Categorias
Coberturas de Eventos Críticas e Reviews

17º Festival do Japão – A Origem da Felicidade

fj2014_0407_21

Em todos os anos, o Festival do Japão mostra porque possui o título de maior evento de cultura japonesa da América Latina – e já é considerado o maior do mundo fora do território japonês.
Neste ano, não foi diferente. Nos últimos dias 04, 05 e 06/07, um grande público compareceu ao Imigrantes Exhibition & Convention Center (antigo Centro de Exposições Imigrantes) para prestigiar o evento e suas atrações.

fj_jwave (2)

Neste ano, o tema do evento foi “A Origem da Felicidade” – uma reflexão ao público sobre o que torna ou pode tornar as pessoas felizes.
Uma exposição sobre o tema foi montada dentro do evento, com fotografias de autoria de Angelina Megumi Yamada, que passou 20 meses viajando pelo mundo trabalhando como voluntária em regiões carentes.
Apesar de rejeitar o título de fotógrafa, Angelina demonstra um olhar único e particular em suas imagens.

Angelina Megumi Yamada: um olhar sobre felicidade em lugares distantes do globo
Angelina Megumi Yamada: um olhar sobre felicidade em lugares distantes do globo

Uma atração que sempre faz sucesso em todas as edições do Festival é a gastronomia – pratos típicos de cada região do Japão, trazidos pelas associações de províncias japonesas no Brasil.
Nos dias de maior movimento, filas enormes eram vistas na praça de alimentação do evento.

fj_jwave (15)

A abertura oficial do evento, realizada no sábado (05/07) contou com a presença de várias autoridades importantes da comunidade Nikkei, além de representantes do governo do Estado, da comissão organizadora e dos patrocinadores.
Dentre as autoridades, compareceram: os deputados estaduais Hélio Nishimoto e Jooji Hato; os vereadores Aurélio Nomura, George Hato e Masataka Ota; os deputados federais Walter Ihoshi, Keiko Ota, Junji Abe e William Woo; o cônsul geral do Japão em São Paulo, Noriteru Fukushima; e a secretária de Estado da Justiça e Defesa da Cidadania, Eloisa de Sousa Arruda, que representou o Governo do Estado de São Paulo.
Todos participaram da quebra do taru (barril de saquê), ao final do cerimonial.

Autoridades participando da quebra do taru
Autoridades participando da quebra do taru

No domingo, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, compareceu ao evento, juntamente com seu antecessor no governo, José Serra, e o candidato à presidência da República, Aécio Neves.

Geraldo Alckmin (à dir), ao lado de José Serra e Aécio Neves (foto: Fabrício Bomjardim)
Geraldo Alckmin (à dir), ao lado de José Serra e Aécio Neves (foto: Fabrício Bomjardim)

O Akiba Space marcou presença novamente na edição deste ano do Festival, consolidando-se como o espaço da cultura pop dentro do evento.

Workshops também foram realizados durante todos os dias, com atividades como kirigami, origami, sumi-ê, entre outras.
O evento também contou com espaços dedicados às crianças e à terceira idade, com diversos tipos de atividades.

Diversos workshops foram realizados dentro do evento
Diversos workshops foram realizados dentro do evento

Atrações culturais também marcaram presença dentro do Festival. Durante os três dias, diversos grupos de dança, teatro e taikô passaram pelos palcos do evento.
Um dos destaques vai para o grupo vocal INSPI, que veio direto do Japão, e encantou o público no sábado.

Shinsei ACAL - Yosakoi Soran
Shinsei ACAL – Yosakoi Soran
Associação Tottori Kenjin - Kasa Odori
Associação Tottori Kenjin – Kasa Odori
O grupo vocal INSPI - uma das atrações internacionais do evento
O grupo vocal INSPI – uma das atrações internacionais do evento

Outro destaque vai para o Grupo Kagura do Brasil, com sua mistura de música, teatro, dança e histórias folclóricas. Neste ano, o grupo apresentou a performance “Ooeyama”, que conta a lenda de dois guerreiros que recebem do Imperador a missão de derrotar um demônio que sequestrava mulheres de um vilarejo.

Grupo Kagura do Brasil com a peça "Ooeyama"
Grupo Kagura do Brasil com a peça “Ooeyama”

O taiko foi representado no Festival por grupos como o Tenryuu Wadaiko e o Ryukyu Koku Matsuri Daiko, dentre outros.
Neste ano, os grupos também se reuniram na Parada Taiko, circulando pelas dependências do evento.

Sakura Fubuki Daiko
Sakura Fubuki Daiko
Parada Taiko
Parada Taiko
Ryukyu Koku Matsuri Daiko
Ryukyu Koku Matsuri Daiko

No sábado, o evento teve seu dia de passarela do samba. Integrantes da escola Águia de Ouro desfilaram pelo Festival, com muito samba no pé.
A escola terá como enredo, no Carnaval do ano que vem, os 120 anos da assinatura do tratado de amizade entre Brasil e Japão.

Águia de Ouro: samba no Festival
Águia de Ouro: samba no Festival

A grande novidade do Festival do Japão deste ano ficou por conta do Kizuna Project – um projeto que reuniu vários cantores nikkeis, como Joe Hirata, Karen Ito, Ricardo Nakase, Bruno Maessaka, Kaori Kanegawa, Karen Taira, Ryu Murakami (Ryu Jackson), entre outros.
Todos cantaram juntos no palco principal do Festival, e também contaram com a participação especial do grupo de samba Dose Certa.

Kizuna Project - juntando grandes cantores da comunidade
Kizuna Project – juntando grandes cantores da comunidade

E não parou por aí. Duas grandes atrações também mexeram com o evento neste ano: o Miss Nikkey Brasil 2014, que escolheu a mais bela representante nikkei, e a etapa brasileira do World Cosplay Summit (WCS), que selecionou uma dupla de cosplayers para representar o Brasil, no próximo ano, em Nagoya.
Mas isto é assunto para as próximas postagens. Fiquem ligados!

Categorias
Coberturas de Eventos Críticas e Reviews

9º Nikkey Matsuri – confira o que rolou no evento deste ano

No último final de semana (29 e 30/03) foi realizada a nona edição do Nikkey Matsuri, um dos maiores festivais de cultura japonesa de São Paulo.
Por mais um ano, o espaço do Centro Esportivo Jardim São Paulo (antigo Clube-Escola) recebeu o evento, que teve como tema o taiko, instrumento tradicionalíssimo do Japão e que possui muitos adeptos no Brasil, que treinam e se apresentam com diversos grupos.
A organização do evento estima ter mantido a sua média de público, que é de cerca de 40 mil pessoas durante os dois dias.

O taiko foi o tema deste ano do Nikkey Matsuri
O taiko foi o tema deste ano do Nikkey Matsuri

O evento foi aberto oficialmente no sábado, com a presença de diversas autoridades da comunidade nikkei.
Todos participaram da cerimônia do kagamiwari – a tradicional quebra do barril de saquê (taru), que segundo a crença, traz bons fluídos para a realização dos eventos.

Autoridades nikkeis participando da quebra do taru, durante a abertura do evento
Autoridades nikkeis participando da quebra do taru, durante a abertura do evento

E, como o taiko foi o tema principal do evento deste ano, não poderiam faltar apresentações.
Grupos como o Himawari Taiko, Setsuo Kinoshita Taiko Dojo, Requios Gueinou Doukoukai e Ryukyu Koku Matsuri Daiko passaram pelo palco do evento nos dois dias.
O Ryukyu Koku Matsuri Daiko, inclusive, fez duas participações especiais: uma ao lado da cantora Karen Ito e outra dividindo o palco com o Himawari.

Himawari Taiko
Himawari Taiko
Requios Gueinou Doukoukai
Requios Gueinou Doukoukai
Ryukyu Koku Matsuri Daiko, ao lado da cantora Karen Ito
Ryukyu Koku Matsuri Daiko, ao lado da cantora Karen Ito

Além do taiko, grupos de dança folclórica também se revezaram no palco, além de grupos artísticos tradicionais.
Um dos destaques foi o Grupo Kagura do Brasil, que trouxe para o palco do Nikkey Matsuri a lenda de Kurozuka, que conta a história de dois monges que são enganados por uma raposa demoníaca disfarçada de mulher.

Grupo Kagura do Brasil, com a lenda de Kurozuka
Grupo Kagura do Brasil, com a lenda de Kurozuka
Suzume Odori - Shinsei ACAL
Suzume Odori – Shinsei ACAL

As artes marciais também tomaram conta do palco do Nikkey Matsuri. Estilos de luta como o aikido, o ninjutsu e o karatê puderam ser conferidos pelo público nos dois dias.
Destaque para o Bujinkan Nenriki Dojo (ninjutsu), e a Associação Okinawa Shorin Ryu Karate-Do Jyureikan/Okinawa Kobudo Jinbukai (karatê e kobudo de Okinawa).

Okinawa Karate-Do Jyureikan: um dos representantes das artes marciais
Okinawa Karate-Do Jyureikan: um dos representantes das artes marciais

E também não podiam faltar os cantores da comunidade. Nomes consagrados como Joe Hirata e Karen Ito, além dos jovens Teddy Shigueyama e Karen Taira e do prodígio Ryu Jackson, entre outros, passaram pelo palco do evento e soltaram a voz.
O Nikkey Matsuri ainda contou com uma atração internacional: a cantora lírica Chihiro Masuda.

Joe Hirata ao lado do pequeno Ryu Jackson
Joe Hirata ao lado do pequeno Ryu Jackson
A jovem e talentosa Karen Taira
A jovem e talentosa Karen Taira
Chihiro Masuda: atração internacional do evento
Chihiro Masuda: atração internacional do evento

Ainda na parte musical, bandas animaram o público do evento, tais como a Pop Soul e a Uchiná.

Pop Soul: uma das bandas que agitaram o evento
Pop Soul: uma das bandas que agitaram o evento

O público também pôde contar com outras atividades, tais como oficinas culturais. Entre as atividades, oficinas de origami, kirigami, ikebana, mangá, entre outras.

Oficina de origami: uma das atividades proporcionadas para o público
Oficina de origami: uma das atividades proporcionadas para o público

E neste ano o Nikkey Matsuri teve uma novidade: pela primeira vez no evento foi realizado um concurso de cosplay – iniciativa do grupo Animendigos, em parceria com a Associação Orquidófila de São Paulo (AOSP).
Os vencedores foram premiados com um tablet, kits de beleza e camisetas, além de certificados de participação.

Os vencedores do concurso cosplay
Os vencedores do concurso cosplay

Antes deste concurso, houve ainda um desfile de moda urbana japonesa, comandado por Akemi Matsuda, a “embaixadora kawaii” do Brasil, que recentemente fez uma aparição na TV, dentro do programa dominical Fantástico, da Rede Globo.

Akemi Matsuda marcando presença no Nikkey Matsuri
Akemi Matsuda marcando presença no Nikkey Matsuri

E ainda, um grande show de ilusionismo com Mário Kamia, cujos truques arregalaram os olhos do público.

Mário Kamia
Mário Kamia

Uma das grandes atrações do evento aconteceu no sábado – o Miss Nikkey Matsuri, que classificou três candidatas para a final do Miss Nikkey São Paulo/Miss Nikkey Brasil, que acontecerá em julho no Festival do Japão.
Este será o assunto do nosso próximo post. Fiquem ligados no JWave!

Categorias
Coberturas de Eventos Críticas e Reviews

Chimuchurasa – A Beleza do Sentimento

chimuchurasajwave
Dois grandes espetáculos, repletos de cores, energia e força – e, principalmente, sentimentos. Foi o que se viu no último domingo (19/01) no Palácio das Convenções do Anhembi, em São Paulo, na comemoração dos 15 anos das filiais brasileira e argentina do Ryukyu Koku Matsuri Daiko: o grande espetáculo Chimuchurasa – A Beleza do Sentimento.

Com o Auditório Celso Furtado lotado nas duas apresentações, o Matsuri Daiko buscou expressar no palco, através do Eisa (manifestação artística de Okinawa que deu origem ao Matsuri Daiko), todos os sentimentos que moldaram o grupo ao longo dos anos – e conseguiram. Todas as performances estavam carregadas de emoção.

chimuchurasajwave2
Os dois shows foram divididos em blocos, cada um representando um sentimento que marcou a trajetória do grupo: a alegria, a amizade, a prosperidade, a gratidão, a perseverança, a saudade e a fraternidade. Tais sentimentos foram responsáveis pelo crescimento e amadurecimento do Matsuri Daiko, que foi representado pelo crescimento de uma árvore chamada Gajimaru, típica de Okinawa.

Sentimentos como a alegria foram representados no palco
Sentimentos como a alegria foram representados no palco
A árvore Gajimaru simbolizou o amadurecimento do grupo
A árvore Gajimaru simbolizou o amadurecimento do grupo

Os shows também contaram com a participação de convidados especiais, que ajudaram a abrilhantar o espetáculo. Participaram das apresentações os grupos Himawari (wadaiko), Requios Gueinou Doukoukai (eisa/taiko de Okinawa), Ryukyu Minyo Kyokai , Ryukyu Minyo Hozonkai e Kaito Shamidaiko (shamisen), além do grupo Shinsei ACAL  (Yosakoi Soran) e das escolas de dança tradicional dos mestres Satoru Saito e Yoriko Shimabukuro.

Shinsei ACAL e Himawari Taiko (na foto abaixo): alguns dos convidados especiais do Chimuchurasa
Shinsei ACAL e Himawari Taiko (na foto abaixo): alguns dos convidados especiais do Chimuchurasa

himawarijwave

O Matsuri Daiko ainda recebeu votos de felicitações do outro lado do mundo: uma mensagem gravada em vídeo pela banda Begin – que esteve no Brasil em novembro do último ano – foi exibida antes da execução da música “Sanshin no Hana”, sucesso da banda. O Matsuri Daiko usa canções do Begin em suas apresentações, e teve a oportunidade de tocar ao lado do trio okinawano nas duas vezes em que ele passou pelo Brasil, em 2011 e 2013.

“Sanshin no Hana” era a canção favorita do mestre Naohide Urasaki, precursor do grupo no Brasil e fundador da filial brasileira do Matsuri Daiko, que foi homenageado durante a execução desta música.

Homenagem a Naohide Urasaki, pioneiro do Matsuri Daiko
Homenagem a Naohide Urasaki, pioneiro do Matsuri Daiko

Ao final do segundo show, o líder da filial argentina do Matsuri Daiko, Alejandro Sesoko, fez um convite aos membros da filial brasileira: comemorar os 20 anos das duas filiais em terras argentinas. Um desafio aceito pelo líder da filial brasileira, Takayuki Kato: “Já estávamos com essa ideia há algum tempo, de que, se fizemos a comemoração dos 15 anos aqui no Brasil, por que não fazer a dos 20 anos na Argentina? Estávamos pensando bastante a respeito, e agora o convite foi feito no palco. Vamos nos preparar para fazer tanto barulho quanto fizemos aqui”, comentou Kato.

O bom relacionamento entre as filiais do Brasil e de outros países foi um fator determinante para o sucesso dos dois shows, segundo Kato: “Depois que conhecemos os membros da Argentina e de outros países, criamos uma amizade muito grande. Nos identificamos e nos aproximamos bastante, nas integrações e nos aniversários das filiais dos outros países. Foi uma honra muito grande poder recebe-los aqui, uma vez que eles nos receberam nos países deles.”
Kato destacou ainda a colaboração de amigos e familiares do grupo: “Temos nos dedicado a este evento há um bom tempo, especialmente na parte da organização e captação de recursos, pois não é fácil organizar um evento hoje em dia. Mas tivemos ajuda não só dos membros, como também dos nossos pais, familiares e amigos de outros grupos e de kaikans. Este evento foi o resultado do esforço de todos”, disse Kato.

Logo após o segundo show, os membros do Matsuri Daiko, além de todos os grupos convidados, fizeram um corredor para saudar e agradecer o público que compareceu.

Um espetáculo inesquecível, repleto de emoção e de sentimento, preparado com muito cuidado e carinho, e com toda alegria e presença de palco característicos do Ryukyu Koku Matsuri Daiko. Quem teve a oportunidade de assistir aos shows certamente se emocionou.

chimuchurasajwave3

Categorias
Coberturas de Eventos Críticas e Reviews

11º Okinawa Festival – uma viagem cultural a Okinawa

11º Okinawa Festival

Neste último final de semana (10 e 11/08) tivemos a 11ª edição do Okinawa Festival – um evento que a cada ano se consolida como grande expoente da cultura okinawana no Brasil, sobretudo em São Paulo.
O evento foi realizado nas dependências do Clube-Escola Vila Manchester, localizado no bairro de Vila Carrão, zona leste da capital paulista.

O evento foi aberto oficialmente no sábado, com um cerimonial que contou com a presença de diversas autoridades da comunidade nikkei – dentre as quais estavam os vereadores Masataka Ota e George Hato, os deputados federais Walter Ihoshi e Keiko Ota, os deputados estaduais Hélio Nishimoto e Jooji Hato, entre outros.
Também esteve presente uma delegação formada por autoridades da província de Okinawa, liderada pelo presidente da Assembleia Legislativa local, Masaharu Kina, e que trouxe ao todo oito parlamentares.
Todos participaram da tradicional quebra do taru (barril de saquê), ritual para trazer sorte e bons fluídos ao evento.

Autoridades brasileiras e okinawanas participam da quebra do taru
Autoridades brasileiras e okinawanas participam da quebra do taru

Uma atração à parte do evento foi a sua área gastronômica, que trouxe pratos tradicionais da província de Okinawa, como o conhecido hiija nu shiru (sopa de cabrito).

11_okinawafestival (11) 11_okinawafestival (10)
E claro, não faltaram atrações culturais. Diversos grupos de dança folclórica (odori) passaram pelo palco do evento, e mostraram toda a beleza e arte refinadas da dança tradicional.

Yotsudake - Ryukyu Buyou Kyokai do Brasil
Yotsudake – Ryukyu Buyou Kyokai do Brasil
Nutibana - Kotarokai Hatsue Omine
Nutibana – Kotarokai Hatsue Omine
Bon Odori - Fujinkai Vila Carrão
Bon Odori – Fujinkai Vila Carrão

Instrumentos tradicionais também ganharam espaço no palco do Festival. Destaque para o sanshin – o clássico shamisen de três cordas de Okinawa, trazido pelas escolas Ryukyu Minyo Kyokai e Ryukyu Minyo Hozonkai.

Ryukyu Minyo Kyokai
Ryukyu Minyo Kyokai
Godo Enso - Nomura-Ryu Ongakukai
Godo Enso – Nomura-Ryu Ongakukai

Okinawa também é uma ilha conhecida por ser o berço de estilos de luta – em especial o karatê e a arte de armas conhecida como kobudo (ou arte marcial antiga).
Estas artes foram trazidas ao palco do Okinawa Festival pelos membros da Associação Okinawa Kobudo Jinbukai/Okinawa Shorin-Ryu Jyureikan do Brasil, sob a liderança do sensei Flavio Vicente de Souza.
Outras artes como o aikidô também marcaram presença.

Okinawa Kobudo Jinbukai
Okinawa Kobudo Jinbukai
Aikido - Brazil Aikikai
Aikido – Brazil Aikikai

E o Okinawa Festival não se limitou apenas ao tradicional. Ritmos modernos, como o Matsuri Dance e o K-Pop, deram o ar da graça.

Smile - Matsuri Dance
Smile – Matsuri Dance
Seinenkai Vila Carrão/First Wish - K-Pop
Seinenkai Vila Carrão/First Wish – K-Pop

Cantores também marcaram presença no Okinawa Festival. Além do sempre presente Joe Hirata, se destacaram também os pequenos e talentosos Ryu Jackson (que além de cantar, balançou o público com covers de Michael Jackson e do coreano Psy) e Karen Taira, que já participou do programa de Raul Gil no SBT e recentemente ficou entre os melhores do reality Ídolos Kids, da Record.

Joe Hirata
Joe Hirata
Karen Taira
Karen Taira
Ryu Jackson
Ryu Jackson

O eisa daiko, o estilo de taiko de Okinawa, foi muito bem representado. Os grupos Ryukyu Koku Matsuri Daiko e Requios Gueinou Doukoukai fizeram belíssimas apresentações, tanto no sábado quanto no domingo.
Além deles, outros grupos de taiko como o Soragoi Wadaiko, também passaram pelo palco.

Soragoi Wadaiko - ACREC
Soragoi Wadaiko – ACREC
Ryukyu Koku Matsuri Daiko
Ryukyu Koku Matsuri Daiko
Requios Gueinou Doukoukai
Requios Gueinou Doukoukai

É comum ver nas portas das casas dos okinawanos estátuas de leões, que eles acreditam trazer proteção e boas energias a seus lares. Estes leões – ou shisá, como são chamados – também são representados por meio de dança.
O Grupo Shishimai de Campinas se encarregou de trazer esta dança ao Festival.

Grupo Shishimai de Campinas
Grupo Shishimai de Campinas

Um dos pontos altos do evento ocorreu no domingo, quando o público presente no evento pôde conferir uma atração muito especial: a performance Spirit of Ryukyu, apresentada pelos membros do Saito Satoru Ryubu Dojo – a academia de dança tradicional liderada pelo mestre Satoru Saito.
Esta apresentação contou ainda com a participação especial do Ryukyu Koku Matsuri Daiko.

Satoru Saito durante a apresentação de "Spirit of Ryukyu"
Satoru Saito durante a apresentação de “Spirit of Ryukyu”

O Matsuri Daiko, aliás, fechou o Okinawa Festival com chave de ouro, apresentando-se durante o show da banda Tontonmi, e convocando todo o público a participar do famoso kachashi, fazendo uma verdadeira festa ao final do evento.

Durante os dois dias, foram arrecadados donativos e alimentos não-perecíveis, que foram doados a entidades assistenciais mantidas pela comunidade nipo-brasileira.

E assim foi o 11º Okinawa Festival. Um evento que cresce a cada ano, e ganha espaço entre os principais da comunidade. Parabéns a todos os organizadores!

Por enquanto é só, pessoal. Até a próxima!

Categorias
Coberturas de Eventos Críticas e Reviews

11º Okinawa Festival será realizado neste fim de semana

11_okinawafestival
Será realizada neste final de semana (10 e 11/07) a 11ª edição do Okinawa Festival.
O evento reúne o que há de melhor em termos de cultura okinawana, desde a gastronomia até as atrações culturais e artísticas. Desde 2007, faz parte do calendário oficial de eventos do município de São Paulo, e vem ganhando lugar de destaque nos últimos anos como um dos principais eventos da cultura uchinanchu.

Neste ano, a programação artística do evento trará mais de mil participantes, desde dançarinos e praticantes de artes marciais até os membros dos grupos de taiko Ryukyu Koku Matsuri Daiko e Requios Gueinou Doukoukai – os dois principais representantes no Brasil do eisa daiko, o estilo de taiko de Okinawa.
Um dos destaques da programação é a performance “Spirit of Ryukyu”, comandada pelo mestre de odori (dança tradicional) Satoru Saito.

Confira a seguir as informações do evento:

11º Okinawa Festival
Data: 10 e 11/08
Horário: a partir das 11:00hs
Local: Clube-Escola Vila Manchester
Praça Haroldo Daltro, s/nº – Vila Carrão
Entrada Franca
(solicita-se que seja levado 1kg de alimento não-perecível, que será doado a entidades assistenciais)

O JWave estará por lá realizando a cobertura do evento. Fiquem ligados por aqui!

Categorias
Coberturas de Eventos Críticas e Reviews

48º Gueinosai – O espetáculo da arte japonesa

48º Gueinosai
Foi realizada neste último final de semana (22 e 23/06), a 48ª edição do Gueinosai – Festival de Música e Dança Folclórica Japonesa, no grande auditório do Bunkyo – Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa, localizado no bairro da Liberdade, região central de São Paulo.
O evento faz parte das comemorações dos 105 anos da Imigração Japonesa no Brasil.

Durante os dois dias de evento, passaram pelo palco do Bunkyo as mais variadas formas de arte de palco do Japão, como a dança, o teatro, a música e o taiko.
Vários grupos tradicionais de dança exibiram os estilos de diversas regiões do arquipélago.

Kasa Odori - Tottori Kenjinkai
Kasa Odori – Tottori Kenjinkai
Nélia Nishihata - Bunkyo de Campinas
Nélia Nishihata – Bunkyo de Campinas
Awa Odori - Assoc. Cultural e Esportiva Represa
Awa Odori – Assoc. Cultural e Esportiva Represa
Shinsei ACAL - Yosakoi Soran
Shinsei ACAL – Yosakoi Soran

Além disso, o público também pôde prestigiar instrumentos tradicionais de música, como o koto e o shamisen.
Grupos musicais fizeram belíssimas apresentações.

Koto - Assoc. Brasileira de Música Clássica Japonesa
Koto – Assoc. Brasileira de Música Clássica Japonesa
Assoc. Kyodo Minyo do Brasil
Assoc. Kyodo Minyo do Brasil
Kaito Shamisen Kyoshitsu
Kaito Shamisen Kyoshitsu

Cantores também marcaram presença e soltaram a voz no palco do evento. Um dos destaques foi Karen Taira, que já se apresentou no programa Raul Gil.

Karen Taira
Karen Taira
Yumi Kataoka
Yumi Kataoka
Teddy Shigueyama
Teddy Shigueyama
Yumi Uehara
Yumi Uehara

O ritmo vibrante do taiko também marcou esta edição do evento. O público pôde conferir no palco do Gueinosai grupos que trouxeram as duas vertentes principais dos tambores japoneses: o wadaiko, com grupos como o Tangue Setsuko e o Shinkyo Daiko; e o okinawa daiko, com o Ryukyu Koku Matsuri Daiko e o Requios Gueinou Doukoukai.

Shinkyo Daiko - um dos grupos de wadaiko presentes no evento
Shinkyo Daiko – um dos grupos de wadaiko presentes no evento
Ryukyu Koku Matsuri Daiko
Ryukyu Koku Matsuri Daiko
Requios Gueinou Doukoukai
Requios Gueinou Doukoukai

No domingo, o evento foi aberto com uma homenagem aos pioneiros da imigração – senhores e senhoras de 99 anos.
E antes das apresentações começarem, foi feito um rápido cerimonial com discursos de autoridades influentes da comunidade. Estiveram presentes no evento o cônsul geral do Japão em São Paulo, Noriteru Fukushima, os deputados federais Junji Abe e Walter Ihoshi, e o deputado estadual Jooji Hato.

Homenagem aos idosos de 99 anos, pioneiros da imigração
Homenagem aos idosos de 99 anos, pioneiros da imigração
Cerimonial de abertura com presença de autoridades
Cerimonial de abertura com presença de autoridades

No encerramento do evento, a mestra de dança tradicional Midori Ikeshiba  se apresentou no palco do Bunkyo, e recebeu homenagens da comissão organizadora.

A mestra Midori Ikeshiba
A mestra Midori Ikeshiba

Nos dois dias de Gueinosai, alimentos não-perecíveis foram arrecadados, e doados a entidades assistenciais mantidas pela comunidade Nikkei.
Ao todo, quatro entidades foram beneficiadas: Kodomo no Sono, Kibo no Ie, Ikoi no Sono e Yassuragui Home.

Alimentos arrecadados durante o evento, que beneficiaram entidades assistenciais
Alimentos arrecadados durante o evento, que beneficiaram entidades assistenciais

O presidente da comissão organizadora do evento, o sr. André Korosue, relembrou as origens do Gueinosai, através dos primeiros imigrantes: “O japonês nunca esqueceu aquilo que aprendeu quando pequeno. Muitos deles vieram pequenos, e aprenderam nas escolas a cantar, a dançar, e se apresentavam em um tipo de teatro no fim de cada ano. Naturalmente, toda vez que você sofre ou está alegre, você se expande em forma de música ou em forma de dança, principalmente quando se juntam. Os imigrantes certamente começaram a desenvolver estas atividades em todos os espaços, daí a ideia de reunir todos e apresentar tudo em um só lugar. Nosso Gueinosai começou dessa forma, reunindo todas as pessoas que tinham esse amor à arte de palco”, explicou.
Korosue ainda fez um balanço positivo da edição deste ano: “Foi ótimo. Sensacional. Aliás, minha maior alegria é ver as crianças participando, e também os não-descendentes participando. Tivemos um número muito grande de participação dessas duas fontes”, revelou. E ainda frisou os principais objetivos do festival: “105 anos de Imigração e 48 anos de Gueinosai, e sempre com o mesmo intuito: divulgar a cultura e fazer com que mais pessoas sintam proximidade com a cultura japonesa no Brasil”.

jwavegueinosai (21)

Categorias
Eventos

48º Gueinosai – tradicional evento acontece neste final de semana

48º Gueinosai

Acontece neste final de semana (22 e 23/06) a 48ª edição do tradicional Gueinosai – Festival de Música e Dança Folclórica Japonesa.
O evento terá como palco o Grande Auditório do Bunkyo, e contará com diversas apresentações relacionadas a várias formas de expressão artística do arquipélago, tais como o taiko, o teatro, a música e variados estilos de dança.

Diversos estilos de dança, além de música e outras formas de arte, serão apresentadas no Gueinosai.
Diversos estilos de dança, além de música e outras formas de arte, serão apresentadas no Gueinosai.

A entrada do evento é gratuita, e solicita-se aos visitantes uma colaboração com a doação de 1kg de alimento não perecível, que será doado a entidades beneficentes mantidas pela comunidade nikkei – tais como Kodomo no Sono, Ikoi no Sono e Yassuragui Home.

No sábado, as apresentações se iniciam a partir das 09:00hs.
No domingo, no mesmo horário, uma homenagem aos idosos de 99 anos abrirá o evento, e terá 32 homenageados. As apresentações do dia começam a partir das 10:00hs.

O Gueinosai é um evento que faz parte das comemorações dos 105 anos da Imigração Japonesa no Brasil.


48º Gueinosai – Festival de Música e Dança Folclórica Japonesa

Data: 22 e 23/06/2013
Horário: sábado, a partir das 09:00hs; domingo, a partir das 10:00hs*
Local: Grande Auditório do Bunkyo – Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa
Rua São Joaquim, 381 – Liberdade
(esq. com a Rua Galvão Bueno – próximo à estação São Joaquim do metrô)
Entrada Franca
(solicita-se a colaboração com a doação de 1kg de alimento não perecível)

*Domingo, a partir das 09:00hs: Hakujusha Hyoushou – Homenagem aos idosos de 99 anos, antes do início das apresentações.

Categorias
Coberturas de Eventos Críticas e Reviews

10º Okinawa Festival – dez anos divulgando a cultura de Okinawa

O Okinawa Festival chega à sua décima edição com força total. Realizado neste último final de semana (15 e 16/09), o evento trouxe para o público presente o que há de melhor da cultura okinawana no Brasil, entre dança, música, arte e comidas típicas.
O evento aconteceu no Clube Escola Vila Manchester, no bairro de Vila Carrão, zona leste de São Paulo, e faz parte do calendário oficial de eventos do município.

O evento foi aberto oficialmente no sábado (15/09) com um cerimonial de quebra do taru (barril de saquê), que, segundo a crença, atrai bons fluídos para o sucesso do festival.
A cerimônia contou com a presença de autoridades, como os deputados Hélio Nishimoto e Walter Ihoshi, e o vereador Jooji Hato.

Cerimonial de quebra do taru
O brinde das autoridades

Alguns candidatos à prefeitura de São Paulo aproveitaram o evento para fazer campanha e buscar eleitores. Gabriel Chalita, do PMDB, e Fernando Haddad, do PT, marcaram presença no festival.

Chalita, do PMDB, faz corpo-a-corpo com eleitores
Haddad, do PT, discursa usando um megafone

Mas claro, o que marcou o Okinawa Festival foram as atrações gastronômicas e culturais. Alguns pratos típicos da ilha estavam à disposição do público, como o hiija nu shiru – a famosa sopa de cabrito okinawana, muito nutritiva e pesada.

Hiija nu shiru (sopa de cabrito) servido pela Assoc. Okinawa de São Mateus

As artes marciais também foram grande atração do evento.
O karatê, nascido em Okinawa, foi bem representado pelos alunos do sensei Flavio Vicente de Souza, da escola Shorin-Ryu Jyureikan do Brasil.


Demonstração de karate da Jyureikan do Brasil

Outra arte nativa de Okinawa, o kobudo – que utiliza armas e ferramentas de trabalho agrícola adaptadas – foi mostrada ao público pelos alunos da Associação Okinawa Kobudo Jinbukai do Brasil, também comandada pelo sensei Flavio Vicente.

Demonstração de kobudo da Okinawa Kobudo Jinbukai do Brasil

Os movimentos rápidos e ágeis do kung-fu também deram o ar da graça no evento, demonstrados pelos membros da equipe Hon Kit – a seleção brasileira de kung-fu e wushu.

Kung-fu - Equipe Hon Kit

Não faltou também a música tradicional, representada por grupos como o Ryukyu Minyo Kyokai.
Além do Ryukyu Buyo – a dança tradicional ou odori de Okinawa. Destaque para as alunas da escola Tamagusuku-Ryu Gyokusen Kai, da mestra Kazue Shiroma.

Ryukyu Minyo Kyokai
Gyokusen-kai - a escola de odori da mestra Kazue Shiroma

A alegria do bon odori também agitou o público do festival, com as senhoras do Fujinkai da Associação Okinawa de Vila Carrão.

Bon Odori - Fujinkai Vila Carrão

Os mais jovens também tiveram espaço dentro do evento, com o matsuri dance e o k-pop – a atual febre entre os jovens orientais.

Smile - Matsuri Dance
F(w) - Kpop/Dança

Cantores também soltaram a voz no evento, como os já consagrados Joe Hirata e Melissa Kuniyoshi.

Joe Hirata
Melissa Kuniyoshi

Os leões mitológicos de Okinawa trouxeram sua força e energia para o palco do evento, com uma apresentação muito interessante do grupo Shishimai de Campinas.

Grupo Shishimai de Campinas

E também teve a batida forte do taiko, com a presença especial do grupo Sakura Fubuki Daiko.

Sakura Fubuki Daiko

Além, claro, dos dois grandes grupos de taiko de Okinawa – o Ryukyu Koku Matsuri Daiko e o Requios Gueinou Doukoukai – que proporcionaram belíssimas apresentações.

Ryukyu Koku Matsuri Daiko
Requios Gueinou Doukoukai

E quem fechou o Okinawa Festival com chave de ouro foi o grupo Tontonmi, que, além de cantar sucessos de Okinawa, fez uma homenagem aos adeptos do sanshin – o shamisen de três cordas da ilha – trazido ao Brasil pelos primeiros imigrantes.
Houve ainda, após a apresentação, uma grande queima de fogos.

Show da banda Tontonmi
O Tontonmi homenageou a nova geração do Sanshin
Queima de fogos ao final do evento

Um evento marcante, que se consolidou ao longo de dez anos e têm cumprido muito bem o seu papel – divulgar aos brasileiros a rica cultura de Okinawa. Assim tem sido o Okinawa Festival – e este ano, não foi diferente. Aliás, seus dez anos de existência foram comemorados em grande estilo.
Parabéns à toda comissão organizadora do evento!

Por enquanto é só, pessoal. Até mais!