Kimura e Ken Kaneko

E claro, não poderiam faltar as atrações culturais, a dança e o taiko.
Diversos grupos passaram pelos palcos do evento, e mostraram a diversidade e a beleza da cultura japonesa.
Destaque para uma atração internacional, os atores Hayao Tagaya e Hiromi Shimada, pai e filho, que trouxeram para o palco do Festival o teatro Kyogen (teatro cômico tradicional), interpretando a peça “Kaminari”, onde um médico picareta se depara com o deus do trovão, que caiu dos céus e se feriu, e se vê obrigado a tratá-lo.
E ainda, o Grupo Kagura do Brasil trouxe a lenda da monstruosa serpente de oito cabeças, Yamata no Orochi.

Hiromi Shimada e Hayao Tagaya encenam a peça “Kaminari”
Grupo Kagura do Brasil
Ishin Yosakoi Soran
Tenryuu Wadaiko
Todoroki Daiko – Osasco
Ryukyu Koku Matsuri Daiko

Cantores também marcaram presença no evento, como Joe Hirata, Karen Ito e a pequena Melissa Kuniyoshi, do programa Raul Gil.
E ainda, as atrações internacionais Tsubasa e Mariko Nakahira.

Joe Hirata foi um dos cantores presentes no evento

E não pára por aí. Outras duas grandes atrações agitaram o 15º Festival do Japão: o Miss Nikkey Brasil 2012, que escolheu a mais bela nikkei do país, e a etapa brasileira do WCS (World Cosplay Summit), que selecionou a dupla de cosplayers que representará o Brasil na final mundial do torneio, mês que vem, em Nagoya.
Estes serão os assuntos das próximas postagens. Fiquem ligados no JWave!

(continua…)

Categorias
Eventos

10º Festival de Yosakoi Soran será realizado em julho em SP

No próximo dia 29/07, será realizado um grande evento de dança e cultura japonesa no Via Funchal – trata-se da 10ª edição do Festival de Yosakoi Soran.
O Yosakoi Soran foi criado em 1991 no Japão, surgindo da fusão de duas canções tradicionais: o Yosakoi Bushi (ou Yoru ni Koi, que significa “venha à noite”), da província de Kochi, e o Soran Bushi, tradicional dos pescadores de Hokkaido. A dança caracteriza-se pelos movimentos rápidos e pela coreografia vibrante.
O Yosakoi Soran é praticado por pessoas de diversas faixas etárias, e estimula diversos valores, como união e trabalho em equipe.

Para esta edição do festival, mais de 40 grupos se inscreveram, e podem fazer do evento um belíssimo espetáculo.
Ao longo do dia, serão realizadas duas sessões: uma ao meio-dia e outra às 17:00hs. Os convites já estão sendo distribuídos em pontos específicos, e pede-se para que sejam levados 2kg de alimento não-perecível, no dia do evento.
A lista dos pontos de distribuição pode ser conferida no site: www.yosakoisoran.org.br

Categorias
Eventos

1º Encontro Mundial de Jovens de Okinawa será realizado este mês em SP

Pela primeira vez no Brasil, será realizado um encontro internacional de jovens, com foco na cultura de Okinawa. Trata-se do 1º Sekai Wakamono Uchinanchu Taikai, ou traduzindo, Encontro Mundial dos Jovens Uchinanchus.
A iniciativa surgiu durante o Uchinanchu Taikai (o tradicional encontro de descendentes de Okinawa, realizado na própria ilha) do ano passado e tem como objetivo promover o intercâmbio entre os jovens uchinanchus ao redor do mundo e a manutenção e transmissão da cultura de Okinawa para as próximas gerações.

Diversas atividades estão previstas para o evento, dentre as quais estão atividades esportivas e culturais, como um campeonato de voleibol, artesanato de shisá (o leão de Okinawa), um festival de curtas-metragens tendo como tema a imigração okinawana, concurso de karaokê, entre outras.
Estas atividades se iniciarão no dia 25/07, na Associação Okinawa Kenjin do Brasil (AOKB), e se estenderão até o dia 29/07 no Kyodo Matsuri, evento a ser realizado no Centro Cultural Okinawa do Brasil, em Diadema.
Maiores informações, além da programação completa, estão disponíveis no blog do Urizun (Círculo de Ex-Bolsistas de Okinawa): www.urizun.blogspot.com

Agradecimentos: Satoru Saito

Categorias
Coberturas de Eventos Críticas e Reviews

47º Gueinosai – O espetáculo do folclore japonês

Neste último final de semana (23 e 24/06) foi realizada a 47ª edição do tradicional Gueinosai – Festival de Música e Dança Folclórica Japonesa, no Grande Auditório do Bunkyo, em São Paulo.
O evento faz parte das comemorações do 104º aniversário da Imigração Japonesa no Brasil, e reúne as mais diversas formas de manifestação artística tradicionais do arquipélago, trazidas ao nosso país pelos imigrantes e preservadas ao longo das gerações.

Ao longo dos dois dias de evento, vários artistas se revezaram no palco do Bunkyo, mostrando do que são capazes e encantando os olhos do público.
A dança foi muito bem representada por vários grupos, como o Tamagusuku-ryu Kotarokai, da mestra Hatsue Omine, e o Saito Satoru Ryubu Dojo, do mestre Satoru Saito, entre outros.

Yumi Namihira, aluna da mestra Hatsue Omine
Hamakko Soran - Bunkyo de Ribeirão Preto
Zenidaiko - Assoc. Tottori Kenjin
Nagauta - Yoshio Fujima
Grupo Minbu de Ribeirão Pires
Shinsei ACAL

A mistura da dança com as artes marciais também marcou presença, com os membros da Associação Okinawa Kobudo Jinbukai – Filial do Brasil, do sensei Flavio Vicente de Souza.

Grupo de Bunomai - Associação Okinawa Kobudo Jinbukai do Brasil
Goshinomai - Sensei Flavio Vicente

Grupos musicais também deram o ar de sua graça, levando a beleza da música folclórica japonesa por meio de instrumentos tradicionais como o koto e o shamisen.

Associação Kyodo Minyo do Brasil
Kaito Shamisen Kyoshitsu
Koto - Associação Brasileira de Música Clássica Japonesa

A batida forte do taiko também não podia faltar. Grupos como o Mika Youtien e o Tangue Setsuko Taiko Dojo  mostraram a sua energia no palco.

As crianças do Mika Youtien

Os dois grupos de taiko de Okinawa fizeram apresentações que empolgaram o público. Destaque para o Ryukyu Koku Matsuri Daiko, que, no sábado, fez uma surpresa: incluiu em sua apresentação uma performance de dança do leão (shishimai).
O leão (ou shisá, como os okinawanos chamam) é um símbolo de proteção e de boa sorte em Okinawa, e é muito visto ornando a entrada das residências dos habitantes da ilha.

O Ryukyu Koku Matsuri Daiko levou um leão ao palco no sábado
Os membros do RKMD
As responsáveis pela performance de Shishimai do RKMD
Requios Gueinou Doukoukai - grupo se apresentou no domingo

O evento contou ainda com performances de karaokê e de teatro.
Cantores soltaram a voz no palco, e grupos de atores apresentaram diversas formas de teatro tradicional, como o Noh.

Cantores, como Emi Fujino, soltaram a voz no Gueinosai
Melissa Kuniyoshi, do Programa Raul Gil, não cantou, mas prestigiou o evento
Gekidan Aranami - grupo apresentou performance teatral

Ao final do evento, o grupo de dança Kyofujima Ryu mostrou toda sua arte no palco, e ainda chamou a platéia para dançar, transformando o auditório do Bunkyo em uma imensa roda de bon odori.

Durante os dois dias de evento, houve também um sorteio de aparelhos de videokê para o público presente.
Alimentos também foram arrecadados, para serem doados para instituições assistenciais mantidas pela comunidade nipo-brasileira, como a Kodomo no Sono e Kibô no Ie.

Ambos os dias contaram com uma grande presença do público, e no domingo, o auditório lotou.
O presidente da comissão organizadora, sr. André Korosue, fez um balanço positivo do evento: “Como em todos os anos, o Gueinosai correspondeu às nossas expectativas. Atingimos nosso objetivo principal, que é divulgar aos brasileiros a arte e a cultura do Japão”, disse Korosue ao JWave.

E, de fato, conseguiram. O Gueinosai é um espetáculo belíssimo de se ver, e em todos os anos, exibe com perfeição todas as diversas faces do folclore do arquipélago.
Parabéns à comissão organizadora e a todos que participaram do evento.

Por enquanto é só, pessoal. Até mais!

Categorias
Coberturas de Eventos Críticas e Reviews

7º Nikkey Matsuri – evento trouxe novidades

No último final de semana (30/03 e 01/04), foi realizada a sétima edição do Nikkey Matsuri, no Clube-Escola Jardim São Paulo, zona norte da capital paulista.
O evento vem se firmando como um dos mais importantes da comunidade nipo-brasileira, e já faz parte do calendário oficial de eventos da cidade de São Paulo.

Para este ano, o evento trouxe uma novidade: o concurso Miss Nikkey Matsuri, realizado no domingo (01/04). Ao todo, 23 candidatas passaram pelo palco do evento, desfilando toda a beleza feminina oriental.

As candidatas do Miss Nikkey Matsuri aguardando o início do desfile


As candidatas desfilaram muita beleza e simpatia durante o concurso

A vencedora desta primeira edição do concurso foi Luciana Sayuri Kobuti, que se mostrou bastante determinada em participar. “Precisava participar de algo assim pra mudar a minha rotina”, diz a vencedora. “Estava focada na vitória, mas não sabia qual era a proposta dos jurados. Mas quis acreditar que tinha chances. Ainda estou um pouco eufórica, mas estou muito feliz”, complementa.

A candidata Luciana Kobuti recebe a coroa de Miss Nikkey Matsuri 2012

Autoridades estiveram presentes na abertura oficial do evento, no sábado. Entre elas, o deputado estadual Hélio Nishimoto e o vereador Ushitaro Kamia.
Todos participaram da tradicional quebra do taru (barril de saquê) e brindaram ao público pela realização do festival.

A quebra do taru...
...e o tradicional "kanpai" na abertura solene do evento

Vários grupos de dança e música tradicionais passaram pelo palco do evento ao longo dos dois dias.
Um dos destaques foi o grupo de jovens (Seinenkai) da ACENB, que veio de São Carlos, interior de São Paulo.
Além deles, os grupos de jovens e veteranos da ACET (Associação Cultural e Esportiva do Tucuruvi) também passaram pelo palco do evento trazendo danças folclóricas.
E ainda, o Ryukyu Minyo Kyokai, escola do mestre Seitoku Nakandakare, e a Associação Okinawa de Santa Maria, trouxeram o sanshin (shamisen de Okinawa) para o palco do Nikkey Matsuri.

Seinenkai ACET Tucuruvi
Fujinkai Tucuruvi

 

Ryukyu Minyo Kyokai, sob o comando do prof. Rafael Kamiya

 

Associação Okinawa de Santa Maria

A música pop também deu o ar da graça no evento, com o grupo Pop Soul e as bandas Uchiná e Heros Sanshin Band, esta última com influências da banda okinawana Begin, que se apresentou no Brasil em novembro do ano passado.

Banda Pop Soul

 

Heros Sanshin Band

Mas o evento não se resumiu apenas a música e dança. Quem impressionou o público com seus truques de mágica nos dois dias de evento foram os irmãos ilusionistas Mario e Meire Kamia.
Mario, aliás, já participou de vários programas de televisão, e também orientou o ator global Rodrigo Lombardi em sua atuação no remake de “O Astro”, exibido em meados do ano passado.
No domingo, inclusive, fez uma performance com um dos truques exibidos na novela, a “caixa de Pandora”.

A ilusionista Meire Kamia
Mario Kamia e o número da "caixa de Pandora"

Os cantores também marcaram presença no evento. Destaque para Joe Hirata, que levantou o público nos dois dias, inclusive cantando o sucesso “Ai, Se eu te Pego” de Michel Teló, a pequena Melissa Kuniyoshi, famosa por suas aparições no programa Raul Gil, do SBT, e Karen Ito, que encerrou o evento no domingo com chave de ouro, juntamente com o grupo Ryukyu Koku Matsuri Daiko.

Joe Hirata

 

Melissa Kuniyoshi

 

Karen Ito

O Matsuri Daiko, aliás, trouxe a alegria dos tambores de Okinawa para o Nikkey Matsuri. No dia anterior, quem se encarregou de agitar o público foi o outro grupo tradicional de taiko de Okinawa, o Requios Gueinou Doukoukai.

Ryukyu Koku Matsuri Daiko

 

Requios Gueinou Doukoukai

Muitas atrações e surpresas. Assim se resume o 7º Nikkey Matsuri – um evento que cresce a cada edição, e tende a continuar evoluindo e ocupando um espaço cada vez maior entre os eventos da comunidade nipo-brasileira.

Por enquanto é só, pessoal. Até a próxima!

Categorias
Coberturas de Eventos Críticas e Reviews

Begin emociona e agita público no Anhembi

Terminou há pouco o show da banda Begin no Parque Anhembi, em São Paulo. O público lotou a estrutura montada dentro do Pavilhão de Exposições, e recebeu a banda okinawana com muito carinho.
Logo na parte da manhã, já havia gente aguardando na fila para poder entrar. Por volta do meio-dia, os portões do Anhembi foram abertos ao público.


Na abertura do show, os dois principais grupos de taiko de Okinawa se apresentaram: o Requios Gueinou Doukoukai e o Ryukyu Koku Matsuri Daiko. Logo em seguida, um rápido discurso de autoridades que estavam presentes no evento, como o vereador Ushitaro Kamia e os deputados Walter Ihoshi e Victor Kobayashi.

Por volta das 16:00hs, o momento tão esperado: a banda sobe ao palco, sob aplausos do público. Eles próprios se mostraram muito emocionados com o carinho que receberam do público brasileiro. Eisho Higa, o vocalista, arriscou até algumas palavras em português.

Ao longo do show, houveram vários momentos emocionantes e até cômicos. Em um determinado momento, dois dos integrantes do grupo foram ao palco travestidos como um casal de senhores de Okinawa, e fizeram uma pequena performance que arrancou risos do público.

Em uma das músicas, o vocalista Eisho Higa apresentou-se com o primeiro sanshin (shamisen de Okinawa) trazido ao Brasil, em 1908, junto com uma família de imigrantes que veio a bordo do navio Kasato Maru. O instrumento pertence ao senhor SeishinU Miyashiro, que o herdou de seu pai. Foi um dos momentos mais emocionantes do show.

O auge do espetáculo se deu quando a banda tocou “Shimanchu nu Takara”, um de seus maiores sucessos, e bastante conhecida por aqui.
Eles literalmente levantaram o público presente. A empolgação ainda continuaria com “Kariyushi no Yoru” e “Nada Sou Sou”.

Mas não parou por aí. Teve ainda a participação muito especial dos grupos de taiko. A banda tocou “Sanshin no Hana” acompanhada do Ryukyu Koku Matsuri Daiko, e novamente “Shimanchu nu Takara”, desta vez juntamente com o Requios Gueinou Doukoukai.
Por volta das 18:00hs, o Begin encerrou sua primeira apresentação em solo brasileiro com “Egao no Manma”.

O público saiu do show bastante emocionado. Alguns fãs da banda, inclusive, vieram de outras localidades do país. É o caso dos membros da filial curitibana do Ryukyu Koku Matsuri Daiko, que vieram a São Paulo especialmente para assistir o show. “Se pudéssemos, iríamos a Okinawa só pra ver um show deles”, comenta Sílvia Uezu, uma das líderes da filial.  “Valeu muito a pena ter vindo. Não teve show melhor: eles orgulharam não apenas os uchinanchus (como os okinawanos também são conhecidos), mas também quem não descende de Okinawa”, diz.


Uma experiência única de contato com a música e a cultura de Okinawa, que emocionou tanto aqueles que são descendentes da ilha, como aqueles que não o são. Assim foi a primeira passagem da banda Begin pelo Brasil.

Por enquanto é só, pessoal. Até a próxima!